De que massa é feito um Capitão de equipa?

“Ponto prévio: antes de continuar a ler este texto, façam o seguinte:

1.º ver o tributo a Figo num texto mais abaixo;
2.º encontrem na nossa selecção um jogador com perfil de capitão;
3.º vejam se a vossa escolha (caso encontrem um) é a mesma do(s) seleccionador/jogadores;
4.º Pois é… a Figo (apreciem ou não) ficava-lhe mesmo bem a braçadeira…

A escolha do capitão de equipa é de vital importância para a equipa. Ao pensarmos neste papel, não só no futebol, mas na maioria dos desportos colectivos, a nomeação para este “cargo” deverá ser criteriosa…

Esta selecção tem de ter em conta as especificidades de cada modalidade, e, podemos encontrar vários critérios e tradições:
– a idade, o jogador mais antigo do plantel, a experiência, o número de internacionalizações, a vedeta, o jogador mais apreciado pelos colegas, a forma como demonstra “sentir” o clube, ter bigode…

Depois surge também a dúvida (e quem não se lembra do episódio entre Hélder e Simão em 2003): -“deve ser eleito pelo grupo?; escolhido pelo treinador?; por indicação da estrutura directiva ou presidente do clube?”…

No seu segundo ano teve o caso da braçadeira, com Simão, no polémico estágio de Jerez de la Frontera…
… falo disso à vontade, toda a gente sabe como foi: o Benfica tinha perdido o capitão, Drulovic. Camacho entendeu que devia votar-se três capitães. Ganhei, mas o Simão não aceitou. 90 por cento dos jogadores não queriam que o Simão fosse capitão. São águas passadas, hoje percebo que talvez ele precisasse desse estatuto para poder render, mas na altura a nossa amizade ficou beliscada e eu, mais tarde, talvez tenha perdido a minha posição no Benfica devido a esse episódio. O Simão renovou, tornou-se a imagem do Benfica, veio apoiar-me mais tarde, eu tive respeito por ele, mas aquilo marcou–me. Não fiz campanha, apenas viram em mim a pessoa para liderar o balneário. Se alguém do clube me tivesse dito que “o Simão vai renovar contrato, será a imagem do clube, precisa de ser capitão”, isso seria outra coisa.

por Filipe Duarte Santos, Publicado em 19 de Setembro de 2009(www.ionline.pt)

Entendemos que o capitão assume extrema importância numa equipa, sendo o principal factor, o objectivo principal – o sucesso do grupo e o seu funcionamento como uma organização.
Desta forma, resta-nos concluir que a escolha recaia sobre a equipa técnica, tendo o treinador principal, um papel de relevo nessa mesma decisão, uma vez que é ele o “gestor” do grupo, conhecendo as particularidades de cada um dos seus elementos.

Contudo, há ainda treinadores que vêm o capitão de equipa como aquilo que alguns baptizaram de “corta-fitas”, assim, no exercício desta função, o elemento designado para esta tarefa tem a função de cumprimentar os árbitros, o capitão da equipa adversária, escolhe campo ou bola, troca galhardetes, e… ostenta a braçadeira… depois… é vê-lo a discutir (mais do que os colegas – porque tem esse estatuto) com os árbitros…

Pelo menos, para quem está habituado a acompanhar o futebol jovem, a todos os níveis, verifica com facilidade, primeiro pela cópia do futebol dos adultos e depois pelo contexto que ainda se vive, que o capitão de equipa (que é o filho do director, ou de um pai fanático/influente) já mostra esses “tiques” no que toca a falar com os homens do apito…

No entanto, considera-se que continua a não existir um desenvolvimento de metodologias respeitantes à forma de escolha do capitão, bem como do desenvolvimento das “competências” desse mesmo elemento e “educação” de todos os intervenientes na equipa sobre o papel do mesmo…

Ao Capitão, melhor que a braçadeira, deve assentar-lhe a qualidade de LIDERANÇA! Para além de ser um líder, deve exercer essa liderança com inteligência e acima de tudo, com naturalidade, sabendo sempre os terrenos que pisa. A forma como usa essa liderança, deve estar muito relacionada com a comunicação. Ele deve funcionar como um “PBX”, muitas vezes tendo de “filtrar” informação entre grupo, staff técnico, dirigentes e massa adepta.

A essas qualidades deve juntar-se um forte carácter, aqui não no sentido de ser um tipo sério ou “patrão” da equipa, mas no sentido da forma como lida com momentos de pressão… como ajuda a liderar a equipa nos bons e nos maus momentos, sabendo influenciar os colegas num espírito consistente e ganhador…

– Será também fundamental que entre o capitão e o treinador, exista um clima de total confiança pessoal;
– O capitão deve para além das competências acima mencionadas, possuir uma boa capacidade de lidar com conflitos, agindo com a maturidade de alguém que já os viveu e ultrapassou anteriormente (mesmo que nunca se tenha visto nessa situação), competências estas que são treináveis…;
– A sua imagem dentro e fora do campo deve ser coerente com a de um líder (segundo Curado,2002, possuir os 3 C´s – Concentração, Compostura e Confiança) abstendo-se de comportamentos inadequados (deverá ser um integro respeitador do regulamento interno do clube, no qual este deve ter papel activo na sua elaboração e aprovação);
– Será importante que os colegas de equipa, enumerem as qualidades que um capitão de equipa deverá possuir, e, que as revejam no “seu” capitão”.

Ainda sobre este tema, no passado sábado, 3 de Outubro, Carlos Queirós, em entrevista à RR, referia-se a Cristiano Ronaldo e ao processo da escolha do capitão. Sobre esta escolha os argumentos baseavam-se em:

1- CR já fazia parte da lista dos capitães de Scolari;
2- Como treinador que o treinou de “dia e de noite” conhece-o muito bem, pelo que CR tem todas as qualidades de um capitão;
3- Queirós em 30 anos de carreira já treinou muitos capitães bons e muitos maus, muitos jogadores bons e maus, mas nunca viu nenhum com a capacidade de trabalho e de profissionalismo de Cristiano Ronaldo (aqui parece que o exemplo do trabalho de CR é consensual);
4 – depois apresentou um argumento que se relaciona com a projecção mediática de CR, e aqui já mais discutível, na medida em que o atleta estrela apresenta muitas preocupações, muitas delas de âmbito egocêntrico que não compatíveis com a de um capitão e líder de um grupo de jogadores;
5 – A experiência internacional do atleta…

(entre outros)

Resta-nos saber se o grupo concorda com esta escolha e se revê em CR a imagem de um capitão… quanto ao argumento do exemplo pelo profissionalismo, não há dúvida, CR é um obstinado pela perfeição, pela repetição e pelo trabalho…

mas será que nos momentos de liderar ele apresenta essa competência?”

O post é do Rodrigo Rodrigues e foi primeiramente publicado em Outubro de 2009.
Por me parecer francamente bom, pela recente polémica em torno de Luisão, e pelo choque que é ver João Pereira capitão do que quer que seja, ainda para mais do Sporting, resolvi recuperar o texto, esperando as vossas opiniões.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2366 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*