Na área a cobertura é na linha da bola

Há poucos dias atrás, escrevia no meu facebook o que já estão fartos de me ver escrever no blogue. Jorge Jesus, este homem que não se sabe expressar correctamente na sua língua mãe, que não fez um curso superior de desporto, que não assistiu a nenhuma aula que lhe ensinasse futebol, é o grande operário da revolução defensiva desde Arrigo Sacchi. Parece impossível que se possa catalogar como génio, um tipo que não tem uma relação académica ou um vocabulário adequado, nem tão pouco que não domine todas as competências, dizem, que se exigem ao treinador. Mas na sua área de trabalho e neste momento específico do jogo – o defensivo – não há ninguém no mundo que se compare. Ele inova, revoluciona, aponta o futuro. E isso é ser genial!

Apesar do Benfica não ter estado presente no jogo entre Porto e Bayern, o golo de Boateng de imediato me levou a tecer considerações (no facebook) sobre a mais valia de Jesus para a evolução do jogo. Tendo eu mostrado em comparação um lance que ocorreu na meia final da Liga Europa, em Turim, realçado pelo grande Allas, aqui. Não há melhor forma do que a comparação para mostrar as vantagens e desvantagens de cada abordagem, e o risco que cada uma delas acarreta.

A habilidade para transmitir as ideias aos jogadores, a coragem para lhes entregar novidades que para a esmagadora maioria são apelidadas de perigosas, não tem preço. As coisas são simples, quem quiser aprender como se deve defender no futebol moderno que venha a Portugal fazer um estágio com Jesus, que ele lhes mostrará nada menos que perfeição. Neste exemplo, poder-se-ia tirar que, o Benfica o faz para aproveitar o fora de jogo nas situações de bola parada. Mas para quem está acostumado a analisar o Benfica percebe que, a ideia é superior ao momento estático e está presente em todos os momentos em que a bola entra na linha da área. Ou seja, na área a cobertura é na linha da bola. Tudo o resto é do Guarda Redes. A ideia, como sempre, como em todos os momentos, é afastar o adversário da baliza, é tirar-lhe espaço útil de jogo, é fazer campo pequeno, ainda que a maioria caia na tentação de tentar meter jogadores em cima da linha de golo quando aumenta a proximidade ao Guarda Redes. Defender da mesma forma quando bola está na área do adversário ou na nossa dá imenso trabalho.
Tal perfeição em todos os aspectos defensivos só é possível pelo foco e obsessão do treinador por esse momento. Pela vivenciação constante dos mesmos princípios no treino, pela vivenciação constante desses mesmos momentos em jogo, pela exigência constante do treinador a cada lance que ocorre em jogo, pelo treinador não colocar a jogar quem não seja competente no cumprimento destas tarefas. Imaginando que o Benfica jogava como o Barcelona de Guardiola esta perfeição no momento defensivo nunca seria possível. Porque o foco do treinador seria dividido de forma diferente pelos momentos do jogo, e também os jogadores não iriam experimentar de forma constante, em jogo, o momento defensivo.
Para marcar um golo ao Benfica quando o nível de aquisição dos comportamentos colectivos é este, quando o nível de foco é este, é preciso ser excelente na forma de atacar, ou ter muita sorte. E isso diz muito da bitola actual do treinador encarnado.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2359 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*