O meu coração estará sempre com os que conseguem fazer bem, ainda que tenham pouco. Editado.

Conforme havia sido observado, aqui, o Everton de Martinez é uma certeza.
Está neste momento a realizar a melhor época do clube, desde que a competição se passou a designar Premier League, ao nível de pontos (69). Sendo que ainda faltam disputar 3 jogos (9 pontos), caso o campeonato terminasse hoje, com actual pontuação, teria classificado o Everton para a 3º pré-eliminatória da champions, 5 dos últimos 10 campeonatos, e entraria directamente na prova milionária uma vez. Acabaria 3 campeonatos na posição actual (5º) e um no 6ºlugar.

Colectivamente é, para mim, a equipa mais equilibrada da Premier, tendo em conta a resposta em todos os momentos do jogo. Todos eles têm qualidade. Pelo que o mérito terá de ser em grande parte das ferramentas que o treinador possibilita aos seus jogadores.

Caso fosse eu a escolher o próximo treinador do Barcelona (caso se confirme a saída de Tata), do Man United, do FC Porto, ou do SL Benfica (caso Jesus saia), Martinez seria a minha escolha, desde o primeiro momento.

Dessa forma, com a qualidade de jogo com a qual me identifico, com organização em todos os momentos do jogo, torço para que continue a desafiar as probabilidades tendo em conta a fraca qualidade individual que possui.

O meu coração está com Martinez e com Rodgers. Uma vez que são eles que fazem esquecer a desilusão que é o Arsenal, o Man City, o Man United, o Tottenham, e o Chelsea.

Sobre o Modelo de Martinez, uma entrevista de Leighton Baines, capitão do Everton, aqui.

“That’s been the big thing for me: the difference in the style of play, committing to that and not feeling like we have to adapt to the opposition. The new manager has that confidence and belief in himself, in his own blueprint. And then in us. He tells us we’re not going to change, we’re just going to improve constantly and keep practising until we get to the level where we want to be. Stick to it, don’t compromise, get better at it.”

“It’s very different. The full-backs at Everton are more advanced now. If [the goalkeeper] Tim Howard has the ball, I’ll be encouraged to be higher up the pitch and that creates more space for the midfielders. We can then start our play, building up from the back.
“People will say there’s a risk involved, and there are times, as a defender, when I’m one side, Seamus [Coleman] is on the other, and I’m thinking: ‘I could do with being 15 to 20 yards further back here.’ But the idea is we stick to it, keep the ball and build. What the manager says is: ‘We’re going to get so good at what we do, we’re not going to compromise that, we’re going to stick to our principles and just get better because the top sides, the really top teams who have mastered this way, are the ones that gets success.‘”
“I’m reluctant to say Barcelona or Bayern Munich, but it is based round those principles. We’re trying to gain an advantage in what we do. It’s attacking football, and we just have to trust ourselves.”
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3329 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*