Bas Dost, por Jorge Jesus

No último teste, mostrou-se apto e acabou por marcar dois golos. É um finalizador, um goleador. Vai disputar com outros jogadores o primeiro lugar na tabela dos melhores marcadores da I Liga. No entanto, precisa que o assistam, não é um jogador de ligação. É um bom profissional, que gosta de aprender. Estamos a ensinar-lhe coisas que ele nunca pensou aprender. Temos, ainda assim, de arranjar alternativas. Nos últimos jogos tem sido assim: quem fez golo? Bas Dost. Nas minhas equipas não costumam ser sempre os mesmos a marcar e temos de arranjar outras soluções para fazermos mais golos.

Tudo o que foi bem antes por cá escrito sobre o jogo de Bas Dost, e a pior versão ofensiva dos últimos oito anos de Jorge Jesus. Desta vez por quem, para além do incrível conhecimento que tem do jogo, tem também do seu jogador e das suas equipas.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2537 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

13 comentários em Bas Dost, por Jorge Jesus

  1. Como já tive oportunidade de te dizer… continuas muito à frente do teu tempo… a ver as coisas mt antes delas acontecerem…

  2. Como com Liedson há uns anos, o jogador marca mais mas a equipa rende e ganha menos. Na altura sempre tinham o Postiga que marcando menos ajudava muito mais a equipa a ganhar. Agora é Bas Dost ou nada.

  3. Ainda a semana passada falava com um amigo sportinguista sobre isso. No Wolfs Bas Dost encaixava que nem luva por tudo o que dava dentro da área. No SCP assim que aprender a jogar 10/20 metros mais atrás dela vai ser “Sli quem?”. No fundo o que JJ fez com Cardozo no Benfica.

    (E no caso do holandês a evolução parece-me que tem acontecido a olhos vistos.)

  4. Mesmo assim vejo-o a fazer tabelas com companheiros e a isolar colegas que falham golos escandalosos, só nos últimos 3 jogos. É verdade que tudo isto é feito já na área ou bem perto da mesma, mas já é uma boa definição da qualidade do jogador.

    O verdadeiro problema está no seu companheiro. Allan Ruiz já se aproxima mais dos níveis exigidos, com alguns passes de “visionário”, mas o seu substituto ( outro Ruiz que é o meu ódio de estimação) continua a falhar lances faceis (veja-se a decisão que tomou já perto do fim do jogo quando seguia isolado para a baliza e tentou o chapéu ao GR com o pior pé, quando tinha Dost isolado ao 2º poste).

  5. “Estamos a ensinar-lhe coisas que ele nunca pensou aprender.”

    Caro Paolo Maldini

    Presumo que JJ minta descaradamente como Luís Castro o fez ou então estão simplesmente a gozar com todos os que se interessam por futebol.

    Voltamos à questão da qualidade da formação e neste caso à formação holandesa que tem sido um modelo de sucesso desde os anos 70.

    Mas o que é que Bas Dost precisa de aprender? Só se for o calão nacional.

    • A formação holandesa, no que ao futebol diz respeito, está a precisar de um grande movimento reformista.

      Estabeleceu-se de tal forma o dogma que a formação holandesa é que é, que os holandeses e a sua cultura de “Deus criou o Mundo, os Holandeses a Holanda” não se adaptaram. No que a formação diz respeito, os Franceses e Alemães estão anos-luz adiantados aos Holandeses. O lote onde os Holandeses competem é mesmo com Espanhóis, Belgas e Portugueses.

      O Bas Dost se não precisasse de aprender alguma coisa não teria saído do Wolfs para o SCP, porque o SCP não conseguiria concorrer com os interessados. E isso não é um facto, é uma consequência da falta de opções colectivas que ele dá(va) fora da grande-área.

    • Caros Che Mahatma e R.B. NorTør

      Estas dúvidas sobre a qualidade da formação holandesa deixam-me perplexo, tanto mais que existem diversos jogadores formados em clubes holandeses em diversas ligas.

      O Bas Dost saiu porque o Wolfsburgo precisava de obter mais valias (comprou a 7,5 M€ e vendeu a 10 M€) e além disso contratou o Mario Gomez por um valor bastante acessível (pouco mais de 1 M€), mas também não admira a desvalorização pois sempre brincou muito nas selecções; Já Bas Dost nunca brincou muito e além disso dava garantias de começar esta temporada bem fresco pois não brincou no TORNEIO DE VERÃO França2016.

      Este é mais um exemplo/argumento que se enquadra na minha teoria.

      • A tua teoria é que o Bas Dost não ia brincar às selecções porque a selecção Holandesa é de tal forma sofrível que não foi a França? De resto não são dúvidas, são certezas, tu é que podes andar noutro mundo. Podemos dizer que os Holandeses têm uma cultura desportiva acima da média, e aí sim, estaremos a falar de um dos países com melhores resultados em várias modalidades, mas no caso específico do futebol têm muito a aprender.

        E claramente não leste bem, ou não percebes o que eu digo. Sobre o Bas Dost. Eu não disse que ele não saía…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*