“MarsBet”

Anatomia de um golo. Sporting de Braga marca em Alvalade

Do espaço entre linhas adversário, com situação altamente vantajosa até ao 0 a 1 voaram segundos.

O desperdiçar da vantagem por dificuldades técnicas e de decisão. O momento em que João Pereira não consegue cumprir com uma das variáveis importantes no modelo de Jorge Jesus. Travar a transição no meio campo ofensivo em falta, antes de rodar o centro de jogo. Ao não baixar um, dois metros da linha de cobertura por João Pereira, que havia recuperado a posição com grande disponibilidade, até ao erro de Rui Patrício que permanece demasiado baixo na baliza.

P.S. – Continuem a apoiar o projecto do “Lateral Esquerdo” tornando-se patronos do mesmo no Patreon, garantindo assim acesso a conteúdos exclusivos! Quem tiver dificuldades com o registo no patreon, pode procurar alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com. Muito obrigado às centenas de utilizadores que já o fizeram!

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2706 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

15 comentários em Anatomia de um golo. Sporting de Braga marca em Alvalade

  1. ” até ao erro de Rui Patrício que permanece demasiado baixo na baliza.”

    Caro Paolo Maldini

    Já na final do TORNEIO DE VERÃO França2016, Rui Patrício esteve sempre bem posicionado e defendeu vários remates de fora da área.

    São as diferenças entre o FUTEBOL PROFISSIONAL e os TORNEIOS DE VERÃO.

      • Percebemos que dizes a mesma coisa em todos os comentários! Todos! Acho que já toda a gente conhece a tua opinião sobre a matéria, qualquer matéria, seja qual for. A culpa é dos torneios de verão, ok! Pelo menos não é do árbitro.

          • Superleão, pena que nunca tenha tido oportunidade de contar aos jogadores tudo sobre essa sua pancada que representar o nosso país é andar “a brincar às seleções”. Adorava ver as respostas deles.

            Hipótese provável: nem sequer responderiam. Fariam o mesmo gesto do Óbelix quando pensa nos romanos.

          • Caro Marco

            Pancada é pagar milhões em transferencias e salários e depois deixar os jogadores irem brincar nas selecções.

            Os jogadores não são pagos para responder, são pagos para jogar por quem os contratou.

          • Discordamos quanto à definição de pancada, Superleão.

            Pancada não é você ter essa opinião. Pancada, no seu caso, é exprimi-la em praticamente em todas as ocasiões, mesmo quando o assunto do post não a justifica.

            Se por hipótese absurda o Lateral Esquerdo fizesse um post sobre tauromaquia, você era tipo para elogiar os touros por não andarem a brincar às seleções. Os jogadores andam a brincar às seleções, você anda a brincar aos comentários. Você é um chato. E sim, tem pancada.

          • “mesmo quando o assunto do post não a justifica.”

            Caro Marco

            Justifica-se sim, aliás, como pode verificar lá em cima, estava a evidenciar as diferenças de rendimento do Rui Patrício no Sporting (que é quem lhe paga o elevado salário) e quando vai brincar na selecção.

            Quando há equívocos, tendem a surgir os absurdos sendo que o maior deles na esfera do futebol é pensar:

            Os jogadores valorizam-se nas selecções

            Ora, isso precisa de ser desmentido, elucidado e comprovado com provas inequívocas, tanto ao nível racional como empírico.

  2. Tudo começou com o mau passe de Dost (que por acaso não é tipico dele). Mas sim, depois o J.Pereira fica demasiado longe do seu central e abre um buraco muito grande nas costas. E Patricio comete um erro grave. 3 erros seguidos que ditaram o jogo.

    Mas o principal problema da equipa nem é esse.

  3. mais que a profundidade de JP antes do passe para o remate ao poste, nao pode ser o posicionamento do mesmo que dá o interior ao avançado ? Parece me que a profundidade é limitada pela linha de fora de jogo que tenta manter.

    Obrigado

    RF

    • RF, a linha de fora de jogo é ele que a define. Ele é q fica de costas para os colegas. Os outros é q têm de ajustar por ele e não o contrário. Porque ele é a 1a cobertura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*