“MarsBet”

Diferenças a definir. Criar golos ou perder oportunidades. Pizzi e Salvio.

FUTEBOL- durante o jogo da Super Taca Candido Oliveira, SL Benfica - Vitoria Guimaraes realizado no Estadio Municipal de Aveiro. Sabado, 05 de Agosto de 2017. ASF /HELENA VALENTE SL BENFICA - VITORIA DE GUIMARAES

Poucas vezes se dá verdadeira importância ao mais importante. Porque bem feito, chega a ter uma visibilidade redutora. Parece pouco, parece simples. Porém, o pouco e o simples é demasiadas vezes o que traz o golo.

Saber definir, saber tomar decisões, perceber timings e enquadrar a resolução técnica adequada será sempre o que diferencia os melhores, que são os jogadores que aproximam a equipa da vitória a cada acção, dos restantes, que mesmo podendo ser úteis em muitos momentos, que mesmo que bem integrados numa ideia colectiva sejam importantes, nunca serão quem “carrega” a equipa para as vitórias. Vitórias que são sempre assentes num conjunto de boas tomadas de decisão de alguns elementos.

O passe de Pizzi para o primeiro golo não é nada de especial, afirma-se. E não será, de facto. Todavia, é o que diferencia um grande definidor de outro alguém com muito menos capacidade para aproximar a sua equipa do golo.

Se houver oportunidade para que aconteça, com Pizzi acontecerá. Com Salvio, nunca se sabe.

É simples e aparentemente fácil tomar boas decisões. Mas não é para todos.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2773 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

4 comentários em Diferenças a definir. Criar golos ou perder oportunidades. Pizzi e Salvio.

  1. Bem apanhado, mais uma vez. Fiz exatamente a mesma comparação quando vi o lance do Salvio, comparei logo com este do Pizzi. No entanto, a desmarcação do Seferovic, de dentro para fora, deve ter colocado dúvidas no Salvio, que resolveu não soltar, deixou o defesa aproximar e, só aí, soltou a bola, o que penso que não foi mal pensado. O Seferovic, na minha opinião, não se desmarcou na direção adequada, nem saiu rápido do fora de jogo quando o Salvio ficou com a bola. O que é desculpável, até porque já se percebeu que o suíço se desmarca habitualmente muito bem. O Salvio não é um exemplo de um grande definidor, mas o movimento conjugado de ambos e dos defesas não permitiu melhor definição, na minha opinião. Mas concordo com a premissa, em absoluto, definir bem não é para todos, e há momentos bem mais flagrantes em que isso se aplica ao Salvio!! Mas a forma como aparece em posição de finalizar por 2-3 vezes com as suas desmarcações, e a forma como ultrapassa adversários em espaços curtos, vão mantendo o Salvio na equipa. Se fizer uma época à imagem do que fez contra o Arsenal na Emirates ou ontem, será uma época bastante positiva do Salvio.

  2. Se em vez do Sálvio fosse qualquer um dos outros extremos do Benfica, creio que o passe teria saído no momento certo… E é muito por isto que se critica o Sálvio, pela fraca capacidade para decidir bem e no momento certo. Não havia razão para ter seguido o lance individual, no entanto a decisão dele foi essa e perdeu-se um lance de grande perigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*