Um FC Porto diferente

Dezanove anos consecutivos de derrotas no Bonfim, e vinte e sete jogos seguidos a perder com o FC Porto depois, o Vitória volta a pontuar perante o dragão. Couceiro que lidera uma equipa que chega à nona jornada com menos golos sofridos que o Sporting de Jorge Jesus já havia parado o SL Benfica na Luz. Naquela que é única não vitória do Benfica em jogos domésticos até à presente data.

Na semana passada, por texto e também no podcast, foi referenciada a ousadia do FC Porto. Laterais com uma profundidade incrível, toda a equipa projectada na frente, com apenas três mais recuados. Das costas dos médios adversários vinham interiores e alas alternadamente pedir e ligar o jogo.

Posicionamentos bem menos ousados e diferentes na partida em Setúbal.

Teremos um FC Porto para jogos em casa e outro para jogos fora? Um para jogos classificados com mais fáceis e outros que causem maior apreensão? Só Nuno o saberá. O certo é que durante um largo período, o FC Porto esteve posicionalmente e na decisão bem mais próximo do que fez em Tondela do que o que mostrou na recepção ao Arouca.

fcp1 fcp2 fcp3

P.S- Muito agradecido aos vários que já estão a ajudar-nos no Patreon! Terão sempre prioridade nos temas dos artigos e podcasts. Só têm que os solicitar. Continuem a ajudar qui:  Patreon

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2355 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

6 comentários em Um FC Porto diferente

  1. Na sequência do que já tinha dito a semana passada, acho que os posicionamentos contra o Arouca foram acima de tudo provocados por um bloco super baixo do Arouca, os homens de Lito quiseram jogar em 30 M e o FC Porto acabou por subir muito e ter posicionamentos arriscados.

    Isto porque nos outros jogos vemos um FC Porto bem mais conservador, que usa e abusa do jogo directo, normalmente com um médio apenas atrás da linha média adversária e com um posicionamento dos laterais ainda indefinido( começou a época com eles super recuados, fazendo quase uma saída de bola ridícula a 5, agora já têm subido mais, mas varia de jogo para jogo).

  2. Voces sao maravilhosos!!! Ja nem via j entre setubal e fcp… ganhava sp o mm… mas este ano c o q escreveram do setubal ate me dei ao trabalho de acreditar e… voila lolololol q n entale o meu Sporting agora!

  3. Falando agora de coisas positivas. Aproveito desde já para dizer que ontem não pude ver k jogo do meu Porto, mas queria colocar vos uma questão.

    Não acham que o Felipe tem evoluído no capítulo da construção? No princípio só o via a chutar para a frente, sofrível mesmo, e agora já o vejo a fazer passes verticais e algumas progressões proveitosas. Pergunto, porque não sei se isso se deve ao contexto das equipas que defronta ou se as situações são bem avaliadas pelo jogador em questão.

    Outra pergunta que deixo, não acham que a qualidade de jogo do FC Porto poderia aumentar com Ruben Neves em vez de Herrera? Teria ele capacidade para executar nas zonas em que se pede a Herrera que o faça?

    • Caro Francisco Magalhães

      Danilo e Ruben Neves no meio-campo ao mesmo tempo é negativo para a equipa.

      André André é a melhor solução, pois tem capacidade de segurar a bola entre as linhas adversárias e partir para desiquilíbrios individuais pelo meio.

      • Percebo, mas o André não tem muita criatividade e acho fundamental naquele papel. Há jogos que faz muito bons e há jogos que faz em que quase desaparece.

        Porque achas que jogar com o Ruben e o Danilo é negativo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*