Ideias em organização ofensiva. Um minuto antes do Benfica passar para a frente.

Sporting em organização ofensiva. No lance em evidência, a conseguir descobrir caminhos. A ter chegada à criação. A ter bola entre linhas e a criar possível ameaça à baliza de Ederson.

O primeiro passe a romper duas linhas, a dos atacantes, por fora, pela largura de Coates, a linha média pelo afastar de Rafa. A recepção de Gelson a enquadrar rapidamente e Sporting com chegada à criação com qualidade. Dificuldades na definição de Bryan, cuja recepção o impediu de servir Dost, naquela que foi a sua decisão de se afastar, para procurar receber para finalizar.

Tudo bem desenhado, vertical e pensado.

Segundos após, o SL Benfica sairia em transição com uma qualidade de definição no último terço incrível e chegaria à vantagem.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2941 artigos
Creator of the "Lateral Esquerdo", is also a teacher at the University Stadium in Lisbon. Soccer coach, having conquered several national titles in Portugal. Experience as soccer coordinator, and lecturer at various Sports Universities. Author of the book "Build a champion team" from the publisher PrimeBooks.

5 Comentários

  1. O Sporting foi toda uma oitava maravilha do mundo. Foi tudo espectacular.

    O sacana do Benfica teve sorte!
    Teve sorte este ano, assim como teve o ano passado.

    Ainda não vi um único post com elogia a nenhum movimento táctico, ou a um jogador do Benfica.

    Só elogios ao Sporting e ao Gelson.

    Fico com a sensação que o Benfica não jogou. Que os golos do Benfica, assim como as oportunidades foram milagres dos céus.
    O passe do rafa para o primeiro golo? Que se lixe, interessa é falar da fantástica recepção do Gelson.
    A movimentação do Nelson antes de centrar a bola para o segundo? Que se lixe! O que interessa é salientar a inovação do Rui Patrício ter virado líbero.

      • Se estou a ser injusto, peço desculpa.

        A mim o que me parece é que o Benfica foi uma nulidade táctica a nível atacante, que não teve qualidade nenhuma a atacar, o que acho extremamente injusto. Li algures a expressão, atacar “a cavalgar”, não foi bem isto, mas foi parecido. Como se essa opção por Rafa e Salvio, mais Jimenez e Guedes não fosse uma estratégia de manter o Sporting sempre alerta.

        O Jimenez fez o melhor jogo desde que está no Benfica.

        O Benfica consentiu posse de bola ao Sporting, não foi uma inevitabilidade, foi estratégia. A posse de bola foi 56, 44, ou coisa do género, nada do outro mundo.

        • A tática do Benfica para este jogo foi resumida pelo Nuno Amado no Podcast, quando falou do lance em que a bola bate na cabeça do Bryan Ruiz e isola o Jimenez.

          Não há grande possibilidade para fazer elogios táticos ao Benfica. O Sporting é que teve bola praticamente todo o jogo e criou as oportunidades. O Sporting é que constantemente desorganizou o Benfica.

          Ninguém pode dizer de forma honesta que o Benfica esteve bem no jogo. O Benfica foi fortissimo em 2 ou 3 transições sendo que 2 deram golo. De resto, defensivamente concedeu várias oportunidades de golo. Ofensivamente foi praticamente inexistente. Ganhou, é verdade. Como o Leicester o ano passado ganhou a Premier League. É futebol e os impoderáveis são tantos que qualquer equipa pode ganhar um jogo. Agora não vamos todos elogiar o Leicester – ou a qualidade de jogo do Benfica – apenas por causa de um resultado. É futebol, e a sorte também joga.

  2. E já agora uma decisão incrivelmente idiota do B. César a rematar, tendo o Dost já desmarcado completamente, que era só centrar a bola para ele.

    E já não é de agora que eu digo, mas vocês gostam muito do Bryan Ruiz, mas é um jogador extremamente limitado nas decisões. Não é capaz de executar rapido e raramente pensa rapido. Tanta técnica mal aproveitada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*