“MarsBet”

Ideias em organização ofensiva. Um minuto antes do Benfica passar para a frente.

Sporting em organização ofensiva. No lance em evidência, a conseguir descobrir caminhos. A ter chegada à criação. A ter bola entre linhas e a criar possível ameaça à baliza de Ederson.

O primeiro passe a romper duas linhas, a dos atacantes, por fora, pela largura de Coates, a linha média pelo afastar de Rafa. A recepção de Gelson a enquadrar rapidamente e Sporting com chegada à criação com qualidade. Dificuldades na definição de Bryan, cuja recepção o impediu de servir Dost, naquela que foi a sua decisão de se afastar, para procurar receber para finalizar.

Tudo bem desenhado, vertical e pensado.

Segundos após, o SL Benfica sairia em transição com uma qualidade de definição no último terço incrível e chegaria à vantagem.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2705 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

5 comentários em Ideias em organização ofensiva. Um minuto antes do Benfica passar para a frente.

  1. O Sporting foi toda uma oitava maravilha do mundo. Foi tudo espectacular.

    O sacana do Benfica teve sorte!
    Teve sorte este ano, assim como teve o ano passado.

    Ainda não vi um único post com elogia a nenhum movimento táctico, ou a um jogador do Benfica.

    Só elogios ao Sporting e ao Gelson.

    Fico com a sensação que o Benfica não jogou. Que os golos do Benfica, assim como as oportunidades foram milagres dos céus.
    O passe do rafa para o primeiro golo? Que se lixe, interessa é falar da fantástica recepção do Gelson.
    A movimentação do Nelson antes de centrar a bola para o segundo? Que se lixe! O que interessa é salientar a inovação do Rui Patrício ter virado líbero.

      • Se estou a ser injusto, peço desculpa.

        A mim o que me parece é que o Benfica foi uma nulidade táctica a nível atacante, que não teve qualidade nenhuma a atacar, o que acho extremamente injusto. Li algures a expressão, atacar “a cavalgar”, não foi bem isto, mas foi parecido. Como se essa opção por Rafa e Salvio, mais Jimenez e Guedes não fosse uma estratégia de manter o Sporting sempre alerta.

        O Jimenez fez o melhor jogo desde que está no Benfica.

        O Benfica consentiu posse de bola ao Sporting, não foi uma inevitabilidade, foi estratégia. A posse de bola foi 56, 44, ou coisa do género, nada do outro mundo.

        • A tática do Benfica para este jogo foi resumida pelo Nuno Amado no Podcast, quando falou do lance em que a bola bate na cabeça do Bryan Ruiz e isola o Jimenez.

          Não há grande possibilidade para fazer elogios táticos ao Benfica. O Sporting é que teve bola praticamente todo o jogo e criou as oportunidades. O Sporting é que constantemente desorganizou o Benfica.

          Ninguém pode dizer de forma honesta que o Benfica esteve bem no jogo. O Benfica foi fortissimo em 2 ou 3 transições sendo que 2 deram golo. De resto, defensivamente concedeu várias oportunidades de golo. Ofensivamente foi praticamente inexistente. Ganhou, é verdade. Como o Leicester o ano passado ganhou a Premier League. É futebol e os impoderáveis são tantos que qualquer equipa pode ganhar um jogo. Agora não vamos todos elogiar o Leicester – ou a qualidade de jogo do Benfica – apenas por causa de um resultado. É futebol, e a sorte também joga.

  2. E já agora uma decisão incrivelmente idiota do B. César a rematar, tendo o Dost já desmarcado completamente, que era só centrar a bola para ele.

    E já não é de agora que eu digo, mas vocês gostam muito do Bryan Ruiz, mas é um jogador extremamente limitado nas decisões. Não é capaz de executar rapido e raramente pensa rapido. Tanta técnica mal aproveitada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*