José Mourinho. O tal. VII

“A partir de agora, em cada treino, cada jogo, cada minuto da vossa vida social, têm de estar centrados no objectivo de serem campeões. Jogador titular não é uma designação correcta. Preciso de todos vós. Vocês precisam uns dos outros. Somos uma EQUIPA. MOTIVAÇÃO + AMBIÇÃO + EQUIPA + ALMA = SUCESSO.”
Retirado de uma carta, dirigida aos jogadores do Chelsea, indevidamente tornada pública.
“O meu estilo de liderança na equipa é diferente do de Van Gaal. Não se pode tratar um jogador com tanto rigor como ele trata.”
Luís Costa, Público, 31 de Janeiro de 2002.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2359 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

2 comentários em José Mourinho. O tal. VII

  1. Esse será mesmo o calcanhar de Aquiles do Van Gaal, o excesso de rigor, igual para todos, quando há personalidades diferentes em cada atleta. Ainda hoje, apesar de gostar dele como treinador e de augurar enormes feitos ao seu Bayern de Munique do ano que vem, me custa aceitar que não aproveitou o Riquelme.

  2. Também fiquei bastante satisfeito com a contratação do Van Gaal por parte do Bayern e espero que, com os recursos humanos à sua disposição e com os seus conhecimentos tácticos, o holandês consiga levar o Bayern de volta às grandes conquistas europeias.

    O seu carácter irascível e temperamental, bem como os métodos de treino e princípios de jogo, fazem-me lembrar Co Adriaanse, que não teve o reconhecimento devido no Porto. Até existem alguns pontos de contacto na forma como Adriaanse afastou Diego e Van Gaal colocou de lado Riquelme…Ainda tenho o desejo secreto de ver um destes treinadores a treinar o meu Sporting.

    Saudações desportivas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*