Capacidade de definição. Um dos muitos handicaps de Evaldo. Quando o Sporting esteve próximo de matar o jogo, mesmo jogando com dez.

white corner field line on artificial green grass of soccer field

A imagem e o video são de um lance não contabilizado como oportunidade de golo, mas cujo potencial para ter terminado em golo era incrivelmente superior a tantos outros lances que consideramos como tal.
O porquê de valorizarmos tanto a tomada de decisão, e a capacidade para definir bem os lances, está bem expresso no presente texto. Jogadores inteligentes criam situações de golo iminente só porque sabem como reagir a cada situação de jogo.

Não se encontram muitas situações potencialmente mais próximas do golo que a que Evaldo experienciou já bem próximo do fim do jogo perante a Lázio. Situação de 3×3, com bola no corredor central e imenso espaço para progredir com a bola. Ao contrário dos momentos em que o adversário está organizado e em que se impõe que a bola circule, esta é uma clara situação em que o portador da bola deve conduzir a bola atacando o corredor central, por forma a obrigar um adversário a ter de parar e sair ao seu encontro para travar a progressão. É então, já bem próximo do adversário que se fixou, que o passe deve sair para as costas de quem está em contenção. É determinante que o timing do passe seja o correcto. Se fosse, seria certo que de três jogadores atrás da linha da bola, a Lázio passaria a ter somente dois.
A imagem demonstra uma possível forma de resolução do lance. Não se pode afirmar que se resolve sempre desta forma, porque a tomada de decisão depende sempre do comportamento dos defesas. Porém, é garantido que em noventa por cento dos casos, é absolutamente determinante conduzir a bola, e fixar o adversário directo.
E o que fez Evaldo?

Em um segundo reduziu para metade as probabilidades de o lance terminar em golo. Ainda assim, depois da péssima decisão que foi colocar a bola no corredor lateral quando havia espaço no central para progredir, poderia a situação ter sido resolvida de uma forma mais eficaz?
Fica aqui uma sugestão, que garantidamente tornaria o lance bem mais perigoso.

Quando Rinaudo recebe a bola, as possibilidades de resolver com sucesso o lance já haviam diminuído. Continuava porém a ser um lance de muito potencial. Tivesse Rinaudo assumidamente atacado o corredor central, e tivesse Evaldo realizado uma desmarcação pelas costas, e ficaria completamente isolado, e ainda que sem enquadramento suficiente para poder finalizar com qualidade, teria um colega a aparecer ao segundo poste e o próprio Rinaudo a receber, posteriormente, atrás da linha da bola.
Uma situação destas com jogadores capazes de interpretar com qualidade o jogo, termina maioritariamente em golo. Quando temos alguém incapaz de definir bem o lance, são dezenas as jogadas potencialmente perigosas que nem consideramos como oportunidade.
Sobre Paolo Maldini 3789 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*