Paco e o ensino do jogo

«Tento aprender sempre e Paco sabe isso. Ele fala comigo e tenta explicar-me as coisas para que possa fazer bem o meu trabalho. Estou contente por estar preocupado comigo, pela forma como trabalho. Estou a melhorar a cada dia que passa», disse o português, em conferência de imprensa de antevisão do jogo com o Eibar. 

«Precisava de melhorar a interpretar o jogo. Agora tenho formação e penso que estou melhor do que estava. O treinador está a ajudar-me e vou continuar a melhorar com os treinos», acrescentou..

As entrevistas mostram imensa coisa sobre o que acontece nos treinos e o que os jogadores necessitam (ou querem) para crescer. 
A interpretação do jogo é importante na fase defensiva, mas é ainda mais importante quando a nossa equipa tem a bola. Que linhas de passe dar, para onde atrair o adversário, onde e como o desequilibrar para que a bola chegue nas melhores condições à zona de finalização.
Quando Bebe diz que agora tem formação, revela o que se passou em todos os anos que jogou futebol ate agora. Ou não lhe explicavam o que estava a fazer e qual o transfer para o jogo, ou ele não percebia…
Ou então, e mais provavelmente, o treino não tinha um transfer claro para o jogo.
Exemplos:
– Correr na mata, com mochilas dos marines as costas. Mesmo explicado… tem pouco transfer para o jogo. Pode servir como dinâmicas de grupo, pode servir para ganhos de condição física geral, mas a falta de especificidade gritante, impede que faça sentido. Seria como um atleta de Crossfit de repente vir jogar futebol. E óbvio que esta numa forma física impressionante, o Rich Fronning ]e visto como o homem em melhor condição física no mundo, ainda assim…. 10 minutos a jogar 6v6 em metade de um campo de futebol e se lhe tapassem a boca ele caia para o lado.
– Exercícios de finalização quaisquer, finta 2 manequins e finaliza. O jogador acredita que esta a trabalhar finalização, mas ainda assim a especificidade é muito reduzida porque não há necessidade de se relacionar com colegas e adversários, que influenciam todas as decisões que toma.
– Jogos com direcção, colegas e adversários, com um mínimo de 3v3 com 2 guarda redes.  O jogador não identifica directamente o transfer para o jogo, mas todas as acções que realizam estão dentro do centro de jogo e assim, decisivas para que ao domingo as coisas corram melhor. Um 4v4 em que cada vez que um jogador passa a bola deve desmarcar na direcção da baliza com os restantes jogadores a terem de se adaptar para manter a estrutura, pode parecer uma coisa parva, porque um jogador que joga a defesa central, raramente vai fazer uma desmarcação para a frente, mas passar por essas experiências vai melhorar o seu entendimento do jogo. 
Se melhora o entendimento do jogo, vai conseguir prever e antecipar situações a favor e contra, quando o jogo passa de 4v4 para 11v11. 
Um jogador que sente que o treinador se importa com ele, que o treinador lhe explica as coisas, está muito mais aberto a seguir o que o treinador lhe pede, mesmo que seja coisas diferentes do que lhe pediam ate agora.
Dificilmente um jogador com o perfil do Bebe vai fazer alguma vez na vida coisas como o Nolito. O perfil de decisão ]e radicalmente diferente. Mas vai de certeza, com o tempo e com algum sucesso nas acções, melhorar um bocadinho. E as vezes é tudo o que é preciso.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2936 artigos
Creator of the "Lateral Esquerdo", is also a teacher at the University Stadium in Lisbon. Soccer coach, having conquered several national titles in Portugal. Experience as soccer coordinator, and lecturer at various Sports Universities. Author of the book "Build a champion team" from the publisher PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*