Um Ciclo de Vitórias

Para quem o título não soou estranho, com certeza recorda-se-à de um episódio do livro, que abordava a segunda mão da meia final da Champions, contra o Deportivo. Nesse mesmo episódio, no final do jogo com o Depor, após vitória por 0-1, Luque dirige-se a Mourinho e diz-lhe: Mourinho, de Puta Madre!
Para os que como eu, não estão familiarizados com o termo, o avançado espanhol referia-se à estrondosa performance do Porto na Corunha. Elogiando a forma com a equipa do treinador português se impôs, perante uma equipa que tinha na eliminatória anterior virado uma derrota por 4-1 fora, para um 4-0 em casa, contra o Milan de Ancelotti.
Alguns anos depois, e também em espanhol, foi carimbada a qualidade de Vítor Pereira.

No site da UEFA pode ouvir-se Isco sobre a dificuldade em jogar contra o FCP.
E um excerto da entrevista de Pellegrini no final do jogo

FCP muito forte do ponto de vista táctico (Organização colectiva). Excelente disposição dos jogadores em campo, boa dinâmica de movimentos com várias trocas posicionais, fantástico controlo dos espaços, grande agressividade posicional, linha defensiva bastante bem trabalhada, bons timings de pressão, reacção muito agressiva à perda de bola, zonas de pressão no campo todo em organização defensiva. Contenção, coberturas, concentração, ajustes, e equilíbrios, sempre presentes.
Bom processo de construção. Predilecção pelo corredor central, transição ofensiva em segurança (normalmente para quem está de frente), boa orientação das linhas de passe.

Processo de criação menos bom. Isto porque a influência do treinador se esgota nos pontos anteriores. A criação é a fase onde entra a criatividade dos jogadores, e a sua qualidade individual. Esta parte do modelo surge depois de terem sido conseguidas (na construção) as condições ideais para os jogadores criarem. E é em 95% trabalho e responsabilidade do jogador.

Já sei que a grande maioria dos comentadores do blogue não o vão perceber, por não terem conhecimento para o fazer. Mas ainda que não o percebam, e para que não venham com a treta do “o que é bom é mérito do treinador, e o que corre mal é culpa dos jogadores”, preparei um vídeo com a opinião do treinador mais genial que o mundo do futebol já viu, ao nível da organização ofensiva. Espero é que se dê mais crédito à opinião de Guardiola do que aquele que dão à nossa.

Eu dou a táctica para que me ataquem pouco (criem poucas situações de golo), e para que assim que seja possível, em campo, encontrar as possibilidades de passe (criação de linhas de passe, posicionamento em posse). Para que nos últimos metros os jogadores mais desequilibradores (criativos, e com qualidade técnica) façam o resto”

Consegue-se facilmente perceber o nível que este FCP conseguiria atingir caso tivesse jogadores tão talentosos na linha da frente, como os que tinha na defesa. Ainda para mais, numa fase da época onde o seu melhor jogador estava lesionado (James). São inúmeros os lances em que jogadores com maior criatividade, e qualidade técnica, teriam com relativa facilidade criado ocasiões de golo.

Do ponto de vista da organização colectiva, naquilo que o treinador controla, o FCP era de nível mundial. O que diz isso sobre o seu treinador?! O Porto marcava um golo, e praticamente o jogo estava ganho. E isto é aproximar a equipa da vitória. É esse o maior mérito de um treinador.

Vítor Pereira, pelas ideias que a sua equipa apresenta em campo (Ignorando o passado, estatutos, e tudo mais), é para mim, o melhor treinador português do momento.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2364 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*