Múltipla da semana.

BARCELONA X REAL MADRID

Grande clássico do futebol mundial a chegar com o Barcelona com o titulo no bolso.
Equipa de Luis Enrique muito completa do ponto de vista táctico. Capacidade para jogar em todos os momentos.
Parte de um 433 para uma dinâmica assinalável. Paciência, critério e criatividade em organização ofensiva, com Iniesta e Rakitic a ligarem com o trio da frente.
Messi a receber em zona de criação e sempre a definir e a aproximar o Barcelona do sucesso. A combinação que faz com as rupturas de Suarez e os movimentos de Neymar é explosiva. Também nos momentos defensivos a equipa de Luis Enrique sabe encurtar o espaço, pressionar forte usando as referências adequadas para posteriormente sair com velocidade e assertividade na transição. Se sem espaço causa mossa, com espaço é a melhor equipa do mundo. O conforto da classificação retira algum foco e um empate será expectável em Camp Nou.
Real Madrid em Camp Nou na última tentativa de entrar na Liga.
Parte de um 442 nos momentos defensivos, onde sentirá dificuldades para controlar os espaços entre linhas, pela pouca agressividade que coloca no portador e pela dinâmica na criação do Barcelona.
Deverá baixar as linhas para garantir proximidade de sectores. Partindo de um jogo mais baixo, aproveitará cada recuperação para sair com qualidade na transição, pela forma sublime como Modric, James e Isco ligam as fases, aproveitando a velocidade de Bale e Ronaldo na frente. O português só precisa de um lance para fazer golos no Clássico. Apesar do desnível colectivo entre as duas formações, um jogo de transições madrilenas e o foco que o Real terá pela última oportunidade que tem de se manter vivo poderá aproximar o jogo de um equilíbrio. Um empate como resultado provável no clássico.
MAN UTD X EVERTON
Recebe o Everton em 4231 a equipa de Van Gaal. A procurar ainda um lugar na próxima edição da Liga dos Campeões, não baixará a guarda.
Organização ofensiva e defensiva com algumas debilidades. Com bola, apesar de Mata se mostrar sempre dentro do bloco, há pouca criatividade. Todavia o iminente regresso de Rooney trará soluções em criação e finalização. Jogo ofensivo do United a privilegiar mais a chegada aos corredores laterais por Lingard e Martial. Em organização defensiva a coordenação entre sectores é deficiente e surgem espaços em função disso. Também individualmente a última linha do United demonstra lacunas.
Mais forte na transição, onde deverá passar grande parte do jogo, pelas saídas rápidas de Martial, sempre um perigo à solta pela forma que desequilibra quanto tem espaço. Rashford, o novo menino de Old Trafford deverá surgir mais adiantado para aproveitar a boa transição do United. Em Old Trafford, e a um ponto da Liga dos Campeões, não deverá ceder.
Ainda que aprazível de seguir, o Everton de Martinez vai encontrando dificuldades para traduzir em pontos o bom futebol que pratica.

O 442 no momento defensivo, mesmo que bem trabalhado, sente algumas dificuldades para controlar os espaços entre linhas adversários, e perante Mata tal será um problema. Em organização ofensiva transforma-se num 433, garantindo mais opções ao portador. Equipa rápida nas transições, mas com dificuldades no último passe. Deulofeu, Koné e Lukaku fazem rápido, mas nem sempre bem. Espera-se um jogo grande em Manchester, mas com Everton a passar por muitas dificuldades.
BELENENSES X SPORTING
Belenenses de Julio Velasquez sempre a querer ser protagonista.
Construção sempre a sair de pé para pé. Centrais, guarda redes e médio que baixa para jogar. Ideia de jogo muito atraente e primazia pela tomada de decisão e qualidade técnica para impor o jogo pretendido.
Defensivamente pouca agressividade sobre portador oferecem espaço ao adversário para tomar melhores decisões.
É na transição defensiva que o Belenenses acaba por sofrer mais. As perdas com a equipa afastada sucedem-se e há demasiado tempo até reagrupar. Muito complicado segurar a pressão ofensiva do Sporting logo com dois avançados sobre os centrais e Adrien sobre o médio defensivo.



Em 442 com Ruiz nas costas do goleador Slimani e João Mário e Bruno César nas alas. Deverá surgir assim a equipa de Jorge Jesus.
Sem os habituais extremos mais capazes de individualmente partirem no 1×1 causando desequilíbrios, Jesus adapta-se a novas condições, e vai fazendo crescer João Mário numa nova posição. Bruno César com grande capacidade para definir e finalizar surge como um reforço de inverno fulcral. Linhas juntas, pressão logo na construção adversária e uma transição rápida após recuperações altas. É um Sporting muito competente em organização defensiva. Também em organização ofensiva apresenta armas com as constantes combinações e a presença de Slimani na área. Não perderá oportunidade de somar os três pontos no Restelo.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3012 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*