A vitória de Portugal. Nem Alfred Hitchcock escreveria tão improvável destino.

Passarmos sem vencer na fase de grupos, em terceiro lugar. Na primeira vez na história dos Europeus em que o terceiro classificado não regressa a casa.

O golo no último segundo do jogo no Islândia x Austria, que nos colocou no lado esquerdo do quadro, evitando até à final todas as melhores selecções do Europeu.

O golo ao minuto 118 depois de uma bola no poste de Rui Patrício nos oitavos.

Os penaltys nos quartos.

A bola que caiu para o nosso lado nas meias, sem que nunca tenhamos investido.

A lesão de Ronaldo aos 20 minutos na final.

Só Éder poderia resolver tal drama.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2366 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

4 comentários em A vitória de Portugal. Nem Alfred Hitchcock escreveria tão improvável destino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*