Paulo Bento é primeiro, com muita categoria, mas pouco espectáculo.

Muita categoria, pela forma brilhante como manteve quase sempre o adversário bem longe da sua baliza. Menos espectáculo que aquele que se poderia supor, porque não foram muitas as situações de finalização, ainda que Portugal tenha chegado com relativa facilidade às imediações da grande área adversária.
Sempre se percebeu que a entrada de João Moutinho na equipa incrementaria o rendimento global da equipa. A sua ausência no Mundial foi uma das decisões mais atrozes de que há memória, só passível de ser tomada por alguém ou demente, ou ao serviço de outrem. O enorme jogador do FC Porto, impõe uma dinâmica elevadíssima em todas as acções.
Muito acertada também, ainda que não surpreendente, a utilização de Raul Meireles como jogador mais recuado do meio campo. Meireles, ainda que não faça o seu futebol primar pela criatividade, é um jogador notável em aspectos tão simples, como a recepção, o passe, e a assertividade com que faz a bola correr. Não admira o pouco tempo que prende a bola consigo, para tanto jogo que lhe passa nas botas. Com a Noruega, para além da simplicidade e categoria com que joga com bola, impressionou igualmente a inteligência e disponibilidade revelada na forma como compensou diversas vezes o posicionamento dos colegas. Ainda que num breve momento não tenha sido feliz, Meireles foi provavelmente o jogador mais importante no jogo que levou Portugal ao primeiro lugar.
Muito bom o trabalho da dupla de centrais ao longo de quase todo o jogo. Ainda que o lance da segunda oportunidade de golo dos noruegueses, tenha revelado um pouco de inépcia, não acção de Bruno Alves, na forma como não só não garantiu uma correcta cobertura defensiva (posicionamento imediatamente atrás do jogador que está com o portador da bola), como não atacou devidamente o jogador que recebeu a bola nas costas de Fábio Coentrão. É nesta posição que Portugal se encontra melhor servido.
Sinal menos para Nani. Quem segue os noventa minutos das partidas, consegue perceber porque é que mesmo sendo português, é suplente de um coreano, e de um equatoriano. O seu talento é inversamente proporcional ao tamanho do cérebro. Repare, Nani nem sequer prima por decidir invariavelmente mal. O problema parece ser outro. A percepção que tem de que é bastante melhor, do que realmente é. Tal percepção prejudica-o de sobremaneira, tal como prejudica a sua equipa. São mais que muitos os lances em que não solta a bola, preferindo fazê-la chegar ao destino, depois de três dribles, quando a mesma, se fosse por um passe, teria chegado cinco segundos mais cedo. As perdas de bola, mesmo quando tem apoio livre para receber e dar seguimento à jogada, sucedem-se a um ritmo maior que o que seria desejável. Nani parece crer que tem de ser o próprio e de forma individual a resolver os jogos. Está a perder-se um talento extraordinário. É de lamentar.
No corredor oposto, é também de lamentar que apesar de individualmente termos o melhor corredor lateral esquerdo do mundo, não se aproveite o mesmo para criar desequilíbrios. E aqui, a “culpa” terá de ser toda atribuída a Cristiano Ronaldo. Tantas e tantas vezes, optou por não dar seguimento às tabelinhas e às desmarcações do “caxineiro”. Sem jogo de equipa, aquele corredor fica entregue apenas à inspiração momentânea de um e outro. Ronaldo garante desejar Fábio no Real. Não se percebe bem porquê. Na selecção raras são as vezes em que lhe dá a bola, e com tantas e tão boas oportunidades que tem para o fazer. Também Coentrão, quando refere que apenas trocaria o Benfica pelo Real, deveria ser bem mais inteligente do que isso. Fábio seria o jogador perfeito num modelo de jogo como o Barcelona. A forma como privilegia a troca de bola e as tabelinhas no corredor lateral, numa equipa como a dos catalães, onde o colectivo está sempre acima dos egos pessoais, fariam de si, pelo talento e persistência que tem, um dos melhores laterais esquerdos da história do jogo.
Referência final para Hélder Postiga. Muito boa a movimentação. Muito boa mesmo. Quer nos apoios frontais, ajudando a selecção a chegar mais à frente, quer na forma como caía nos corredores laterais, para oferecer mais opções de passe ao portador da bola, essencialmente em situações de contra-ataque. Menos bem nos gestos técnicos. Por mais de uma vez, foi a sua incapacidade para receber bem a bola, que o impediu de chegar ao golo. Também algo que deva ser considerado e alterado no seu jogo, é a forma como recentemente passou a optar por rematar sem critério. Somar remates somente para a estatística é apenas parvoíce! Não sendo uma enorme mais valia, Postiga é de longe o melhor avançado português.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3333 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

18 Comentários

  1. Mike, tb n acredito q se dê mal por Madrid. É demasiado bom para isso. Mas, em Barcelona… iria fazer história! Iria deixar nome, como deixou o Roberto Carlos, por exemplo.

    Mesmo no Real de Mourinho, há muito individualismo. O Ronaldo é o 2ndo melhor do mundo, porque faz golos atrás de golos. Mas, quando não os faz, dificilmente acrescenta algo de muito relevante. É a diferença para o Messi…

    Numa equipa com o modelo de jogo do Barça, ele estaria sempre em jogo! Não receberia a bola, só quando os outros percebem que não há mais solução nenhuma, se não passar.

  2. concordo com tudo. Na nossa Selecção há dois jogadores brilhantes, Coentrão e Moutinho, e dois jogadores tecnicamente magnificos, Ronaldo e Nani. Mas quando a bola chega a qualquer um destes dois, fico meio envergonhado enquanto português.

  3. Mister,
    em madrid, para onde ele claramente já está vendido em mais um saldo à la Vieira
    ele não será queimado pelo peneirento…
    uma vez que certamente o Mourinho aproveitará a quimica já existente com o Di Maria…

  4. A brincar, a brincar, para o ano corres o risco de ficar só com Maxi, Luisão, Javi e Aimar (do 11 dos campeões!) E isto em duas épocas…

  5. "A sua ausência no Mundial foi uma das decisões mais atrozes de que há memória só passível de ser tomada (…) ao serviço de outrem"

    Sábias e acertadas palavras PB. por isso é que enquanto o domingos for treinador do meu sporting não vejo jogos do meu clube. estou farto de ser encavado pelos corruptos.

    quanto ao resto da análise, concordo em absoluto.

    Pedro

  6. Cisto, por acaso, se fizer um exercício de tentar perceber quem são os jogadores de nacionalidade portuguesa capazes de encaixar bem no Barcelona, para além dos dois que referes, parece-me que só o Ricardo Carvalho poderia aumentar, ou pelo menos não diminuir o rendimento dos catalães enquanto equipa.

    Todos os outros (começando por Ronaldo, indo até Nani) só iriam estragar.

  7. "A sua ausência no Mundial foi uma das decisões mais atrozes de que há memória só passível de ser tomada (…) ao serviço de outrem"

    Estas pérolas ressabiadas é que impedem o blogue de ter um nível ainda mais alto.
    Então a temporada que o Moutinho fez justificava ir ao Mundial? Tava a apodrecer, estagnado no Sporting. Nem ele nem o Veloso mereciam, o Veloso teve a sorte de ser esquerdino e polivalente (DE e MDC que não eram pontos fortes da selecção). 11Milhoes de euros é pouco? f@da-se!….

    Eu que vi a melhor selecção da história, no Euro 2004 e Mundial 2006, no início do Euro no banco a espinha dorsal do campeão europeu e o melhor GR portugues de sempre e da Europa aclamado nessa época como o melhor tbm de fora dos convocados por serem do Porto, sendo que o Scolari lá teve de meter o rabinho entre as pernas porque perdeu contra os gregos e la teve de meter o meio campo do FCPorto, e ainda vêm com estas choraminguices??? …Azar teve o Scolari, uma porcaria de treinador, que podia ter ficado na história não fosse o Ricardo só bom nos penalties e o Deco não estivesse já completamente esgotado naquela final…

  8. PB,

    jogadores de nacionalidade portuguesa com características para jogar no Barcelona?

    Miguel Veloso. Pelo menos na parte ofensiva (é na defensiva que peca).

    Com mais segurança e criatividade em posse do que o próprio João Moutinho, mas sem a rotatividade.

    Há mais jogadores que têm um estilo "tipo" Barcelona mas que não têm qualidades para jogar no Barcelona.

  9. Discordar de alguns comentários proferidos….
    Coentrão, bom jogador, é inferior ao Bale, sem sombra de dúvida.
    Postiga não é o melhor avançado portuguès…Até no SCP o predominio foi sempre e justamente, de Liedson!!! E como sabemos este continua a facturar, é um grande jogador muito melhor do que Postiga e é tão português quanto qualquer um de nós em termos juridicos, que é o que aqui interessa! Nem esse Bento é mais português do que ele.
    Rictemple

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*