O 11 do Europeu

PARIS, FRANCE - DECEMBER 12: The UEFA European championships Trophy is displayed prior to the UEFA Euro 2016 Final Draw Ceremony at Palais des Congres on December 12, 2015 in Paris, France. (Photo by Matthias Hangst/Getty Images)

Em 442 como os finalistas.

Buffon. Determinante. Segurança, personalidade e uma imensa qualidade. Na retina a extraordinária defesa que impediu Piqué de empatar o jogo dos oitavos.

Florenzi. Lateral rápido, com capacidade para decidir assertivamente. Desequilibra mas a mostrar-se também capaz de fechar correctamente o corredor lateral defensivo.

Bonnuci. O melhor central da prova e possívelmente o melhor do mundo. Qualidade técnica, de decisão e um conhecimento muito grande sobre toda a movimentação defensiva. Desequilibrou com bola e garantiu sempre grande estabilidade a uma equipa que apenas caiu nos penaltys.

Pepe. Menos critério com bola, mas defensivamente tudo saiu bem. Muitos duelos ganhos pela sua impetuosidade física. Compensa alguma desconcentração com a velocidade e disponibilidade. Longe de um perfíl de decisão aprazível, foi enorme nos momentos defensivos.

Raphael. Para os mais distraídos, uma surpresa o nível a que se apresentou. Muita qualidade técnica, procura do espaço interior e progressão em tabelas. Critério com bola e assertivo sem ela. É o lateral do torneio!

Bale. Decisivo em todas as transições galesas. Liderou um semi finalista pela qualidade ímpar que empresta ao jogo no momento em que a sua equipa recupera a posse. Conduz a grande velocidade, desequilibra e finaliza. Decisivo nas bolas paradas.

Pogba. Não é um criativo mas sabe progredir e tem qualidade de passe. Passada muito larga e disponibilidade incrível tornam-o decisivo nas transições e nos duelos. Um jogador mais de equilíbrios nos momentos de organização.

Iniesta. Caiu cedo. Todavia, grande qualidade nos jogos em que participou. Um dos melhores na zona de criação. Conduz, fixa, solta, dribla. Tudo ao “som” das melhores decisões. Desbloqueia jogos, constroi e cria. Desmanchou organizações. E poucos há os que hoje são capazes de o fazer.

Payet. Talvez a figura do Europeu. Falta a final! Criatividade a rodos, mostrou-se a desmontar os inúmeros ajuntamentos defensivos. Grande qualidade em espaços curtos, foi sempre o factor extra de qualidade da sua selecção. Criou, criou e criou, e ainda finalizou. Partindo da esquerda para dentro mostrou-se a um nível incrível.

Griezmann. Velocidade, qualidade técnica, decisão e finalização. Um avançado fantástico. Seja em transição pela velocidade a que vai embora e desequilibra ou em organização pela qualidade com que recebe enquadra e decide a enorme velocidade. O goleador do torneio mostrou que é preponderante muito para lá da finalização.

Ronaldo. Todo o sonho de um povo no seu melhor jogador. Melhorou ao longo do torneio quando percebeu que seria mais útil esperar próximo das áreas adversárias, e menos útil quando procurava a bola em zonas de criação e construção, tentando assumir ele próprio a iniciativa de toda uma selecção. Ausentou-se um pouco mais do jogo, e guardou-se para onde faz a diferença. Nas zonas de finalização. Muito dos nossos sonhos encerram com Cristiano na área a finalizar.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2359 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

16 comentários em O 11 do Europeu

  1. Muito bom o novo aspecto do blog.
    Quanto ao 11, várias discordâncias:
    Na lateral direita prefiro Kimmich, no centro da defesa obviamente teria que haver lugar para Boateng o central mais influente na manobra ofensiva das selecções, na esquerda aceito Raphael, mas Hector seria uma boa alternativa. Pogba não me parece te feito um Euro significativa, pela importância no jogo de Portugal e pelo que transformou a saída de bola concedendo-lhe mais critério optaria por William Carvalho. Finalmente na frente, não me parece que Ronaldo tenha produzido mais sequer que parceiro do lado, Nani, quanto mais a minha escolha Gomez pela profundidade que concedia criando o espaço para que os alemães pudesse construir dentro do bloco com espaço.
    No banco: Lloris, Hummels, Hector, Renato, Ozil, Giacherini, Giroud

  2. Excelente upgrade! Muito beom ver associar as pessoas aos textos, boa sorte neste projeto.

    Quanto ao 11, acho que o que o Ramsey fez, naquela equipa, merece um lugar no meio-campo.

  3. Excelente o aspecto do site, parabéns! Boateng no lugar de Pepe, Iniesta no de Póvoa e ficaria à minha medida ☺

  4. Quero aproveitar esta oportunidade para deixar uma questão à “equipa” do Lateral Equerdo.

    Os jogadores valorizam-se ou desvalorizam-se nas selecções?

    • Ambos! Nada como uma prova destas para valorizar astronomicamente quem se destaca! Mas tb há quem espere por estes palcos para tirar duvidas… e fique reticente quando não há “brilho”

      • Caro Paolo Maldini

        Podia dar-me exemplos de jogadores que se valorizaram e de jogadores que se desvalorizaram no Euro2016?

        Quanto é que na sua opinião os jogadores valiam antes do Euro2016 e quanto é que passaram a valer após o Euro2016?

        • Superleão, não sou eu que faço o que valem ou o que valia. O que dita isso é o mercado! A lei da procura – oferta.

          De certeza que o Griezmann hoje custará mt mais do que o que custaria antes do Euro. E de certeza que há hoje mais gente a pensar nele que antes…

          • Caro Paolo Maldini

            Noto uma certa incoerência: na primeira resposta menciona que há jogadores que se valorizam e outros que se desvalorizam; depois foge à questão dando uma resposta à economista, o mercado é que dita; por fim, opina que Griezmann vale hoje mais do que antes do Euro embora não o quantifique.

            Ficam questões em aberto, antes de mais nada, na sua opinião, quem é que integra o mercado? ou seja, quem são os “insiders” do mercado de futebol? Será que o Paolo Maldini integra o mercado, está em posição de adquirir parte ou a totalidade do passe de algum jogador?

            Mencionou Griezmann; será que os “insiders” do futebol, precisam desta sua participação no Euro2016 para avaliá-lo ou será que os “insiders” do futebol não o conhecem desde as camadas jovens e não sabem do seu rendimento no Real Sociedade e no Atlético de Madrid.

            Afinal, racionalmente, o que estes 7 jogos em aproximadamente 30 dias, em que participou no Euro2016, no final duma época desgastante, com jogadores que raramente treinam juntos, pois jogam em várias ligas podem ser melhores para avaliá-lo do que os 54 jogos oficiais que disputou na última época (10 meses de competição onde jogou ao sol e à chuva) do Atlético Madrid sendo 38 da Liga espanhola e 13 da CHAMPIONS LEAGUE onde marcou mais de 30 golos (dados do transfermarkt).

          • Superleão, as questões que colocam só têm resposta nas direcções dos clubes que contratam e vendem jogadores. Como nenhum dos autores do blogue lá anda, especulamos, e só.

            Cumprimentos.

          • Caro Blessing

            Não é inteiramente correcto, não são só os dirigentes que podem dar-nos uma resposta, os fundos, por exemplo, a Doyen e outros participam activamente nas transferências de jogadores, os empresários, investidores que querem adquirir clubes/sads, accionistas das sads, etc.

            Afinal estamos a falar dum sector de actividade que movimenta milhões e gera inúmeros empregos pelo Mundo inteiro.

            Melhorar as decisões de quem decide é do supremo interesse do próprio Futebol e melhorar a avaliação sobre o valor dos jogadores inclui-se nessa ordem de ideias.

            Mencionou que especulam, ora bem, especular é algo que todos fazemos, uns melhor do que outros mas todos fazemos.

            Já agora, qual é a sua opinião sobre este assunto da valorização/desvalorização dos jogadores nas selecções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*