Facilitador. O homem que não está no golo, nem nos passes que o antecedem.

Mas tantas vezes no início da definição de toda uma jogada.

Num post recente falavam-se das consecutivas más decisões de jogadores do FC Porto no momento da posse. Não retirar a bola do centro do jogo após recuperação quando o espaço escasseia e sobra noutro corredor. Ou simplesmente o jogo demasiado vertical e por cima que tantas vezes opta.

No golo do Braga não há muito de Xeka, mas há o suficiente para se poder considerar que com uma decisão diferente, que seria provavelmente mais imediata, mais simples e mais fácil, talvez o lance não se desenvolvesse com as possibilidades com que se desenvolveu. Possibilidades maiores porque espaço e vantagem numérica permitiram que nunca fosse necessário gestos técnicos de dificuldade elevada para se chegar ao golo.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3011 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

2 Comentários

  1. Craque da cabeça aos pés. Já o tinha visto a jogar n equipa B e na altura perguntei-me como não tinha subido. Completo em todos os momentos, muito critério. A assistência dele, e o passe para o Wilson num dos golos é de mestre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*