As maiores mudanças dependem de pequenos pormenores

O que significa que não só os treinadores não podem nem devem poder dizer (como tantas vezes o fazem!) “sou assim, têm de me aturar”, como também, se os jogadores e a equipa que se encontram sob a sua responsabilidade assim o exigirem, é perfeitamente possível que possam (e devam!) mudar as suas atitudes e comportamentos ao serviço do interesse coletivo.

Jorge Araújo

Se é mais ou menos garantido, nos nossos dias, que no que toca ao jogo, “tudo se treina”, parece que continua a ser muito difícil entender que também o treinador deve estar preparado para a complexidade e diversidade das problemáticas que tem a enfrentar. Continuamos a admirar aqueles que apresentam solidez nas suas propostas e comportamentos, mas confundimos demasiadas essas características com uma espécie de empedernimento de postura.

Por isso mesmo, somos levados a considerar que um treinador deve sempre reagir da mesma forma a situações diferentes. Nuno Espírito Santo saca de um quadro branco e de uma caneta para tentar explicar o que é o “jogar à Porto” e logo fica preso a essa imagem. É de tal forma a noção de construção de personagem a que um treinador está exposto, que nem ele próprio terá percebido que repetir tal ato o levaria, não à demonstração da solidez das suas ideias, mas à exposição de um efeito mediático que esquece (e apaga!) a mensagem que se pretende enviar.

Por outro lado, sempre que um treinador exagera numa atitude que se desloca dessa imagem construída, corremos a apontar que é sinal de crise. No final de um jogo em que tudo lhe correu mal, Rui Vitória mostra-se pouco afável e disponível para ouvir telemóveis a tocar na sala de imprensa, enquanto fala, e demonstra o seu enfado. Crise? Não. A única situação crítica que se terá sentido nesse facto não é a alteração de comportamento do técnico, que era, não só esperado, mas também desejável, tendo em conta o contexto dos resultados sofridos. O enfado do treinador apenas terá demonstrado que, quando se sai da personagem, se deve sair com os controlos na mão, manipulando a expressão das suas emoções e não se deixar levar pela ideia de que “o que é natural, é bom”.

Por vezes, a manipulação deste tipo de expressões públicas está tão impregnada na forma como determinada pessoa age, que nos esquecemos dela e a entendemos como descontrolada. É aí, parece-me que, pelo seu percurso e pela sua idade, Jorge Jesus leva ainda vantagem sobre os seus “concorrentes” na Liga Portuguesa. Desde os erros de português, às mensagens enviadas para os órgãos de comunicação social, até às análises que faz dos adversários, existe ali um pensamento cuidado do efeito que cada palavra e situação terá no adversário. Durante muito tempo, JJ usou isso a seu favor, na forma como era continuamente desprezado no seu percurso pelo União de Leiria, Belenenses, Braga ou, até, no primeiro ano do Benfica.

Em Alvalade, Jorge Jesus encontrou um desafio bastante diferente, até porque, pela primeira vez na sua carreira, chegava a uma situação em que o seu estatuto superava o do clube. Demorou a encontrar a forma de se adequar, sentir confortável, e mesmo na forma como as suas mensagens ao balneário nem sempre terá tido o sucesso desejado. Mas, raposa velha do nosso campeonato, aprendeu a esperar os momentos certos para desferir os seus golpes. Esta semana, tem dois jogos onde poderá demonstrar que terá evoluído na continuidade. Treinando o treinador que é, jogando com as expetativas que criou, superando-as para continuar a ser o melhor. Porque, apesar de tudo, é dentro do jogo que se encontram as respostas para os resultados que se alcançam.

Sobre Luís Cristóvão 95 artigos

Comentador no Eurosport Portugal.

12 Comentários

  1. Luís Cristóvão, o Sporting tem mais de 110 anos de história. Jorge Jesus tem meia dúzia de anos de carreira. Comparar o estatuto do Jorge Jesus ao do Sporting já seria de si ridículo. Colocar o estatuto de Jorge Jesus acima de um clube centenário com muitos títulos na sua história no futebol e modalidades, é de uma falta de sensibilidade tremenda, para não dizer outra coisa.

    Aliás, o problema de Jorge Jesus é achar-se superior às instituições que representa, como se só ele importasse

    • David,
      ninguém está a falar da história do Sporting neste artigo. Estamos a falar, sim, do facto de, naquele momento, o Jorge Jesus bicampeão nacional ter chegado a uma equipa que não ganha o título há mais de uma década. No contexto da carreira dele, foi a primeira vez que tal aconteceu. Esperar-se mais do treinador do que da equipa.
      Pensei que isso estivesse claro. E está.

      • Nem perto. Não esteve claro a mensagem nem é claro o raciocínio. O que se esperava (e espera) do Jesus é que ele justifique os 5,6 ou7 milhões de euros que ganha por época.

        Neste momento, não o tem nem de perto nem de longe justificado. Então na escolha dos jogadores para formar o plantel…

    • “o Sporting tem mais de 110 anos de história.”

      Caro David Manteigas

      Percebo perfeitamente essa evocação histórica, mas desde os anos 90 que sabemos perfeitamente que o Sporting está falido e continua a caminhar alegremente em direcção ao abismo, contudo, pior que a parte financeira é a degradação em que o Sporting caiu.

      Ora, o Sporting é um clube de génese nobre e elitista e simplesmente caiu nas mãos do proletariado, que quer continuar a ser proletariado, pois não faz o mínimo esforço para se elitizar.

      Ora, isto é o caminho para o colapso.

  2. Mais um brilharete do melhor treinador português da atualidade. O homem continua imparável. O estatuto já quase não cabe em Portugal. Espero agora pela conferência da imprensa. Como é que se diz oitxentxa e oitxo em polaco?

  3. O colosso Sporting tem 4 (quatro) vitórias fora na Champions/TCE. Em toda a sua história. Uma pequena estatística para quem vai comparar estatutos e diminuir o JJ.

  4. Esta é boa… Um gajo que consegue rebentar a equipa só com o que diz dentro e fora do balneário. Eu não vi o jogo de ontem por isso não tenho nem posso ter opinião. Mas quando o JJ atirou que estavam a 90 por cento para o Légia a primeira coisa que me veio à cabeça foi “vais perder”. E assim foi. Fantástico. Este texto também foi escrito a 90 por cento. Sorry.

    • Incrível como ainda se lê dezenas de estupidez por esta internet fora

      JJ respondeu a 1 pergunta de um jornalista com a verdade e com a a responsabilidade que sabe vir dessa resposta.

      Quantos acreditam que RV tinha a equipa totalmente focado no Napóles quando sabe que se perder domingo, desperdiça 7 pts de vantagem e passa a correr atrás? Quantos acreditam que por mais que se diga que o foco está 100% no jogo que vão ter, os jogadores só pensam em não forçar choques, lutas que os possam impedir de jogar o derby? Quantos acham que o trabalho de um treinador não é aos poucos preparar um jogo e ao mesmo tempo no treino, no jogo deixar alguma preparação para o próximo?

      Quanto ao jogo, JJ e o SCP não perderam por ele ter dito que estavam focados 90% ou por ter colocado o César no lado direito do meio campo, perdeu porque pura e simplesmente Semedo continua a falhar, André ou WC não acertaram no remate e Dost pouco mais dá ao jogo que a espera de cruzamentos….e ainda porque aparentemente fora de Portugal mãos na bola não dão penalti.

      Perdeu porque houve uma equipa que conseguiu ser mais competente e capaz de mostrar que os 3 golos que fez ao RM ou os 4 ao Borussia não foram obra do acaso.

      Como disse um dia Romário: calado Pelé és de facto um poeta!

      Se tivesse calado eras de facto um grandíssimo poeta.

  5. “As maiores mudanças dependem de pequenos pormenores”

    Caro Luís Cristóvão

    1º Definem-se os objectivos a ser alcançados

    2º Traçar a estratégia que leve a atingir esses objectivos definidos

    3º Implementa-se as medidas necessárias para alcançar esses objectivos

    Um pequeno pormenor que tem passado despercebido aos dirigentes dos clubes/sads, treinadores, jogadores (e a todos em geral) são as brincadeiras nas selecções que prejudicam o desempenho e o rendimento desportivo e financeiro do clube/sad, dos treinadores e dos jogadores.

    Quanto mais rápido for extirpado esse cancro das selecções melhores reseltados desportivos e financeiros serão alcançados.

  6. Superleão, agora fiquei confuso. Então foi por causa das brincadeiras nas selecções que o sporting perdeu com o borussia e com o real? Com aquela performance? Ou achas que foram más exibições? Perdeu esses jogos mas na minha opinião foi superior aos adversários principalmente contra o real madrid. E a lógica dizia-me que que o principal adversário seria o legia, independentemente das surpresas que poderiam vir a suceder quer para o sporting quer para o legia.
    Um pequeno pormenor que tem passado despercebido a muita gente é que nós somos da 2ª liga da europa, o nosso campeonato não está ao nível do inglês, francês, espanhol, italiano, alemão. Os jogos que vemos todas as semanas são, com raríssimas excepções, de média/baixa qualidade e depois achamos um escândalo o facto do scp, porto, benfica ou braga ficarem aquem das nossas expectativas, expectativas essas que nos são diariamente fornecidas pelas pessoas que alimentam este negócio e querem lucrar com ele obviamente. Temos que estar cientes disto: não temos capacidade financeira para lutarmos de igual para igual com a esmagadora maioria das equipas que tradicionalmente são as 10, 12 melhores da europa. E depois temos outro problema também grave. Quantas chicotadas já houve esta época? Os dirigentes são os maiores responsáveis desta palhaçada porque agem por ‘fezadas’ ou porque ouvem os ‘amigos’ investidores e cedem às pressões ou até porque a moda agora é apostar em jovens treinadores com aquele discurso todo bonito e tal e coisa. Como é que se avalia a competência? Pelo resultado? Pelo tamanho da cunha? Ou será pelo percurso e pela competência demonstrada? O treinador do porto está há 4 anos se não me engano a treinar.Claro que ele não tem culpa de o terem escolhido mas será normal isto acontecer atendendo ao percurso dele até aqui? É inevitável que surjam mais problemas que soluções.
    O jj já leva muitos anos disto mas também falha por isso fico confuso, falar que a selecção ou o tempo que os jogadores lá passam seja a razão pela qual o markovic é titular na equipa do scp causa-me dores de barriga. Se me dissessem que o jj o põe a jogar porque não tem outra opção aí até compreenderia o mister, agora metê-lo a titular tendo outros capazes de o fazer já não percebo. É que sempre que o markovic jogou de início o scp jogou com 10 e isto é que é grave.

    P.S.
    O Santa Clara vai já no 4º treinador. É confrangedor ver uma situação destas e ninguém reage, parece que não haverá nada a ser mudado nas leis por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*