“MarsBet”
Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 94 artigos
Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

5 comentários em Uma parte de Raul Jimenez, no caminho do México para a Rússia.

  1. No lugar de quem? É que o pouco que tem jogado até tem sido descaído para uma ala (esquerda). Provavelmente é demasiado bom para ser suplente mas neste momento não pode jogar no lugar do Seferovic, nem no do (intocável) Jonas. Ainda assim no final da época terá muitos minutos.

  2. Boas. Nunca desvalorizar o Rui Vitória..

    Um desperdício ser tantas vezes desviado para uma das alas (para quê?!) quando podia e na área onde ele é verdadeiramente influente.

  3. Não concordo.

    1. Desse vídeo, podemos retirar 2, no máximo 3 lances que um jogador perfeitamente banal não faria. Jiménez recebe e dá a bola, sem criar condições substancialmente melhores para o jogador que a recebe. Ou conduz porque tem espaço, ou solta e não há desequilíbrio.

    2. “não tardará a conquistar o seu lugar”, questiono apenas quem sairia para dar lugar a Jiménez.

    3. A mais importante de todas: o adversário. Costa Rica. Isto, por si só, explica grande parte das ocasiões de que dispôs para jogar o seu jogo, que necessita de TEMPO e ESPAÇO, coisa que em Portugal pouco acontece: pouco tempo, e essencialmente pouco espaço. Porque os mais vistosos lances retirados mostram a Costa Rica não em organização defensiva, e mal-posicionada. Enquanto que os adversários do Benfica estão “fechados” o tempo praticamente todo. Já para não falar de oportunidades como o último lance do vídeo (abordagem péssima do defesa) que lhe permitem chegar perto da baliza, coisa que raramente acontece numa Primeira Liga.

    O que distingue os bons dos melhores é a rapidez. Rapidez na perceção, seguida de definição (inteligência) e execução (técnica). Jiménez, desde a chegada ao Benfica, pouco mostrou além da definição QUANDO tem tempo e da execução QUANDO está dentro de área.

    Adequado para equipas de contra-ataque, não para equipas de posse (como é o Benfica na Liga).

  4. Caro Rodrigo Castro

    No futuro saberemos se Jimenez será titular.

    Jonas que não foi à selecção tem a vantagem e Seferovic que brinca na selecção faz viagens mais curtas que Jimenez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*