Rei morto, Rei posto

white corner field line on artificial green grass of soccer field
Não era um resultado provável. Contudo, não era também nada que ainda não tivessemos previsto poder acontecer.
Estratégicamente Jorge Jesus falhou em toda a linha e é o principal responsável pela goleada. Talvez provando do próprio veneno se torne mais respeitador.
Abdicou do seu melhor lateral esquerdo, abdicou de um central muito valoroso, e que seria incrivelmente mais importante e eficaz, se jogasse na cobertura defensiva a Coentrão. Ou seja, sendo o segundo jogador, e não o primeiro a sair a Hulk. Abdicou ainda do seu melhor avançado. Noite de opções muito estranhas teve o treinador do Benfica.
É, no entanto, redutor atribuir um resultado deste nível somente às más opções do treinador.
Em termos individuais, e esquecendo a comparação Javi / Guarin, o meio campo do FC Porto é bastante superior ao do Benfica. João Moutinho e Belushi, os habituais interiores portistas têm muito mais qualidade que Carlos Martins e Salvio. São bastante mais criativos, muito mais inteligentes e ainda assim fisicamente e mentalmente mais disponíveis para se entregarem ao jogo.
A imagem que fica da partida do Dragão, porém, foi a diferença individual dos jogadores mais avançados do FC Porto, para os do Benfica. Afinal foi dos impulsos individuais e dos golos de Hulk, Falcao e Varela que o resultado se contruíu. Será errado pensar que por ter jogadores menos capazes nas situações de 1×1 o SL Benfica está em inferioridade nesse campo. De forma colectiva, através das combinações ofensivas, das tabelinhas e de todo um movimento dos seus vários jogadores, o SL Benfica sempre foi e é, capaz de criar inúmeros lances de golo, sem que nenhum dos seus jogadores tenha a necessidade de recorrer ao drible.
Se no Dragão tal não pareceu ser possível, não pode, de forma alguma, ser dissociado das ausências de Saviola (jogador mais desiquilibrador do SL Benfica, ainda que não através de dribles) e de Cardozo. O tal que pouco correndo, tem capacidade para segurar a bola, entregá-la de forma muito assertiva e participar com muita qualidade, ainda que a espaços, no jogo ofensivo.
P.S. – Jorge Jesus é o melhor treinador do SL Benfica dos últimos 20 anos. Abdicar dele será um erro tremendo. Seguramente que voltará a ser campeão. Se não houver paciência na Luz, acontecerá no Sporting ou no FC Porto.
P.S. II – Abriu oficialmente a luta pelo segundo lugar. O Braga, com toda a sobrecarga competitiva das competições europeias, e ainda que pontualmente próximo de SL Benfica e Sporting já não parece capaz de poder intrometer-se. Torna-se agora importante perceber a motivação e a capacidade mental dos jogadores do SL Benfica em concentrarem-se num objectivo menor. Garanta Jorge Jesus essa capacidade, e continua a ser o favorito ao segundo lugar.

Sobre Paolo Maldini 3804 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

12 Comentários

  1. Caro PB,

    Post realista como sempre. Jesus é bom, sem dúvida. É no entanto teimoso… Acrescento a minha opinião que é a desta goleada ter feito bem ao Benfica. Reposiciona o mind set da equipa mais abaixo e isso é bom, pois põe a fasquia onde ela deve estar, mais abaixo. Não quer isto dizer que os objectivos devam ser mais baixos, quer dizer que todos sabem agora que é preciso cada um dar mais, porque o somatório de todos é bem mais baixo que no ano passado.

    O Porto tem um potêncial atacante de respeito, mas tem um meio campo muito bom, que jogou sem o Fernando… Sem receios de o fazer, um treinador contra o Porto tem de por a equipa bem cá atrás.

    O Porto conseguiu aquilo que tinha em outros anos e que o Benfica tinha o ano passado: provocar o medo ainda antes do jogo. Quem vai às antas já vai a tremer.

    O Porto está forte, embaladíssimo mas, não há campeões há 10ª jornada.

    Abr,
    Pedro

  2. Eu bem avisei que o Hulk com outro treinador (que não o Jesualdo; sendo o AVB, tanto melhor) podia "explodir". Agora, o céu (ou Dublin) é o limite. Não há na liga Europa defesas com Vidic Ferdinand e Evra… e jogadores como Sapunaru estão muito acima do rendimento de antigamente.

  3. Eu bem avisei que o Hulk com outro treinador (que não o Jesualdo; sendo o AVB, tanto melhor) podia "explodir". Agora, o céu (ou Dublin) é o limite. Não há na liga Europa defesas com Vidic Ferdinand e Evra… e jogadores como Sapunaru estão muito acima do rendimento de antigamente.

  4. Trappatoni?! Por amor de Deus. O homem é um enorme sr do futebol mundial. Um ás do seu tempo. No entanto, quando chegou ao Benfica, não tinha 1/10 da capacidade do Jesus. E ainda estou a ser meigo…

    Mesmo esta caminhada do JJ (12 ptos perdidos à 10 jornada) se calhar no ano do Trappatoni dava-lhe liderança isoladíssima…

  5. João, o Hulk não está muito mais esperto a jogar. Está é a ser melhor aproveitado. E tb melhorou bastante as suas qualidades individuais (q ja eram boas). Mesmo decidindo muitas vezes mal, ele agora tem qs sp sucesso.

    Neste momento, se o pudesse comparar a alguém, seria ao Cristiano Ronaldo.

    São tipos que me deixam de cabelos em pé… mas, que individualmente são capazes de mudar um jogo.

  6. Neste blog que é de carácter amador e privado, podemos escrever sempre o que entendemos, e digo-te já que gosto muito de ler o que escrevem!
    Mas noto uma falta de abertura de mentalidade em alguns temas que por vezes não consigo entender.
    Falas que o Jesus tem mais 9/10 da capacidade que o Trappatoni, mas também não és capaz de realçar que o homem foi campeão com o pior plantel dos últimos 50 campeões em Portugal.
    Gostamos de ver sempre o copo meio cheio dos que gostamos e o copo meio vazio dos que não são iguais a nós!
    O que é um facto é que o Jesus foi campeão o ano passado a jogar um futebol fabuloso e que o Trappatoni foi campeão a jogar um futebol fraco de qualidade e que foi campeão com poucos pontos, mas o campeonato não é uma prova de regularidade? Se quiseres dizer que nesse ano qualquer um era campeão, eu também te posso dizer que muitos treinadores com o plantel actual do benfica iam ao Dragão discutir o jogo pelo jogo com outras armas e que não saiam de lá com 5 e que poderiam até ganhar pontos!
    Espero pelo fim da época para me dizer que o Real Madrid foi campeão mas que ficou a muitos pontos e golos marcados do Real Madrid de Pelegrini…
    Falamos muito das capacidade de Jesus, mas se fores analisar bem e friamente há muitos defeitos e cada vez estão mais destapados, desde um ridícula vaidade, a uma aposta cega em meninos que por vezes não rendem nada, a descobertas arqueológicas no Brasil, com opções claramente erradas em jogos chaves, mexe sempre tarde na equipa, não consegue utilizar com propósito as três substituições, teimosia em apenas uma forma de jogar etc…
    Agora é de facto de longo o melhor que tivemos em muito tempo, mas podemos começar a ver o copo meio cheio dos outros?

    Abraço,

    Zen Master

  7. Zen, mas o que aqui sp foi dito é que o JJ é de facto brilhante a nível táctico.

    Tudo o resto provavelmente é muito sofrível (liderança, comunicação, personalidade, etc).

    O Trappatoni, se calhar era exactamente o contrário.

    Como neste espaço previligiamos a táctica… desconsideramos o Trappa que teve em Portugal, mas valorizamos o JJ

  8. Caro PB,

    Seguimos então no teu ponto de vista, sobre o teu prisma a vertente táctica.

    Permita-me que divida esta fase em subsectores, na escolha do esquema táctico( e já sabemos que isto não tem valor nenhum sem dinâmica), este esquema em termos de ocupação de espaço foi feito a pensar no grupo do ano passado, mas tendo em conta que extremos puros não parecem existir parece-me positivo o seu trabalho.
    A nível estratégico, denominemos esta fase com as opções que tomamos dentro do esquema táctico e do quando as apliquemos, tenho muitas duvidas que o trabalho seja brilhante, se do ponto de vista defensivo a equipa é muito bem trabalhada em termos de rotinas, a vertigem da verticalidade assumida na transição ( que hoje em dia faz sem o di maria) parece-me uma opção duvidosa tendo em conta os desequilíbrios que provocam , não que seja contra esta fase do jogo, mas hoje em dia não temos o desequilibrador e partimos para esta fase tantas vezes em desequilíbrio que quando perdemos a bola e sem o fora de serie da transição defensiva Ramires isto é um autêntico desastre… na fase do jogo posicional a falta de homens que segurem a bola e tenham boas opções resume-se a saviola e a aimar e saviola muitas vezes em jogos europeus quando pressionado não mostra a mesma qualidade devido a debilidade física evidente.
    Não temos esquema táctico como alternativa credível, sejamos por isso coerentes e digamos que o jorge jesus é um homem brilhante tacticamente em algumas fases do jogo e apenas num esquema táctico.
    Em qualquer que seja a modalidade um trabalho de um treinador é avaliado sob algumas prismas como colocar a jogar os jogadores no seu nivel máximo, acrescentar-lhe qualidade ao seu reportório individual técnico e táctico, motiva-lo ao desempenho, colocar a equipa a trabalhar num esquema que propicie e agregue as qualidades dos jogadores, ter soluções de recurso tácticas quer seja a jogar em igualdade, superioridade ou inferioridade numérica alternativos, jogar sempre para a vitória preparando a equipa mais em função da nossas rotinas que as do adversário potenciando as nossos pontos fortes, e nos jogos altos da época ter a coragem de assumir o risco e manter a identidade da equipa.
    Do ponto de vista táctico colectivo e individual PB quantos pontos destes o Jorge Jesus os faz de forma brilhante??? Se quiseres colocar mais pontos de avaliação estás á vontade…acrescento que Jorge Jesus na minha opinião tem a noção perfeita disto tudo mas por teimosia e defeito de personalidade do ponto de vista da auto-motivação não muda!!
    Para mim tudo isto começou com o Presidente a não lhe dar os jogadores que queria, tendo tudo isto começado no despedimento do Quim na televisão.. e com o Presidente a negar-se a comprar o Eduardo para não dar dinheiro ao Braga, passando por um sentimento de traição que Jesus sente no boicote de jogadores importantes como Luisão, David Luiz e Cardozo (todos filados em querer ir jogar para fora…), passando ainda pela pré-temporada atípica, não tenho duvidas que quando no fim de época Jesus se sentar a ver os Festejos do Titulo do Porto, e se o Presidente lhe der os que ele quer o Benfica voltará outra vez em grande já com esses três meninos ou pelo menos Cardozo e David Luiz transferidos.

    Abraço,

    Zen Master

  9. PQP… Bem, já venho tarde, mas gostava de ver o próximo capitulo desta «novela» e deixar uma proposta, ao PB, para convidar, se não for meter-me muito onde não sou chamado, o Zen Master a escrever aqui, em posts, o «direito ao contraditório» ou a «defesa da honra», um pouco mais além dos comentários! Mas que bela discussão, sim senhor! E acho que estou, por ora, com o Master!

    Abraço

    Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

    Bimbosfera.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*