Tomada de decisão. Aproximar a equipa do sucesso. Raul contra o Dinamo.

Muito se fala por cá da tomada de decisão. Da importância de a cada decisão aproximar a equipa do sucesso, mesmo que por vezes tal implique menor notoriedade.

Um lance que ajude a ilustrar.

Em dez lances iguais, quantos golos fará Raul dali?

Em outros tantos, quantos golos marcará o Benfica se a decisão for a sugerida? Passe para Salvio, bastante mais enquadrado com a baliza no corredor central e desmarcação de Raul e Guedes, ao redor do portador, procurando receber nas costas dos defesas.

Decidir bem naquela situação será sempre optar pela situação que garantirá maiores probabilidades de ver a sua equipa chegar ao golo.

raul

P.S- Muito agradecido aos vários que já estão a ajudar-nos no Patreon! Terão sempre prioridade nos temas dos artigos e podcasts. Só têm que os solicitar. Continuem a ajudar qui:  Patreon. Só assim será possível manter o blog activo e/ou com conteúdos abertos a partir de Janeiro.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2362 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

5 comentários em Tomada de decisão. Aproximar a equipa do sucesso. Raul contra o Dinamo.

  1. Boa noite,

    20 milhões de euros de pura burrice.

    Já aquele golo do Gaitan (recarga a remate) contra o zenit tinha sido uma péssima decisão, com um outcome completamente desproporcionado face à decisão tomada.

    Tem, no entanto, excelentes capacidades condicionais, à semelhança de Gonçalo Guedes, no entanto, vejo o Português a evoluir melhor, com menos erro e melhor tomada de decisão, ainda que esteja longe de Rafa ou Jonas.

    Aqui a decisão era simples, nem existe uma floresta de jogadores à volta, ou uma carambola que provoque menor discernimento. Portanto não entendo como se procura estes actos de fé em vez de ajudar a equipa.

    Porque no final é só isto, ajudar a tua equipa.

    Um abraço,

  2. Pensei exatamente nisso no momento em que rematou. Infelizmente, não me surpreendeu já que é muito habitual em Raul decidir mal. Por isso não o vejo como um jogador para entrar de início e fazer parte do modelo base do Benfica. Vejo o como um agitador (do adversário e dos próprios colegas). No entanto, se não fossem estas más decisões e no ano passado aquela bola em são Petersburgo não tinha sido como foi..

  3. Vi o titulo do post e pensei logo nessa jogada… Incrível. Eu nem sei dizer se ele aqui foi à procura de notoriedade ou de aumentar os níveis de confiança… Se bem que mesmo que estivesse com os níveis de confiança em alta ele faria a mesma coisa…
    Quando ocorreu esta situação pensei mesmo que o difícil era mesmo não colocar no Salvio, mas ele não pensou assim.
    Já agora, vocês acham que se ele colocasse no Salvio, que o Salvio ia ter a decisão correta? De procurar a desmarcação do Jimenez ou do Guedes? Eu acho que o Salvio ia para o remate muito sinceramente e perdia-se na mesma a jogada. Não digo isto como desculpa, mas como, são os dois muito basicos a nível de decisões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*