Pepe e a Liga Portuguesa

white corner field line on artificial green grass of soccer field

Felizmente que Pepe guardou estes actos para a Liga Espanhola. Ainda que, o exercício de imaginar o comportamento de um árbitro português perante tal cenário, seja algo extremamente interessante. Interessante seria, também, perceber as influências que seriam movidas, para ilibar tais gestos.

Indesculpável.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2366 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

7 comentários em Pepe e a Liga Portuguesa

  1. Irradiado?

    Eh pá, o homem portou-se mal, sim senhor, mas só quem nunca jogou futebol pode achar que um comportamento (miserável, é certo) destes merece um tratamento com uma punição tal que acabe com a carreira de um jogador. Isso é absurdo.

    O mais justo, na minha opinião, passava por uma multa pesada, o impedimento de jogar futebol até final de época e, MAIS IMPORTANTE DO QUE TUDO O RESTO, trabalho comunitário a sério com as crianças. Isto porque a imagem que deu aos mais pequenos que viram isto é uma imagem muito negativa.

    Agora… haja tacto. As pessoas estão na linha da frente para irradiar os outros. Mas, se calhar, se olhassem para dentro, encontravam razões para se irradiarem a si próprias, digo eu.

  2. creio que a punição deve ser exemplar pois o descontrolo evidenciado por Pepe é incrivel. em alguns anos, nunca tinha visto nada assim. Parece que a loucura de Pepe é tirada do Shining ou de um qualquer filme terror. Agora falar em irradiação do futebol é exagerado e precipitado. Pepe nunca foi um jogador violento. Sempre mostrou fair-play e alegria a jogar futebol. Há que averiguar a situaçao e punir condignamente. Mais do que um jogador de futebol é preciso não esquecer que há ali um ser humano com um comportamento inexplicavel. Mais do que um caso de policia, isto é um caso de psiquiatria, parece portanto que o Adriano vai ter companhia no divã.

    PB, pertinente a tua observação sobre a liga em que isto se passou. Gostava mesmo ver a desculpabilização da atitude por parte dos tripeiros se isto tivesse acontecido em Portugal.

    abraço

  3. Acho o acto deplorável, mas é “normal” – leia-se habitual – em futebol. É fruto de uma reacção a quente, não ponderada. Pepe merece um castigo condizente não só com esta atitude, mas também de acordo com o seu historial, que não é incólume, mas que também não é problemático. 6 ou 7 jogos seriam o suficiente, ou seja, até final da época. Agora, tudo isto é uma reacção, eu diria, à Pepe. Passo a explicar. Pepe é e foi sempre um jogador irracional, muito impetuoso. É o seu ímpeto que o faz reagir assim, ao perceber que cometera infantilmente um penalty que poderia dar a vitória ao adversário. Não sendo por norma um jogador maldoso, é um jogador que não tem tempo de entrada, que não diferencia lances na área ou no meio-campo, que reage sempre intempestivamente, qualquer que seja a situação. Terá sentido, no momento em que fez a falta, uma enorme frustração, até porque fora o responsável directo pelos outros dois golos do Getafe na partida, e perdeu a cabeça. Perder a cabeça, neste caso, teve consequências mais graves, mas é uma coisa muito comum em Pepe. Esta agressão e a responsabilidade que teve na partida fazem deste jogo a cereja no topo do bolo de uma época ridícula, com muitos erros acumulados e que demonstra que o jogador não evoluiu por aí além e continua muito inconstante, estando longe da qualidade com que o tentam definir.

  4. Então, PB? Por quem sois? Influências movidas para ilibar tais gestos? Nunca na vida! Lembra-te que estás a falar da super equipa que empatou com o Manchester!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*