Horst Wein – ” estimular o cérebro, o nosso musculo mais importante”

Aqui Horst Wein, um dos grandes do futebol jovem deu a uns meses uma entrevista com alguns pontos interessantes, nada novos por estes lados..
DOZE  – Conhece o futebol de formação do Sporting, bastante prestigiado através do desenvolvimento de jogadores como Figo, Cristiano Ronaldo ou Nani?
HORST WEIN –  O Sporting e os grandes clubes ainda cometem erros, porque muitas vezes a criança joga como se fosse um adulto, em partidas de onze contra onze, quando devia jogar futebol de sete ou futebol de cinco, por exemplo. O futebol é como os sapatos. Ou seja, não se pode calçar uma criança como se fosse um adulto. Devemos deixá-la correr, ter o gosto pelo jogo e estimular o cérebro, o nosso músculo mais importante, para que possa tomar decisões.
DOZE  – O que pensa do futebol de formação ao nível das selecções jovens de Portugal, com alguns títulos conquistados?

HORST WEIN – Portugal devia estar já a pensar no Mundial Qatar, em 2022, e isso não está a acontecer. A preocupação principal é o Campeonato do Mundo no Brasil, em 2014. Refiro-me a 2022, porque o desenvolvimento de um jovem futebolista demora aproximadamente dez anos.

DOZE  – Tem ideias consideradas revolucionárias relativas às regras do futebol de formação. Quais são as principais?

HORST WEIN – O futebol de formação deveria passar a ter quatro balizas, duas para cada equipa, nas extremidades da linha de fundo, com dois guarda-redes e nove jogadores à frente, o que tornaria o jogo muito mais interessante. O sistema de pontuação deveria ser diferente: o que acontece quando o Benfica estiver a ganhar ao Sporting por 2-0 a dez minutos do fim? Começaria a defender, o jogo torna-se aborrecido e os adeptos não gostam. 0-0 não deveria valer qualquer ponto, enquanto o 1-1 ou o 2-2 poderia ser premiado com um ponto. A vitória seria contemplada com dois pontos, mas se a equipa marcar três golos, conquistaria três pontos. Voltando ao exemplo anterior, o Benfica, com este sistema, iria atacar, para somar três, em vez de dois pontos, tal como o Sporting, pois saberia que se marcasse um golo, estaria perto de empatar. O jogo ficaria mais espectacular, sem se gastar muito dinheiro.”
As duas balizas com GR, é um crescer do 3v3 que Horst Wein defende para o ensino do jogo. Tem alguns aspectos interessantes no 3v3, 4v4 e até 7v7, principalmente para a variação do centro de jogo em largura, focando o ensino do jogo principalmente no ataque.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3010 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*