Nunca perceberás, Ricardo…

“Não sou inferior aos melhores. Aquilo que eles fazem, eu também faço” Quaresma.
É um facto. Todos aqueles truques maravilhosos, pormenores de génio só ao alcance dos talentosos, capazes de num instante desbloquear um resultado são passíveis de a qualquer momento saltarem das botas de Quaresma para o mundo. Aquilo que Quaresma idealiza como o que os melhores fazem, ele de facto é capaz de o fazer. 
Uma frase tão simples, que diz tanto sobre o que Quaresma é enquanto jogador. Sobre como o extremo do FC Porto pensa o jogo. Os melhores tiram cruzamentos de letra, fazem golos magníficos com arcos esplêndidos. Driblam um, dois, três, e terminam com golo. Isto são os melhores na cabeça de Quaresma.
O problema, Ricardo, é que essas eram as características dos melhores que jogaram até à década de 80, 90. Hoje, essas não são características dos melhores. 
Os melhores podem passar noventa minutos sem serem demasiado notados, sem artimanhas que levantem o estádio, e ainda assim são os melhores. Porque hoje, ser melhor é ter uma percentagem avassaladora de acções correctas com bola, e também sem ela. Ser melhor tem tudo a ver com tomada de decisão. Escolher os melhores caminhos para a equipa, mesmo que esses caminhos reduzam a sua notoriedade. Ser melhor não é ir para cima sempre que tens a bola. Ser melhor é segurar, prender, temporizar, esperar pelo colega. Procurar a tabela, procurar colegas em melhores condições para serem bem sucedidos. Ser melhor não é fazer um golo extraordinário num arco fantástico, quando antes se tentou outras dez para a bancada. Ser melhor é nessas onze vezes, tomar sempre a opção que garante mais probabilidades de êxito à equipa, mesmo que essa opção seja um passe simples para dentro que faça a jogada decorrer por outro lado, que aproxime a equipa do golo.
Ricardo, tu jamais considerarias colocar David Silva no teu lote dos melhores. E isso, Ricardo, diz-nos exactamente o que te limita. E o porquê de na verdade estares sempre tão longe dos melhores. Não estranhaste ouvir o teu ex treinador Jesualdo Ferreira a garantir que Lucho havia sido o melhor que já treinou? Ele não é capaz de fazer o que fazem os melhores, naquilo que tu idealizas como o que fazem os melhores, pois não, Ricardo…?
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3011 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*