O melhor estará sempre mais próximo de vencer. Mas porque não ganha sempre?

A view of the action between Portugal and Wales during their UEFA Euro 2016 Semi-final match

Não apenas pela aleatoriedade do jogo.

A falta de controlo e o lado caótico do jogo, que assim permanecerá sempre por mais que se tente reduzir ao máximo a imprevisibilidade, pela definição de um modelo que contemple posicionamentos e decisões para cada momento e fase do jogo, estará sempre presente em cada jogo.

A bola na barra que não entrou. Ou o remate que encontra alguém e engana o guarda redes. A grande penalidade que naquele dia o guarda redes defendeu a determinar demasiadas vezes vencedores.

Todavia, não é apenas a aleatoriedade do jogo de futebol que torna possível aos menos fortes vencer os poderosos.

O jogo é por norma mais fácil para os menos fortes. As situações de jogo que encontram ao longo da partida são demasiadas vezes mais benéficas do que as que a equipa mais forte tantas vezes se depara. O menor aproveitamento porque são mais fracos individualmente e colectivamente, mas não porque o jogo tenha situações mais complexas para resolver. Tudo porque há um lado estratégico que permite gerir de forma diferente o jogo.

Em tempos José Mourinho afirmava que quem não contra atacava era “estúpido”.

Amanhã na final de Paris, a França porque tem melhores individualidades e porque joga em casa, assumirá a partida, preparando-se para jogar em ataque posicional uma grande percentagem da mesma. Ora, é precisamente em ataque posicional, quando enfrenta maior número de opositores nas situações de jogo, que se sente mais desconfortável. Terá bastante menos espaço e mais oposição à sua frente na final do que o que teve na semi final.

A selecção portuguesa por sua vez terá um jogo que acabará por se encaixar melhor naquilo que são as suas características. Muita gente atrás da linha da bola e esperar pelo momento em que uma recuperação acabe nos pés de Renato para então sairmos em velocidade na transição. Ganhando espaço, reduzindo o número de opositores para então ligar com Nani ou Ronaldo.

As características de cada jogo, a ditarem demasiadas vezes a possibilidade do menos forte vencer o mais forte.

Não foi surpresa a queda da melhor equipa do torneio. A Alemanha. A equipa alemã, a melhor do Europeu, tão superior individualmente e colectivamente a todas as outras, a cair pelos imprevistos naturais do jogo, mas também pelas características próprias de um jogo que proporcionava a jogadores como Griezmann, Payet e Giroud terem espaço. Enquanto que cada ataque Alemão enfrentava um sem número de opositores cuja valia é também elevada.

Como não será surpresa que a Europa se renda a Portugal. Mesmo que o mais forte esteja sempre mais próximo de vencer, há variáveis importantes que tornam este jogo tantas vezes de vencedor imprevisível. E será essa provavelmente a grande paixão do futebol.

 

Hora de ir a eles, rapaziada!

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3011 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*