Daniel Carriço e Polga são mais lentos que Sidnei, Luisão, Otamendi e Rolando, e é por isso que o Sporting joga bem mais recuado que os adversários

FALSO.
A velocidade é um atributo muito valioso e muito interessante. Ser mais veloz é obviamente uma vantagem de tal forma importante que não deve ser descurada. Mas, dependerá o posicionamento da linha defensiva (baixo ou alto), como muitos afirmam (por exemplo. “é rapidíssimo, o que permite à sua defesa jogar mais subida no terreno” sobre Pepe), da velocidade dos defesas? A resposta é óbvia. Não.
O “segredo” para se poder jogar com a linha defensiva bem subida, é ser capaz de ser pressionante logo na saída de bola do adversário. Se ao defesa adversário que recebe a bola junto à sua área, for colocada pressão (não tanto com o arriscar na recuperação da posse da bola, mas principalmente com o intuito de impedir o adversário de poder ter tempo para levantar a cabeça e servir em passe longo um colega que possa aparecer nas costas da defesa. Ou seja, o avançado que sai logo ao defesa portador da bola, mais que tentar recuperar a bola, deve sim, privilegiar um posicionamento defensivo que impeça o defesa de ser assertivo num passe longo), será impossível os jogadores da frente serem servidos no espaço vazio.
Se a defesa do Sporting não joga mais à frente, a responsabilidade é mais de toda a equipa, do que propriamente dos defesas.
A velocidade no defensor será especialmente útil, quando os seus colegas da frente falharem e se mostrarem incapazes de reduzir o tempo e espaço ao adversário portador da bola. Ou seja, numa situação reactiva.

Tome o fantástico golo de Aimar como exemplo. O erro do Vitoria não foi ter a defesa subida. Onde o Guimarães falhou realmente (se pretendia ter a linha defensiva alta), foi em não ter nenhum jogador entre Sidnei e a bola. Se um ou dois metros à frente de Sidnei estivesse um jogador vimaranense, seguramente que seria impossível colocar a bola com tal assertividade nas costas da defesa.
A velocidade do defesa? Sim, teria dado jeito. Numa perspectiva reactiva. Depois de cometido o erro, se o defesa fosse mais rápido, talvez tivesse conseguido impedir Aimar de fazer o golo. Mas, o problema, nunca foi a velocidade do defesa.
É a má organização e mau posicionamento defensivo colectivo, começando desde logo nos avançados leoninos que impede o Sporting de ser pressionante. Não o posicionamento da linha defensiva. É que tal posicionamento depende de onde os avançados e médios “pegam” no adversário. Quanto mais tarde o fizerem, mais os defesas terão de recuar, por forma a não serem supreendidos com passes longos nas suas costas.
P.S. – Reparou como o posicionamento defensivo do SL Benfica não mudou nem num centímetro, mesmo tendo perdido um dos defesas mais velozes do futebol mundial?
P.S. – Um defesa está quase sempre virado para o campo adversário e de costas para a sua baliza. Por mais rápido que seja, se a coordenação entre quem faz o passe, e quem desmarca for correcta, não há jogador no mundo capaz de chegar primeiro que o avançado adversário a uma bola colocada no espaço. Isto porque, o defesa não só tem de se virar e “arrancar”, como enfrenta a oposição de alguém que pode perfeitamente já vir em velocidade na direcção do sitio onde a bola será colocada. Essa é a razão pela qual, jogar alto não depende da velocidade dos defesas, mas da capacidade para impedir o portador da bola de ter espaço e tempo para pensar e solicitar os avançados.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3166 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

40 Comentários

  1. Certíssimo!

    Mas há que fazer uma ressalva: se o central for rápido e agressivo, de forma a ser mais um a conseguir pressionar, e rapidamente recuperar a posição, a equipa joga naturalmente mais subida. Nem que seja um metro.

    Portanto, a agressividade, assertividade e rapidez de um central, também influi na capacidade da equipa jogar mais adiantada.
    Mas, como dizes e bem, esse n é o foco principal.

  2. Se tiveres tanta pontaria como costumas, os lags ainda nos vao enterrar no proximo jogo.

    Nao da para fazer ai um post a criticar o glorioso, ó PB?

    tu tens pontaria, mas é ao contrário. Não nos lixes agora. Até o Jara está imparável!

  3. Já agora, é minha crença que a preferencia do JJ pelo sistema tactico q contempla 2 avançados, é prinicpalmente pela ideia defensiva q tem do jogo.

    Assim, consegue pressionar logo os 2 centrais adversários, e com isso, jogar com a defesa subida muitos metros.

  4. Não seria tão assertivo. É lógico que uma equipa que quer jogar com a defesa alta deve focalizar os seus processos numa pressão correcta e consistente de toda a equipa, especialmente dos avançados que, como dizes e bem, devem conseguir evitar qualquer hipótese de passe longo para as costas da defesa. Mas, tendo esta estratégia, convém ter pelo menos um dos centrais com uma velocidade acima da média. Isto porque, por mais eficaz que seja a qualidade de pressão de uma equipa, há sempre, ao longo do jogo, momentos em que a pressão falha, seja por descuido, ineficácia no presing ou capacidade do adversário em sair das zonas de pressão.

    Tu próprio acabas por admitir isso aqui:

    "A velocidade no defensor será especialmente útil, quando os seus colegas da frente falharem e se mostrarem incapazes de reduzir o tempo e espaço ao adversário portador da bola. Ou seja, numa situação reactiva."

  5. Há alturas em que falha. Mas, quais as possibilidades de falhar, no momento em que o avançado (ou outro) está a dirigir-se em velocidade (para chegar primeiro) para determinado espaço, onde o portador da bola consegue meter a bola?

    É que, se os defesas perceberem a distancia q tEm de jogar para a bola, é facil de anular isso. Imagina, o defesa driblou o avanaçdo, neste momento, a defesa desce um, dois metros, precavendo a bola nas costas. assim que novo colega chega ao portador da bola, sobe esse um, ou dois metros que desceu.

    Quantas jogadores isolados só com o gr já fizeram golos ao Benfica (desde q o Jesus chegou)? E nunca o Benfica jogou tão alto…

  6. Ricardo, e é claro que na liga portuguesa é mais fácil jogar assim. Primeiro pq dificilmente algum defesa arrisca sair a jogar qd tem alguem à frente. Depois, pq poucos têm boa capacidade de passe longo. E por fim, pq raras sao as equipas q jogam de forma coordenada (isto, é. Aquele movimento do Aimar, n é por acaso. Ele faz aquilo sp que o adversário sobe a linha. Geralmente o q acontece é que os defesas acompanham-o e o passe nem chega a sair… Muitas vezes, o Aimar estica a linha defensiva adversária e o Saviola aproveita para baixar e receber a bola no pé, no espaço que entretanto ficou mais livre, devido ao recuar dos defesas.)

    Sobre as caracteristicas fisicas do D.L. (onde se inclui a velocidade) recordo uma frase do Q.Flores, depois de ter realizado uma série de testes fisicos "Fisicamente só Maldini se pode comparar a D.L"

  7. Não podia concordar mais PB..
    Mas só um apontamento em relaçao ao lance exibido.
    Não existindo pressão (coisa que não se percebe no futebol actual), porque se continua a dar continuamente profundidade ao ataque do SLB! Não deveriam agir de forma contrária? Perceber que o passe sairia longo, e sair no movimento inverso ao do Aimar! Também percebo que existem mais jogadores e em principio não se sabe a direcção do passe, mas mesmo que entrasse numa zona lateral havia tempo para recuperar o posicionamento.. agora acompanhar o movimento de Aimar não terá sido muito inteligente.
    Isso e o Nilsson "enfiado no galinheiro", apesar de não se perceber muito bem a sua posição no momento do passe, também me parece que o mesmo deveria encurtar mais um pouco.

    É que esta equipa do V. Guimarães joga bem mais curta que a do SCP, mas parece-me que a nível da sua (des)organização funcionam da mesma forma… 😛

    É a diferença entre "fazer e perceber o porquê" (JJ), e "fazer por imitação" (PS; MM; e muitos outros) 🙂

    http://centrodejogo.blogspot.com/

  8. "Há alturas em que falha. Mas, quais as possibilidades de falhar, no momento em que o avançado (ou outro) está a dirigir-se em velocidade (para chegar primeiro) para determinado espaço, onde o portador da bola consegue meter a bola?"

    Depende. Essencialmente depende da qualidade dos intervenientes. Tens razão quando dizes que na Liga Portuguesa será raríssimo encontrarmos um momento em que uma equipa adversária irá aproveitar um decréscimo de intensidade dos avançados do Benfica para, exactamente nesse preciso instante, colocar um avançado em posição de receber a bola atrás da defesa, aí concordo totalmente contigo. Tirando o Porto, não vejo outra equipa com jogadores capazes de entenderem e potenciarem uma falha desse tipo.

    Mas na Europa as coisas serão diferentes. Aliás, apesar de achar o Sidnei um jogador com um talento fantástico e apesar de ele ter feito 3 belíssimos jogos desde que o David Luiz saiu, estou curioso para ver como responderá em jogos de dificuldade acrescida como terá na Liga Europa, por exemplo.

    No fundo, o que quero dizer é isto: para fazer um tipo de jogo como faz o Benfica, convém, para salvaguardar quaisquer surpresas, ter um central que garanta essa capacidade de recuperação/reacção a um momento colectivo de menor intensidade. Mas, sim, se a equipa s emantiver concentrada durante a totalidade do jogo, não é um problema substancial, que é o que pretendes dizer no post.

    Por falar em capacidade de pressão, pode parecer estranho, visto que o Benfica tem uma dinâmica muito boa nesse aspecto, mas acho que o Benfica podia ser muito melhor. Bastaria para isso que o Cardozo (e mesmo o Saviola, embora menos) fosse mais interventivo e mais intenso.

    Não acho que, a médio prazo, uma solução para certos jogos com Jara e Saviola de início seja uma ideia descabida. Pelo contrário.

  9. Quando se consumou a saída do D. Luiz, ouvi o Freitas Lobo dizer que a defesa do Benfica ia ter que jogar menos subida e pelas razões de perder o jogador mais rápido da defesa…

    Como se trata do prof. Martelo do futebol, fiquei a pensar se o homem teria razão e toda forma de jogar de uma equipa dependia de um único jogador, pois se a defesa joga pouco subida, o meio campo tem de fazer o mesmo e é provável que os avançados fiquem bem sós na frente!

    Também pensei que a ser assim, sempre que uma equipa encontrasse avançados rapidíssimos e não tivesse defesas ao mesmo nível de velocidade, estava obrigada a jogar com a defesa baixa! De imediato pensei no Barça, e achei uma enorme peixeirada aquilo que o prof. Martelo acabava de dizer…

    Contra o Porto, e dado as circunstâncias do jogo, foi normal que o Benfica recuasse… E lá veio prof, Martelo dizer que "Luisão a jogar em defesa baixa até parecia o melhor central do mundo"…

    Bem, contra o Guimarães não vi o Benfica a jogar com a defesa subida, vi-o, foi, a jogar quase sempre no meio campo do adversário!

    Dizem que o futebol é um jogo muito simples, mas cada vez mais me convenço que quem o diz é muito estúpido ou, então, o futebol é muito simples mas rodeados de muitos estúpidos!

    Não sou muito entendido em questões tácticas, sou, isso sim, um grande apreciador de futebol! Isso faz com que procure perceber, cada vez mais, como o jogo funciona!

    Assim, gostava de agradecer ao PB, neste caso particular, e a alguns outros escribas de outros blogues que, independentemente da sua cor futebolística, contribuíram imenso com as suas análises e opiniões, para melhorar a minha compreensão sobre o jogo.

    Muitas vezes me aconteceu que determinados pensamentos ou opiniões que tinha não encontravam eco nos pseudo-entendidos que gravitam pelas televisões e jornais! Como nunca me senti um especialista no entendimento do jogo, às tantas achava que o defeito devia ser meu!

    Mas não, afinal, encontro muitas vezes eco das minhas opiniões em gente que escreve em blogues e que sabe argumentar o que diz de forma lúcida e coerente!

    Será que estamos condenado a que só a mediocridade vença neste país???

  10. Eu sei que não é essa a questão mas, por acaso, o Otamendi (que refere no título do post e que vi pela primeira vez jogar ao vivo no passado Domingo) é um jogador sem velocidade nenhuma. Uma vez ultrapassado, não vai buscar ninguém. Isso não faz dele um mau central, como aliás o seu post explica. O meu Braga tinha até há pouco tempo (digo bem e infelizmente, no passado) um excelente central sem velocidade nenhuma: Moisés.

    Mas falar em velocidade em corrida, não é a mesma coisa que falar em tempo de reacção e velocidade sobre a bola. Estes dependem mais da inteligência na leitura do jogo e da capacidade de antecipação dos lances.

  11. Sim Pedro. É que provavelmente o Carriço e o Polga até nem são mais lentos que os centrais dos outros grandes. Mas, mesmo que fosse, isso não poderia servir de justificação.

  12. o pé forte do defesa que tem a bola é importante na forma como se pressiona? e a colocação do outro avançado que tb vai pressionar? ou pq é que eu nunca gostei da forma como Liedson pressionava contrariando a opinião da generalidade das pessoas que vê futebol comigo.

    Ricardo Nascimento

  13. Ricardo,

    o pé forte conta. O posicionamento de quem está em situação defensiva, deve ser por forma a evitar o passe para o corredor central. Se o passe sair longo, mas p corredor lateral, vai dar sp tempo da defesa se recompor.

    Ou seja, a colocação do adversario deve ser sp entre o defesa e a sua baliza. Como que convidando o defesa a dar a bola no lateral.

    O problema da pressao do Liedson é que ng o acompanhava. Era um problema do Sporting e não do Liedson. Não valia de nada andar sozinho a desgastar-se, pq sem apoio dos colegas podiam como que fazer uma rabia com ele. Ainda que tenha feito varios golos assim.

    A colocação dos avançados geralmente é feita da seguinte forma. Quando o gr tem a bola (p o pontape de baliza, por exemplo) eles descem, mas assim que o passe sai, ou seja ainda no momento em q a bola vai na sua trajectoria ate ao defesa, tem de haver um sprint do avançado para chegar o qt antes até ao mm defesa. O 2ndo avançado, fica atras do seu colega, em cobertura, precavendo o eventual drible do defesa ao 1ºavançado. Quando isto acontece geralmente o defesa central da a bola no outro central que está só. Enquanto a bola corre a sua trajectoria até chegar ao central, o 2ndo avançado sai de tras do 1º e vai rapidamente chegar ao defesa que vai receber a bola, e o que estava a pressionar desce rapido e vem ele para tras do que agora pressiona.

    Ou seja, eles não estão sp em cima do adversário,até para nao se desposicionarem. Fazem o movimento de aproximação ao portador da bola, no momento em que a bola vai na sua trajectoria em direcção a quem a vai receber.

    (Bem sei que isto está confuso… com um desenho era bem mais fácil LOL)

    abraços

  14. PB,

    Concordo cm esta tua explicação. Em termos gerais uma equipa com 2 AV funciona dessa forma, mas não é a única dinâmica existente na primeira linha de pressão. Já muitas vezes vi o primeiro AV a dar "sinal" a outras linhas, por exemplo, fazer uma pressao de forma circular (cortando a linha de passe do segundo DC), e uma aproximaçao rapida do segundo AV ao corredor como cobertura interior e fechar um qualquer medio que ali possa aparecer para receber, criando logo uma zona de pressão muito avançada, mas em zonas recuadas e laterais, podendo depois aproveitar o posicionamento do primeiro AV (o da pressao circular) assim como o envolvimento de segundos MC em direcçao da baliza.
    O SLB por vezes faz isso, aproveitando um tipo de comportamento de alguns laterais. Também já vi o SCP e FCP fazer o mesmo, duvido é que no caso do SCP tenha sido como estratégia colectiva, e não apenas um momento de acção individual. Desculpa estar sempre a cortar no SCP, até porque nem sou adepto de nenhum dos ditos 3 grandes em Portugal, mas é desorganização a mais para esta fase da época.

    Abraço.

  15. Confirmo, o Otamendi é bem lento, basta ver o lance em que o Lima (que não é nenhum Walcott) arranca e ele fica covas e depois sai disparado com um carrinho e o Lima pára a bola… mas compensa com instinto goleador lol

  16. PB,

    Um desafio:

    Pegar numa selecção de posts aqui do lateral-esquerdo, juntar uns esquemas made in paint para tornar a coisa mais "gráfica", fazer um documento em pdf e intitula-lo "Ser treinador de futebol for dummies – edição especial eleições do Sporting 2011".

    Cumps.

  17. Concordo com a analise. Embora ache que seja um pouco exagerada. É óbvio que um central rápido ajuda e muito uma defesa a jogar mais subida. Não acredito que aches o Mourinho (sim, o José), um treinador que não sabe organizar as suas equipas. Principalmente ao nível do pressing. Foi o proprio Mourinho que disse que o Pepe era muito importante pois permitia ao Real Madrid jogar mais frente…Foi ele que o afirmou. É claro que num mundo perfeito, tendo médios e avançados perfeitos na pressão ( e já agora um factor muito importante que se estão a esquecer…ter árbitros auxiliares competentes, se é que isso existe) vai sempre existir alguma falha no pressing, algum desequilibro ou até algum erro da equipa de arbitragem, que vai fazer com que um avançado entre nas costas. E nessa situação praticamente inevitável, é necessário alguém que corra, porque não há outra solução!
    Por outro lado, o subconsciente de uma equipa que sabe que tem um central rápido, permite de imediato jogar com outra confiança, que possibilita um pressing mais elevado assim como uma maior subida de toda a equipa. E isto é uma espiral…sem central rápido acontecem erros e com erros perde-se confiança. É certo que há solução, mas é difícil. Aquele que é o melhor treinador do mundo é o próprio a afirmar que é difícil.
    Portanto, acho normal que treinador mais fracos, com jogadores mais fracos, resolvam a situação da forma mais simples. Que é ter defesas rápidos… Uma coisa é a teoria, a pratica é outra e nem todos os jogadores são inteligentes ao pontos de perceber certas coisas…

    Dito isto, não discordo da tua opinião, mas é preciso ter cuidado e precaução quando se usam certos argumentos.

    Já que falaram dos avançados do Benfica. O JJ pode até ter essa ideia, mas na realidade os avançados do Benfica são pouco impressionantes na maioria dos jogos. A diferença de níveis a nível nacional é tão alta que eles se podem dar a a esse luxo. É comum ver o Cardozo fazer "grandes jogos" a esse nivel, com equipas maiores (por exemplo agora com o Porto para a taça) mas apenas nesses. E o Saviola não é melhor. Fosse o campeonato mais competitivo e das duas uma, ou tinham que mudar os avançados, ou então tinha que mudar muito a sua atitude.

  18. O golo do Estugarda e o PS

    "PS – Um defesa está quase sempre virado para o campo adversário e de costas para a sua baliza. Por mais rápido que seja, se a coordenação entre quem faz o passe, e quem desmarca for correcta, não há jogador no mundo capaz de chegar primeiro que o avançado adversário a uma bola colocada no espaço. Isto porque, o defesa não só tem de se virar e "arrancar", como enfrenta a oposição de alguém que pode perfeitamente já vir em velocidade na direcção do sitio onde a bola será colocada. Essa é a razão pela qual, jogar alto não depende da velocidade dos defesas, mas da capacidade para impedir o portador da bola de ter espaço e tempo para pensar e solicitar os avançados."

    No golo alemão, a linha defensiva estava demasiado proxima da bola. Nem o Messi teria chegado à bola, tendo de arrancar parado e de costas para a baliza. O problema foi mesmo o posicionamento demasiado alto, qd a bola está no meio campo.

  19. Tomemos por exemplo este golo que o Benfica sofreu. E golos isolados perante o gr do benfica têm sido mt raros. PArtindo daquele posicionamento, nenhum defesa do mundo teria velocidade para impedir o golo. Sem pressão no portador da bola, a defesa tem de baixar um pouco. Seja formada por 4 Obikwelus ou não! Porque nem o Obikwelu, partindo de costas e parado vai chegar primeiro que qq avançado que já venha a correr.

    Não estou a ver o Freitas Lobo, mas é fácil agora dizer que com o David Luiz o golo não teria acontecido. E fica tudo espantado pq realmente o D.L. saiu e o Benfica sofreu um golo no espaço atrás da defesa. Acontece que isso é mentira. Estivesse quem estivesse, com aquele posicionamento (tão alto), com o portador da bola livre, nenhum velocista do mundo lá chegava.

  20. PB,

    Apesar de a minha proposta ter sido uma ironia às contradições entre teoria e prática que Paulo Sérgio insiste em aplicar no Sporting (não consigo acreditar que ele não se dê ao trabalho de investigar a produção cientifica do futebol de alto rendimento, acredito mais que a sua experiência como treinador o tenha levado, por determinado motivo, a desistir delas e a investir no "futebol" que caracteriza o Sporting) já tens aqui material no blog suficiente para fazer uma espécie de "Iluminismo" no futuro Sporting. O Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera até diz que pode ajudar na parte gráfica e era uma ideia engraçada. Acredito que te dê um pouco de trabalho, mas se por acaso até tiveres os teus posts arquivados num documento do word ou assim, nem demorava muito. Com a ajuda do pessoal do Bancada Nova ou do A Norte de Alvalade a coisa era capaz de ganhar força na blogosfera leonina e quem sabe… No Benfica um blog até deu origem a uma candidatura presidencial, por isso, um documento levado com a seriedade que tem pautado a abordagem aqui do Lateral-Esquerdo até podia ser interessante. Era capaz de ser um trunfo maior do que o Paulo Futre. E malta com boas ideias como tu merece uma oportunidade no futebol português. Mais do que "compadrios", precisamos de competência e inovação em Portugal.

    Cumps.

  21. Pessoal, só para avisar que se for para o Sporting passar a jogar mais à bola então retiro o meu apoio, ehehhe!

    Claro que estou no gozo. Apesar de ser Benfiquista é um projecto que acho interessante!

    Grande abraço!

    Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

    Bimbosfera.blogspot.com

    P.s.- PB, até estou a pensar oferecer-vos um banner para o blog, se gostarem, para usarem por aqui, só em vez do texto que lá está em cima, com ou sem texto no mesmo! O meu blog reformulei a imagem há bem pouco tempo! Convido-vos a passar lá!

  22. Vendo bem este jogada, o N'Diaye já está a acompanhar a desmarcação do Aimar e está praticamente a correr na mesma direcção que o Aimar quando o passe é feito.

    Mais um pouco de velocidade não seria suficiente para impedir o remate? Até porque o Aimar não é propriamente um jogador rápido.

  23. Sim sim, N. Mais velocidade poderia ter impedido o remate. A velocidade é sp uma vantagem. Não é, é uma condicionante para se jogar alto.. É disso que se trata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*