Futebol não se estuda. É um dom.

Afirmou Zico, concluindo com:

Estudar eu estudei Matemática, Português e Geografia porque meu pai me colocou na linha. Mas não preciso de alguém para me ensinar como se faz gol. Futebol não é uma ciência exata. É preciso ter visão e percepção, mas é um dom, não se estuda

Quem precisa aprender, estuda, vai pra Europa… Quem não precisa vai pra praia. Eu falo isso, e muitos criticaram. Disseram: estão trazendo um treinador que estava jogando futevôlei… Eu pergunto, e agora? E ai? Futebol é como andar de bicicleta. Quem sabe, sabe. Quem não sabe, vai estudar

Há que perceber Zico. Zico, o jogador.

Porém, acaba por demonstrar aquilo que se vem afirmando sobre o maior entrave ao desenvolvimento do jogar brasileiro. Porque fruto do número de habitantes e contexto social destes se produzem em quantidades industriais talentos, e porque tantas vezes vencedor em tempos idos, o brasileiro jamais ousará abrir a mente para algo que possa ser novo em relação ao futebol.

No fundo permanece no tempo em que foi decidido “inaugurar” este blog, explicando que o jogo estava diferente. Que o factor de maior diferenciação era táctico. Seja na tomada de decisão seja na ocupação do espaço.

Se é difícil imaginar alguém que nunca jogou este jogo (mesmo que a um nível bastante baixo) a conseguir entendê-lo ou explicá-lo, ainda mais complicado é encontrar quem seja competente na área do treino sem procurar actualizar-se a cada dia que passa. Seja no entendimento do jogo, seja nas melhores formas de operacionalizar o que se entende.

Zico é um dos rostos da velha guarda, que talvez temendo perder um comboio que não vai parar, permanece na outra face da resistência. Aquela que tem condenado o país que apresenta de longe o maior potencial para almejar títulos mundiais, atrás de títulos mundiais, a ficar a ver o domínio Europeu.

Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 217 artigos
Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

14 Comentários

  1. “É preciso ter visão e percepção, mas é um dom, não se estuda”

    visão e percepção são qualidades que ficam normalmente mais apuradas com a experiência, experiência para mim está associada a estudo, um estudo mais espontâneo que pegar em livros, fazer apontamentos, pensar em determinada coisa propositadamente, mas não deixa de ser estudo, auto-estudo, o que quiserem chamar.

  2. Pergunto se não acham que esta irreverência táctica não será o que os potencia para outros níveis técnicos. Os problemas que põe a eles próprios no campo com esta mentalidade que os leva a aperfeiçoar a níveis muito altos a sua aptidão técnica.

    Mas concordo que dos 18 para cima, quem tem que “ir estudar” é gente a pensar assim.

  3. Caro Marco Van Basten

    Uma coisa é o que se fala, outra é o que se faz.

    Zico é treinador há vários anos, logo tem a experiência de analisar jogos, analisar equipas adversárias, preparar jogos, testar jogadores jovens, testar adaptações, testar esquemas tácticos, testar movimentações, ora isso faz-se com trabalho, não com idas à praia.

  4. “o brasileiro jamais ousará abrir a mente para algo que possa ser novo em relação ao futebol.”

    Apesar de conceitualmente correto, cuidado com a generalização. No Brasil, apesar de muita resistencia ainda, o perfil “boleiro” vem cada vez mais sendo massacrado na midia.

  5. EU NAOACREDITO QUE ESSE SENHOR FALOU TAMANHO ABSURDO,MAIS ISSO É UM ABSURDO…..PERDEU DE FICAR QUIETO…..IGNORANTE,SEM FUNDAMENTO

  6. Futebol, a área onde “teórico” é um insulto… não é tão mau, mas considerar o adjectivo lírico como algo de teor pejorativo, está no mesmo plano

  7. Também li isso no site globoesposte e, não queria acreditar no que estava a ler!! (quem disse isso foi o Renato Gaúcho após ganhar a taça do Brasil e, não o Zico… creio que foi uma crítica ao facto de o Zico ter aplaudido a vinda de treinadores brasileiros para a europa para actualizarem os conhecimentos sobre treino, tácticas, etc… e, este comentário do Zico vem a propósito da evolução do Tite após os estágios que fez na europa nos últimos anos e, da vontade do Cuca (campeão brasileiro pelo Palmeiras) pretender fazer o mesmo) Parece que o Renato é tão bom treinador que não precisa disso… basta ficar na praia a jogar futvólei… o problema é não ser o único a pensar isso!! (o Joel Santana disse algo parecido à umas semanas atrás). Mas já há muitos treinadores a procurarem novos conhecimentos e, parece-me que a nova geração de treinadores brasileiros está mais aberta à busca pelo conhecimento (o Rogério Ceni, que vai treinar o São Paulo na próxima época, estava a tirar um curso em Inglaterra e, levou um adjunto inglês muuito conceituado (Michael Beale) para o ajudar. O Deivid tem estado na europa a tirar formações e a fazer estágios com diferentes treinadores, etc..).

    Paulo Braz

  8. Meu filho de 7 anos joga 1 vez por semana futsal na escola. O professor de educação Física que dá aula na escola e em diversos clubes da cidade, aulas de futsal, disse que ele tem dom nato, que é diferenciado, muito,mas muito acima da média das crianças. Que ele é diferenciado.
    Não entendo nada de futebol.
    Ele brinca de jogar com meu filho de 12 anos , que também teve aulas com esse mesmo professor.
    De acordo com o professor o que Deus deu de talento pra um, tirou do outro.
    Isso de talento nato existe?
    Ele só treina 1 vez por semana na escola e aos domingos na pracinha.
    Só que sempre joga com meninos muito mais velhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*