Queimar etapas na formação, de Júnior para Sénior. Fernando Valente e Slaven Bilic

Conversava durante um jantar com o Ronaldinho e o mister Fernando Valente sobre o momento mais difícil de transição para um jogador de futebol: a passagem do futebol de formação para o futebol sénior. E ele questionava – Se os nossos jogadores aos 20 e aos 21 ainda não estão prontos para o futebol dos adultos, quando é que estarão?
A pergunta ficou no ar e reflectimos. Pensamos sobre mil e uma formas de contornar a questão, mas sempre, quase sempre, sem uma resposta suficientemente abrangente. A questão é difícil e de uma complexidade tal que só o contexto poderá dizer de cada caso como adequar determinada solução. Mas uma coisa é certa, o atraso que os nossos levam em comparação com os da mesma idade de outros países é evidente.
Que diferenças?
Slaven Bilic afirma sobre o constante aparecimento de jogadores croatas de qualidade, independentemente de ser um país com apenas quatro milhões e meio de habitantes: Um bom jogador da formação na Croácia quando tem 18 anos entra directo na primeira equipa, na primeira divisão croata. Não é a primeira liga inglesa mas é competitiva. Então, quando ele chega aos 21 já tem cerca de cem jogos na primeira divisão.
O que Bilic afirma, e que vai de encontro à maior dificuldade na transição para o futebol sénior, é que quanto mais cedo um jogador for exposto à dificuldade que é defrontar jogadores com mais dez anos de futebol do que eles mais cedo conseguirá ultrapassar essa barreira, e mais cedo conseguirá ter rendimento no futebol dos graúdos.  Assim como Fernando Valente. Olha-se para o futebol no Brasil, na Argentina, na Bélgica, em Espanha, e na Alemanha, e é normal haver miúdos expostos ao erro em muitas equipas da primeira divisão. E isso por si só é um factor determinante para que os jogadores consigam chegar mais cedo.
Zivkovic chega à Portugal, aos 19 anos, com quase cem jogos contra jogadores bem acima da sua faixa etária. E por isso está mais preparado para jogar no Benfica, para cumprir com as exigências de um grande, para entrar na selecção nacional, do que a esmagadora maioria dos jovens jogadores portugueses aos 23. E como é que jogadores que chegam de ligas bem menos competitivas do que a nossa conseguem superar com facilidade os nossos que têm mais 4 anos em cima?! E jovens destes chegarem de fora para os grandes em Portugal e afirmarem-se com grande qualidade é uma constante no nosso futebol.

O que mudar?

As equipas B, nos grandes, foram um passo fundamental para o garantir dessa competitividade aos jovens que surgem na formação. E cumprindo o objectivo (garantir a competitividade na próxima época para eles, ou para os próximos – garantir a manutenção) é fundamental que cada vez mais cedo comecem a chegar mais miúdos ao futebol sénior. Não só às equipas B’s, mas ao mais alto escalão do futebol profissional do nosso país. E todos sairiam a beneficiar com isso porque cada vez mais (com a inflação que existe no futebol) os grandes clubes contratam pela idade e pelo potencial, e não pelo rendimento do momento. Tanto os grandes como os pequenos poderiam beneficiar do ponto de vista financeiro deste tipo de políticas. É olhar para o Renato aos 18.

PS: Faltam menos de 200 Likes no Facebook para chegarmos aos 10000. Se ainda não seguem a página online sigam, por favor. É fazer LIKE no canto superior direito da página do blogue. Se já, muito obrigado por nos seguirem.

Blessing
Sobre Blessing 88 artigos
Treinador de futebol, de momento na formação. Experiência como Treinador Adjunto no escalão de seniores masculino e feminino, tendo esta época culminado com a conquista de todas as provas nacionais em disputa. Desempenha também funções como Scout para 1ºLiga. Criador do Blog Posse de Bola

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*