Deixar sair a jogar preparando uma armadilha para recuperar ou obrigar a bater longo?

white corner field line on artificial green grass of soccer field
Desvendou, no final do jogo, a sua estratégia, Sá Pinto.
Deixar o adversário sair a jogar com bola no pé para em determinada zona (algures entre o meio do meio campo ofensivo e a linha do meio campo) recuperar a bola para sair rápido para o contra-ataque. Ou seja, a Sá Pinto interessava sobretudo que o adversário não batesse a bola na frente, para poder começar a construir com menos oposição atrás da linha da bola. Uma estratégia que será interessante, dependendo da capacidade e tomada de decisão (no momento em que “aperta” o espaço) dos adversários.
Um grande problema da estratégia é partir do pressuposto que o adversário quererá assumir o jogo em organização ofensiva. E enquanto o Sporting tiver o peso histórico que tem, nenhum treinador de equipa nenhuma em Portugal, ou na Liga Europa (salvo excepções que surgirão mais à frente na fase a eliminar), jogará o jogo que Sá Pinto pretende que joguem.
Ontem o Basel simplesmente arriscou zero. Preferiu não jogar, trocando a bola entre centrais e guarda redes (muito interessante com os pés). Sempre que o espaço fechava, voltava atrás e nunca chegou com bola dominada à zona que Sá Pinto havia idealizado para recuperar. Na Liga portuguesa quando o espaço fechar, não se voltará ao guarda redes, mas irá bater-se a bola longa na frente. E aí, porque já tem as linhas mais recuadas, o Sporting perde até capacidade para jogar mais tempo no meio campo ofensivo. A primeira bola será disputada algures no meio do meio campo defensivo
Um exemplo do que faz Jorge Jesus. Não deixa sair a jogar, posicionando a linha defensiva desde logo na linha do meio campo. A bola é batida longa, e o máximo que os defesas/trinco encarnado recuam para a disputar são dois, três, quatro, cinco metros. Quando a bola é ganha, o jogo continua sempre a decorrer no meio campo ofensivo, e não raras vezes, logo com apenas sete, oito adversários atrás da linha da bola, porque o avançado e por vezes os extremos adversários já estão fora da situação de jogo.
É louvável perceber que há estratégia em Sá Pinto. Preocupante, contudo, perceber que Sá parece convicto que as equipas vão querer assumir o jogo contra o Sporting. Vão querer jogar o jogo que Sá Pinto idealiza.


Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3166 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*