Fifa Puskas Award. O golaço de Neymar.

white corner field line on artificial green grass of soccer field

A análise não pretende de forma alguma desvalorizar o enorme golo que o brasileiro obteve. Apenas tecer algumas considerações sobre o grau de dificuldade que enfrentou Neymar, relativamente ao grau de dificuldade que teria de enfrentar num contexto diferente.
É uma situação de 1×5, da qual apenas o defesa na imagem mais à esquerda parece descartado, pela distância a que se encontra de Neymar.
Com cinco jogadores atrás da linha da bola será normal que Neymar finalize a jogada, depois de apenas driblar um adversário? Tal seria possível em qualquer liga europeia? Muito dificilmente.
A primeira abordagem, do defesa mais à direita, é absolutamente ridícula. Nem sequer chega a incomodar o prodígio. Não lhe tapa o corredor central e corre à toa. Não chega sequer a colocar-se entre Neymar e a sua própria baliza. E se percebe que não daria tempo para tal, então deveria ter vindo a recuar no terreno para trás do defesa, oferecendo cobertura. O médio centro corre atrás, mas sem nunca ajudar em nada. Se o defesa já estava em contenção, o centrocampista não tinha nada de continuar a correr atrás de Neymar procurando pressioná-lo. Deveria, e dava mais que tempo para isso, correr para trás do defesa, para que quando este fosse driblado, estivesse numa situação de cobertura, pronto a sair à bola

O próprio central livre, e ainda antes de perceber que o médio não iria ajustar correctamente o seu posicionamento face ao que a situação de jogo sugeria, deveria ter recuado um pouco mais para uma posição de cobertura, em vez de continuar unicamente preocupado com o adversário directo sem bola.

Acredite que numa equipa que defenda com qualidade, numa situação de 1×5, o portador da bola para ser bem sucedido numa jogada individual, terá de passar pelos 5, e mais do que uma vez, porque após o drible, quem ficou para trás, poderá ter tempo para recuperar para uma posição de cobertura, dependendo da abordagem do colega que ficou agora com o portador da bola.
Neymar tem um potencial tremendo, e num bom modelo de jogo numa boa equipa europeia será bem sucedido. Tem todas as condições para ser um jogador importante na Europa. Porém, se espera vê-lo a ter a notoriedade de Messi ou Cristiano Ronaldo, desengane-se. Será apenas mais um excelente jogador no continente europeu. A anos luz dos candidatos à bola de ouro, porém.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3616 artigos
Pedro Bouças - Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*