André e Óliver

 

Sim. É impressionante a arrancada de André Silva, que usa a capacidade atlética que tem para ultrapassar o adversário. E não se deixe enganar, porque a capacidade física foi fundamental para que pudesse dar seguimento ao lance sem atrasar o contra-ataque. Bateu o adversário em velocidade, que não tinha cobertura, e depois acelerou para o corredor central. Podia ter sido mais paciente na decisão final, mas tudo o que fez até aí, fruto das capacidades condicionais, foi fantástico.

Não. O mais impressionante no lance não é a incrível capacidade atlética do avançado português, mas sim a genialidade do pequeno espanhol. Mais impressionante que a demonstração de força de André a criatividade de Óliver, porque na era do futebol organizado serão em muito menor número as situações onde André poderá fazer prevalecer a superioridade física do aquelas em que Óliver nos poderá fazer vibrar com a sua mente criativa. O pequeno que tudo vê, e garante aos seus colegas melhores condições para que possam ter sucesso. Pressionado e desenquadrado, com um toque consegue transformar uma situação super desvantajosa numa situação de grande vantagem para o seu colega. É essa classe com que Óliver Torres se livra da armadilha criada pelo contexto que nos apaixona uma e outra vez por este jogo. A bitola a que se propõe é a de melhor jogador da liga. Veremos se consegue chegar.

Blessing
Sobre Blessing 88 artigos
Treinador de futebol, de momento na formação. Experiência como Treinador Adjunto no escalão de seniores masculino e feminino, tendo esta época culminado com a conquista de todas as provas nacionais em disputa. Desempenha também funções como Scout para 1ºLiga. Criador do Blog Posse de Bola

15 comentários em André e Óliver

  1. As melhorias no momento ofensivo do Porto (que continua a ser o seu ponto fraco) têm um nome:Oliver. NES, junta-lhe o Neves, por favor!

  2. Para mim já é o melhor mas não está no melhor colectivo, o que o prejudicará. Mas não acho que haja alguém em Portugal que faça crescer tanto a equipa como ele.

  3. Caro Blessing

    Resumindo e concluindo, toda esta jogada resultou num cartão amarelo a Ruben Ferreira e num mísero livre que só em teoria é que é perigoso mas não há nenhum Sousa, nenhum Celso, nenhum Geraldão, nenhum Branco.

      • Superleao,
        A tristeza do Edson advem do teu comentario ridiculo. Alias, basta a primeira palavra (Resumindo) e o teu nick para perceber que sofres de clubite e da doenca do “resumo” de que muitos adeptos sofrem em que acham que um jogo de futebol consiste apenas nos golos ou jogadas de muito perigo (tipo os resumos televisivos)

        • Caro Pancas

          As opiniões são como as bufas, toda a gente as dá.

          Não tenho nada a comentar em relação ao “post” do Blessing em relação à superior qualidade de Oliver e André Silva, porque também compartilho da mesma opinião.

          Mas isso, não chega, a exigência ali é superior, por isso, apenas acrescentei um factor que é preciso melhorar há muitos anos para cá, visto que não tem um especialista que marque (com regularidade) em livres similares.

          • Caro Superleao,
            Ha muitas coisas a melhorar neste Porto, desde um GR que saiba sair a cruzamentos, um ponta de lanca que concretize a maioria das boas oportunidades, etc – E nada disso e relevante para a discussao deste post.
            Por isso, sim, as opinioes sao como as bufas. E eu pelo menos prefiro que nao se andem a soltar bufas (comentarios que nao tem nada a ver com o topico) a torto e a direito.

            Quanto a sua teoria de que as exigencias sao superiores – praticamente todas as boas jogadas podem ser paradas por faltas e isso nao tem nada a ver com a qualidade da jogada ou dos executantes que e o que se fala neste post. Se o defesa vimaranense tivesse sido expulso (como devia) e se desse um centro para a area com golo (como o Porto ja fez varias vezes esta epoca), voce ja acharia que nao havia nada a melhorar?

          • Caro Pancas

            Quando aparecerem outros “posts” sobre algo a melhorar eu mencionarei no futuro.

            Agora foi a vez de mencionar, um factor que iria melhorar a capacidade competitiva da equipa se tivesse um especialista nas bolas paradas.

            E sim, ali, as exigências são superiores, porque o árbitro até poderia nem ter assinalado a falta, como fez no lance do agarrão ao Danilo, pouco antes do golo anulado ao André Silva, ou seja, já que o árbitro deu essa “abébia”, é preciso alguém que a meta lá dentro, senão é preciso correr mais, insistir mais, jogar muito mais.

  4. Blessing,
    Uma nota importante – apesar do Andre se ter valido e muito do fisico, aquele primeiro toque que ele da e cheio de inteligencia.
    Para comparacao olhemos para outro (ex)jogador do Porto que se valia muito da velocidade e fisico (Hulk). Em vez de fazer o tipo de movimento que o Andre fez aqui, o Hulk normalmente colava a bola no pe e ia para o 1×1 (em que nem sequer era muito forte)…

  5. Dois modos de entender o jogo em trinta segundos. Dois grandes jogadores. Compatibilizar estes dois tipos de jogo e jogadores, melhorar uns e outros, os desafios para qualquer treinador, imagino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*