O Éder Luiz é táctico

white corner field line on artificial green grass of soccer field

A frase é da autoria de um treinador de futebol brasileiro, que segue o Lateral Esquerdo.

Espreitando os videos, percebe-se a técnica e a velocidade. Falta provar competência no mais importante. Na vertente táctica, quer na decisão, quer na ocupação dos espaços.

“O mister tem-me orientado e jogo como gosto, em função dos companheiros, o que se encontra em poucas equipas. O treinador é diferente, pede uma grande movimentação e isso facilita quem está com a bola e principalmente quem está sem ela”.

“Bons jogadores, de toque rápido e inteligentes”. Éder Luiz sobre os colegas.

As frases poderão indiciar a tal qualidade na interpretação do jogo. Se há algo que um jogador pouco dotado na decisão não compreende, é a importância de tal factor no jogo.

A expectativa, que não era muito elevada, diga-se, aumentou de sobremaneira. Esperemos para ver.

Sobre Paolo Maldini 3789 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

7 Comentários

  1. Exacto, realmente não era muito elevada, mas falava-se dele para a posição do Saviola, suplente dele, ou alternativa, por assim dizer, quando ele não estava ou não estivesse. Para tal posição implicava que fosse inteligente, como por exemplo admito que reconheçam a Nuno Gomes, inteligência táctica, e que aqui, com um jogador mais novo, poderá ser especificamente pensada a nível de futuro. Imagino o que o futuro ditará sobre o miúdo, o que vai para o Rio Ave, o Nelson Oliveira, que já há 2/3 anos que é falado como grande promessa, a ver se tem quem o puxe, para ver se sim, se voltamos a ter avançados decentes em Portugal, ele e o puto do Porto, que foi do Braga, que não me lembro do nome, mas que, espero, venham a ser grandes jogadores no futuro.
    Quanto aqui ao Eder, bem, espero, não só porque vocês o dizem, mas também porque já tinha lido a entrevista, que venha a ser um bom jogador para o meu clube.

    Já agora, gostava de ver, se der, seja aqui, seja num post, mas num post parece-me menos provável, digo eu, uma avaliação precisamente a estes atributos, como fazem aqui ao Eder, de todos os avançados dos nossos clubes. Se desse só do Benfica, óptimo, se desse de todos, melhor ainda, que me parece que seria um bom exercício, se bem que do Lisandro, que já cá não mora, e do Hulk já vamos aqui vendo muita coisa. Se desse para ser sustentado com vídeos, óptimo, se não, pelo menos uma apreciação aqui nos comentários aos do Benfica…

    Abraço

    Márcio Guerra

    P.s.- Continuem a visitar o meu blog de «notícias» desportivas, humor desportivo, http://Bimbosfera.blogspot.com. Obrigado

  2. É isso mesmo: esperemos para ver.

    Para ter sido o primeiro (dos 3 últimos reforços) a ser lançado pelo JJ é porque tem uma cultura táctica que lhe permite perceber e adaptar-se rapidamente ao futebol europeu.

    Agora a verdade é que ele chega ao Benfica e encontra uma concorrência fortíssima nas posições mais adiantadas.
    Resta descobrir se a essa cultura táctica ele consegue juntar uma maturidade competitiva para saber aguardar as oportunidades.

  3. O Éder Luís é um jogador muito rápido, dribla e conduz bem a bola. Mas prende muito a bola, tem deficiência na finalização e tem pouca visão de jogo.

    No Atlético Mineiro, time do qual saiu para o Benfica, ele jogava pelos lados do campo, vindo de trás, em velocidade, como segundo atacante.

    No São Paulo (clube para o qual foi emprestado por seis meses), foi mal aproveitado porque o técnico o colocou para atuar como meia aberto, com obrigação de voltar para marcar. Não funcionou.

    Seu estilo de jogo aproxima-se do Saviola mesmo.

    Abraços,

    Marcelo Costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*