Jonas – Mitroglou. E Pizzi.

O número de golos que somam é pornográfico. Só tal dado quase justifica por si só a tremenda influência que a dupla de avançados do Benfica tem na época encarnada.
Todavia, a importância e qualidade da incrível dupla que Rui Costa fez questão de juntar no Benfica vai muito para além dos quarenta e sete!!! golos em vinte e oito jogos.
De Jonas já muito se falou. A forma como desequilibra em todas as fases sempre com a classe dos predestinados tem pouco paralelo em qualquer outro jogador que já tenhamos tido por Portugal. Hoje, até com as costas resolveu criar! É quase irreal a qualidade que acrescenta entre linhas e na definição de todos os ataques do Benfica. A movimentar-se, a decidir e a tocar na bola. Tudo é demasiado para a realidade que estamos habituados a ver em Portugal.
Mitroglou, de quem se duvidava, a mostrar mesmo longe da baliza o porquê da insistência de Rui Costa, que o tiraria das mãos de Jesus. Está a milhas da qualidade técnica de Jonas e da criatividade do brasileiro. Todavia, percebe as suas limitações e não se expõe com bola. Entrega sempre fácil e simples. E é na forma como segura e vence todos os duelos, mantendo a bola na zona de criação, mesmo quando esta não chega redonda que também tem feito a diferença. Dá ao Benfica a possibilidade de ter um jogo diferente (Até no pontapé de baliza de Ederson, o Benfica apenas porque tem o grego chega à criação), e ainda assim próximo do sucesso. Apenas porque individualmente é um enorme ponta de lança.
P.S. – Que jogo incrível de Pizzi. Sempre com acções positivas. Sempre a receber com qualidade e a dar seguimento. Qualidade técnica e critério a fazer a diferença na noite de hoje.
Marco Van Basten
Sobre Marco Van Basten 85 artigos
Licenciado em Desporto, treinador Uefa Pro pela FA. Desde cedo partiu para terras de sua majestade. Experiência como professor e treinador numa Academia no Reino Unido.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*