Um melhor FC Porto

white corner field line on artificial green grass of soccer field

Naval – FC Porto, FC Porto – Nacional e Vitória Guimarães – FC Porto. O que têm em comum os jogos da 2nda, 3a e 12a jornada? Para além de terem sido os jogos onde o FC Porto produziu maior caudal ofensivo, há a coincidência de Hulk não ter participado, pelo menos durante muito tempo, em qualquer dos tais jogos.

Jogo após jogo, percebe-se que de super heroi, Givanildo pouco ou nada tem. A questão não passa pelo estar ou não estar em forma. Hulk é aquilo. Correrias, dribles e remates fortissímos. Quem com tanta potência, opta por resolver problemas colectivos sozinho, acabará sempre por marcar três, quatro golos fantásticos por época. Nos dias em que a bola entra, Hulk fará as capas do jornal ‘O Jogo’. Valerá 100 Milhões de euros. A quantidade infindável de ataques que condiciona, será ignorada.

“No derby contra o Inter, fiz asneira. Perdi a bola”. Rui Costa.

“Fico doido com a quantidade de vezes que perdemos a bola”. Jesualdo Ferreira.

Para o adepto comum, a perda de bola é algo com pouca importância. Apenas os jogadores mais inteligentes percebem a relevância que tem não ceder a posse de bola a qualquer preço. Uma equipa que se pretende dominadora, não pode arriscar a sua posse a cada momento. Há que ter paciência, fazer a bola circular de sector a sector, de corredor a corredor, esperar pelo momento em que o adversário se desiquilibra no relvado, para investir. A melhor forma de o fazer é, naturalmente, a rápida circulação de bola. Jogadores que a prendem em demasia, são uma dádiva para os defesas. É bastante fácil organizar uma situação defensiva, quando a bola está sempre na posse do mesmo adversário. Mesmo que tal jogador tenha, pelo seu drible, capacidade para desiquilibrar.

P.S. – Quando Hulk não está, ou estando não toca na bola, é inegável que o potencial ofensivo (criatividade, imprivisibilidade, velocidade de circulação de bola e simplicidade de processos) do FC Porto atinge níveis bem mais elevados.

P.S. II – Não são só as bolas que perde. Mesmo quando não entrega a sua posse, perde timings e linhas de passe, por demorar imenso a decidir, a “ler” o jogo.

P.S.III – Varela não é melhor que Givanildo. Só o facto de não ter um estatuto e um capital de confiança tão elevado, tem levado o português, em alguns lances, a decidir melhor do que é costume.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2359 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

4 comentários em Um melhor FC Porto

  1. Por essa ordem de ideias, o Porto do ano passado antes da entrada de Hulk como titular habitual, somava derrotas e más exibiçoes. Depois, acumulou vitorias.

    E assim continua a tua ridicula campanha, para chamar a ti a razao…tornou-se uma obsessao.

    E porque não falar do jogo com o Rio Ave, onde apesar das dificuldades(mais por aspectos mentais), o Porto tambem ja demonstrou um assinalavel progresso…com Hulk em campo?

    Ah, e Varela tambem vai fazendo questão de desmentir as tuas previsões. Continuo a achar interessante que nunca fales de Cristiano Ronaldo, um jogador obviamente limitado nas decisoes, apesar de ter progredido ao longo dos anos(quando começou ao mais alto nivel, era bem mais sofrivel que Hulk), e que mesmo assim, nao deixa de ser um dos melhores do Mundo. Porque o futebol, nao se esgota na capacidade de decidir bem, como esta nova vaga de pseudo-intelectuais blogueiros, pretende demonstrar.

  2. António Vieira….

    Nunca compares o Hulk ao CR9.

    CR9 tinha 17 anos quando começou como profissional. Hulk tem 24.

    CR9 trabalhou um aspecto que era frágil. O Hulk já tem esse aspecto (físico)

    CR9 perdeu o seu poder de drible curto, ganhando outros aspecto importante, tendo como a mente um factor importantissimo. Hulk nunca há-de ser um jogador intelegente, apesar de ter a força explosiva e uma capacidade individual acima da média….ao nível dos melhores….

  3. É por esses motivos, e mais alguns, que nunca me sinto capaz de criticar o Aimar.

    O Hulk tivesse nascido 20 ou 30 anos atrás e daria um jogador de classe mundial, sem qualquer duvida. Hoje em dia, já é necessário ter um espírito colectivo e uma inteligência superior.

    Mas o que se diz do Hulk pode-se dizer do Di Maria ou do Vukcevic.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*