Take 3. A exigência

Normalmente quando se caracteriza um treinador como exigente faz-se pelo que se exige aos jogadores fora do campo. Fala-se em ordens para se cumprir com determinado padrão comportamental que pouca ou nenhuma influência terá na execução das tarefas do jogo. Com Jesus isso muda. Com Jesus o Sporting vai ter um treinador obstinado com o cumprimento das tarefas que ele irá propor aos jogadores dentro do campo. E a exigência será tão grande que quem não se predispor a cumprir rigorosamente com os mandamentos do treinador vai ter uma época muita longa fora da convocatória e no banco de suplentes.

Isso é uma diferença gritante para os últimos treinadores que passaram pelo Sporting. Sejam eles movimentos ofensivos, sejam eles movimentos defensivos, o jogador que não for ao detalhe vai passar mal.  Seja ele quem for! As palavras de Paulo Fonseca são bastante esclarecedoras quanto a isso – “faz o jogador pensar o quando, como, e onde é que tem que receber a bola”. Jesus trabalha no treino, no campo, para o jogo. E como diz o próprio novamente Paulo Fonseca essa forma de trabalhar, com esse detalhe, com essa exigência, não é para todos.

Outras diferenças passarão pela qualidade de jogo do Sporting. O Sporting vai jogar melhor. Pode até não ganhar, mas vai jogar melhor. E como por aqui se acredita que quem joga melhor ganha mais vezes, se tiver qualidade para tal, acredita-se também que pela primeira vez em muitos anos o Sporting será um sério candidato ao título. Nas palavras do novinho Jesus – “muitos à frente da linha da bola” Defender com rigor e de forma agressiva a transição com linhas subidas, e defender como ninguém com poucos homens demasiado espaço. O que levará a um maior rendimento ofensivo por parte dos jogadores do Sporting, por a equipa jogar de forma predominante ao ataque, mais perto da baliza do adversário que da própria baliza, e com maior volume de jogo perto da área do adversário. O Sporting vai ser melhor, e com isso beneficiarão os jogadores do Sporting que também vão parecer melhores.

O legado que deixa no Benfica é pesado e as palavras de Ricardo Araújo Pereira são perfeitas para o descrever – “O Benfica é o que aconteceu já este ano, que é a gente espetar 4 ao Nacional e sair a dizer que não se joga nada… a equipa foi assobiada” – e isso não é fácil de conseguir. Colocar os próprios adeptos a questionar uma goleada, acreditem amigos não é nada fácil de conseguir.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2359 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*