O sistema táctico e a dinâmica

white corner field line on artificial green grass of soccer field
“O Barcelona joga em 3-7-0. Se eu tentar isso no Brasil me matam” Muricy Ramalho, treinador do Santos.
Não parece especialmente relevante, sobretudo em equipas com dinâmicas fortes (mobilidade, coberturas e aproveitamento do espaço) perceber o sistema táctico que utilizam. O jogo não mais se resume a um conjunto de jogadores no seu quadradinho, à espera que a bola chegue para individualmente desequilibrarem. E é sobretudo esta mudança de paradigma que vai confundindo os menos preparados.
Se um avançado não se limita a esconder-se atrás do defesa, procurando unicamente as solicitações na profunidade, ou a resposta aos cruzamentos, mas antes baixa para apoiar a equipa na fase de construção de jogo, tal não significa que se jogue sem avançado. Se os extremos baixam para receber e procuram o jogo interior em detrimento de inócuas correrias e cruzamentos para os baixinhos, tal não significa que joguem no sector intermédio.
Numa era em que há cada vez menos espaço para jogar, o trabalho para receber é determinante. Para se ter a bola com tempo e espaço para enquadrar, demasiadas vezes só é possível pedindo de forma simulada a profundidade, para depois baixar e receber no pé. E da mesma maneira que todo este trabalho para receber leva por vezes os jogadores mais adiantados para zonas mais recuadas, também leva os jogadores do meio campo e/ou da defesa para zonas mais avançadas do campo de jogo.
Se há quem veja um 3:7:0 no Barcelona, então seguramente que também se poderá falar num 3:0:7. Afinal, quantos jogadores do Barcelona aparecem em penetração nas zonas de finalização?
Pensar que o Barcelona joga em tal sistema táctico é uma crença apenas ao alcance de quem ainda vê os médios, ou determinado médio como o principal catalisador no processo de criação de jogo ofensivo. Quando na actualidade, todos devem ser responsáveis por tudo. A bola deve progredir de pé para pé, e é muito mais quem não a tem que deve pensar o jogo. Quantos mais o fizerem, mais opções terá o portador da bola, e mais fácil e imprevisível será a sua decisão.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3331 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*