“MarsBet”

Ancelotti. Liderança silenciosa.

O “Lateral Esquerdo” cresceu sob o lema da primazia do lado táctico e da inteligência do jogador sobre qualquer outra dimensão do jogo ou do jogador.

Ainda hoje assim o é. No entanto, o crescimento táctico de praticamente todas as equipas a nível mundial faz emergir outras particularidades que possam fazer a diferença, quando o equilíbrio no que é mais importante se revela. Hoje em dia, aquela que eu possa considerar a equipa com menor organização da Liga portuguesa estaria entre as melhores do ano de 2007, que foi precisamente o ano em que foi fundado o blog.

Com o conhecimento ao alcance de quem o quiser encontrar, e sabendo que não há neste jogo certos ou errados, ou um caminho branco ou preto para se chegar ao sucesso, mas sim convicções pessoais sobre o que se acredita ser mais ou menos viável para se vencer, muito do que se almeja quando o nível é tão elevado que o dinheiro e a fama podem retirar a ambição, depende da capacidade do treinador para ter e manter toda a gente no mesmo barco. Tantas vezes é essa a pequena diferença que permite manter o “olho mais aberto” expresso num maior rigor e concentração competitiva. Não na Liga dos Campeões, porque ai, bastará o hino tocar para o sentimento despertar, mas pensando muito mais no que é a realidade das competições nacionais.

Nenhum treinador a nível mundial salta entre Juventus, AC Milan, Chelsea, PSG, Real Madrid e Bayern Munique sem muita competência. Goste-se mais ou menos do estilo de jogo, nenhum incapaz resiste tanto tempo no topo. Porque simplesmente a palavra passa de jogadores para jogadores, de directores para directores. Se Carlo não sai do topo por nada, é porque a sua competência é insuspeita. É porque quem mais importa (os jogadores) o reconhecem.

Lembro-me de uma brincadeira que fiz com ele (Cristiano Ronaldo), dizendo-lhe que ia ficar no banco num jogo importante. Disse-lhe: ‘O jogo é às 16 horas mas tu vais descansar amanhã’. Ele olhou para mim completamente em choque. Depois disse-lhe que era a brincar”.

E não, nenhum treinador resiste a um grupo de trabalho se a sua competência for percebida somente enquanto líder. Aliás, para se liderar com qualidade, o conhecimento do jogo e a qualidade no processo de treino é obrigatória!

P.S.  – Agradecimento muito grande a todos os que já se juntaram a nós no Patreon. Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, é passar por lá. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 74 artigos
Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

2 comentários em Ancelotti. Liderança silenciosa.

  1. Talvez o aspeto que muitos jovens treinadores precisem de melhorar mais, e aí onde vários ex-jogadores nos dão 20-0.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*