Prática e teoria. Vivem uma sem a outra?

O Blessing e o Van Basten que têm ideias firmes, com as quais concordo inteiramente, não deixaram de questionar-me sobre o que pensava sobre a dicotomia prática – teoria. Se vivem uma sem a outra.
Porque o que penso é suficientemente extenso, fica melhor num texto acessível para todos quantos os que nos seguem.
Este é um campo que me interessa bastante, sobretudo porque com os tempos tem havido uma certa modelagem ao que teorizo. Modelagem feita em função do que tenho retirado da prática. A prática é no fundo o que permite validar ou não o que teorizamos. E portanto pode haver teoria sem prática. Mas, será sempre não muito relevante e por vezes demasiado especulativa. Naturalmente que cada contexto é um contexto e nunca temos a possibilidade de experimentar todos para perceber na prática a validade das nossas ideias. Que podem ser melhores ou piores também em função de cada momento / espaço. Mas se há algo que a prática traz é a capacidade de avaliar o que teorizamos e consequentemente proporciona uma evolução. O ponto de chegada será sempre o da teoria mais o que sobrou da prática. É aliás esta necessidade de se experimentar a teoria para que se possa falar com maiores certezas que me levam a, e quem sabe injustamente, duvidar e prestar pouca atenção ao que afirma(m) quem não pisa ou pisou um relvado. Seja a que nível for. Do distrital ao profissional. Porque há demasiado que só se aprende ali.
Mas, haverá prática sem teoria? Questionam.
Impossível. Há que perceber que tudo o que se faz na prática surge da teoria! Seja boa ou má, mas tem sempre suporte na teorização que se faz.
Exemplo, Jorge Jesus não partilha (regra geral) nada daquilo que é o seu trabalho e é comummente associado a um treinador prático. Sem lado teórico. Nada mais falso! Tudo no seu trabalho advém da teoria! Porque defende com quatro na última linha? Porque joga em 442? Porque pede à última linha para baixar quando não há contenção, e para subir quando portador adversário tem pressão? Tudo o que coloca em prática vem daquilo que teoriza como sendo o melhor.
Tudo numa unidade de treino vem da teoria. Seja quem for a pessoa em causa! Porquê 5×5 e não correr à volta do campo? Ou o contrário? Porque quem o manda fazer, na teoria crê que tal é o melhor para na prática obter os resultados que pretende.
Teorizar não significa escrever ou publicar. Significa reflectir! Até uma senhora da limpeza teoriza sobre o seu trabalho. Como será mais eficiente ter o quarto limpo num instante? O publicar ou partilhar, seja em blogues, congressos, formações, ou em simples fóruns na internet implica sempre uma vertente teórica. Mas o fazer, mesmo que sem publicação também assim o exige!

P.S. – Estamos a chegar aos 10 mil likes no Facebook. Deem lá uma ajudinha que em breve teremos novidades.

P.S. II – Na barra lateral do lado direito do blog está uma publicidade a uma formação Bwizer, creditada para a cédula de treinador. Ainda há algumas vagas disponíveis. Será em Lisboa e dará para trocarmos ideias!

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2366 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*