Os traços individuais visíveis não fazem o jogador

white corner field line on artificial green grass of soccer field
Podem ajudar, mas não o fazem.
Rodrigo Moreno é muito veloz, e de técnica assinalável. Facilmente leva os seus treinadores a colocá-lo num corredor lateral. Foi assim em Inglaterra, e na Madeira com Jesus, voltou a jogar como extremo.
Difícil perceber o que Jesus tinha em mente. Alguém muito rápido com remate forte, capaz de desiquilibrar individualmente numa transição? Provavelmente terá sido este o pensar que levou Rodrigo a jogo. Todavia, se o treinador encarnado prentendia um jogador com capacidade para resolver no plano individual, porque não usou Nolito? Não que o espanhol seja um jogador que pense sozinho. Muito pelo contrário. Mas, Jesus já revelou que é essa a ideia que tem de Nolito.
Percebe-se que a fraca exibição de Rodrigo como extremo não foi casual. Poderá pelos seus traços individuais, obviamente, ter grandes momentos em determinados jogos jogando ali. Muito dificilmente será regular, contudo.
O espanhol é fantástico a explorar a profunidade nas costas das defesas adversárias. É essa a sua mais valia, mesmo em relação aos colegas de equipa. Porque não é um jogador forte na tomada de decisão, ou especialmente imaginativo, perde-se quando sai do seu habitat natural. Quando lhe é retirada a possibilidade de procurar a sua tipica desmarcação de ruptura.
Rodrigo tem um potencial imenso, e dificilmente não será um avançado de nomeada no futebol mundial. Mas parece claro que está formatado para determinado tipo de jogo. Apesar das boas características individuais, pensar nele para outro espaço que não o de avançado centro será sempre um erro. Mesmo que momentaneamente levante estádios. Quem é rápido e chuta forte, acaba invariavelmente por o fazer. Há é que pensar se a regularidade com que o faz, justifica a utilização.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3158 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*