“MarsBet”

Cinco golos, quatro bolas nos ferros.

Jonas, muito Jonas.

E hoje, finalmente Felipe Augusto!

Um Benfica avassalador de construção e criação, a somar lances de perigo em catadupa, que poderiam ter levado o marcador para números impensáveis.

Uma dupla de avançados que se completa, seja ela composta por Jonas e Seferovic ou Jonas e Raul, e no jogo desta noite, com Augusto a complementar Pizzi, não apenas em termos defensivos, mas também na forma como com qualidade servia como mais um ponto de saída de construção para zonas de criação.

Salvio, tantas vezes a decidir mal, mas o melhor ala encarnado a explorar movimentos de profundidade e a finalizar.

Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 95 artigos
Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

5 comentários em Cinco golos, quatro bolas nos ferros.

  1. E os comentários do Rui Vitória no final, dizendo que o futebol do futuro é feito de tomadas de decisão e de inteligência ☺

  2. Mais um enorme jogo de Salvio. Espero que a lesão não seja grave. Chrien, Diogo ou João Carvalho. Qqr um deles podia ter entrado naquele momento, qqr um seria uma boa substituição. Entrou o Chrien e mostrou ainda estar verdinho.

    Bom jogo do SLB. Resta saber se foi mérito do SLB em esmagar o Belém ou se foi demérito do Belém permitindo ser esmagado.

    • Uau uma promoção ao panteão de Valhalla! Obrigado pá, é mesmo com isso que eu sonho todas as noites.

      Sálvio tem um índice de boas decisões/más decisões péssimo. Podemos querer agarrarmo-nos aquele remate, a decisão que ele tomaria em 10 de 10 ocasiões semelhantes, tivesse ou não 4385432 adversários à frente. Da mesma forma que não é por morrer uma andorinha que acaba a Primavera, não é um bom jogo (que não foi tão bom quanto o golo possa disfarçar) que torna Sálvio um bom jogador. Afinal, o Pena também foi o melhor marcador num ano em que JVP apenas facturou 6 vezes.

      Bem mais interessante para mim foi o jogo de Chaves, em que Sálvio tem 3/4 momentos em que joga com o colectivo. Raridades de tal ordem que, no primeiro deles ainda na primeira parte surpreende Jonas que estava orientado para o lado em que Sálvio precisaria de um colega se fizesse a sua jogada habitual. Quando a própria equipa é surpreendida por um tipo com que treinam todas as semanas se dignar a jogar com a equipa, então tenho dito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*