Encaixe tático – Pochettino vs Conte

Foi com alguma surpresa que vi o Tottenham de Mauricio Pochettino apresentar uma estrutura próxima de um 3x4x2x1, na receção ao Chelsea.

O treinador argentino desvalorizou a importância da disposição tática na vitória obtida mas a verdade é que existiu uma forte componente estratégica, no jogo frente à equipa de Antonio Conte.

As equipas revelaram comportamentos muito idênticos em organização e a forma como se anularam também foi semelhante.

Este choque de ideias ficou desbloqueado por um excelente aproveitamento das lacunas que o Chelsea apresenta. Falámos, aqui, da forma como a equipa permite que seja possível que a bola possa rodar pela cobertura ofensiva, uma vez que Diego Costa, sozinho, não consegue fechar todas as soluções de passe recuado. Aliado a esse problema, surgiram alguns desposicionamentos que o acentuaram, permitindo ao Tottenham chegar a zonas de finalização.

 

Bruno Fidalgo
Sobre Bruno Fidalgo 57 artigos
Licenciado em Ciências do Desporto. Criador e autor do blog Código Futebolístico. À função de treinador tem aliado alguns trabalhos como observador.

12 Comentários

  1. Excelente resumo do que foi o jogo! Parabéns!

    De facto, também me surpreendeu esta estratégia que Pochettino apresentou. Parece que a tática de Conte começa a fazer escola em Inglaterra. Na verdade, não se pode dizer que uma equipa tenha conseguido claramente superiorizar-se à outra. O que fez a diferença foi a eficácia no aproveitamento, por parte do Tottenham, de alguns lapsos defensivos do Chelsea.

    Nos spurs destaco a capacidade dos médios em condicionar a organização ofensiva do Chelsea. Nomeadamente Wanyama e Dembelé que, estiveram insuperáveis durante toda a partida. Mal o adversário colocava a bola no corredor central, estes dois saiam logo a pressionar, obrigando muitas vezes o Chelsea a bater longo para Diego Costa, sem grandes resultados.

  2. Quando falamos de sistemas muito fechados que se tornam previsíveis, penso que temos no vídeo dos golos um bom exemplo. O adversário a entender as fraquezas e a explorá-las. Faltou, também, que no intervalo tivesse havido algumas palavras para evitar a repetição de erros. Eriksen deixado com tempo e espaço, em ambas as situações, para colocar a bola onde queria.

  3. O único jogador que cria desequilíbrio no lance do 1º golo é o Matic, que resolve ir a uma bola, em que já está 1 jogador do Chelsea a ir, com 2 protecções nas costas ao invés de fechar a linha de passe atrás da qual surgiu o cruzamento à vontade… mas culpemos lá o Hazard, que o Matic é ex-Benfica.

    • O Matic foi ajudar alonso para nao haver 1×1 no corredor, o que é o que se espera dele. O desiquilibrio inicial é provocado pelo hazard e depois há 2 erros. O primeiro é o cahil que devia estar na ultima linha e anda ali perdido e vai ocupar o mesmo espaço do kante e depois o david luis sobe para provocar o fora de jogo e ninguém acompanha ficando enorme superioridade do totenham na area. Essa tirada do matic ser ex-benfica é absurda neste espaço…

      • Não, o que se espera de Matic é que não tenha devaneios e largue por completo os seus adversários, o desenrolar da jogada mostra a evidência do homem que cruza (à vontade) ser de Matic. Necessidade de o largar para ajudar um colega? Nem por isso… Alonso tinha 2 homens na dobra, caso fosse necessário (1 dos quais e bem, ao contrário do que dizes, Cahill).

        Não há desequilíbrio nenhum inicial, estão 3 para 2 na lateral a favor do Chelsea.

        “e depois o david luis sobe para provocar o fora de jogo e ninguém acompanha ficando enorme superioridade do totenham na area.” <- vês porque falo de Benfiquismo? Porque vocês vêem outras jogadas. O Azpilicueta faz precisamente o mesmo movimento do David Luiz, quem os põe em jogo é o ala Moses… e o estar em superioridade numérica ou não numa área como é óbvio não se mede por dar 2 passinhos à frente ou não. Ou se está ou não se está.

        No resumo geral da jogada a atribuir culpas ao Hazard em algo é não ter defendido o seu flanco, à partida seria ele, Alonso e 1 dos médios na dobra (porventura Matic) mas são coisas que acontecem, um ala (não gosto de chamar isto mas sim extremo) não tem de defender sempre (ou melhor, no futebol moderno tem) mas em todos os jogos, há várias jogadas em que 1 extremo não consegue defender e no caso específico desta não acho mesmo que tenha sido por aí que tenha resultado o golo, acho que o devaneio do Matic e do Moses (em termos de posicionamento para o fora-de-jogo) foram mais importantes no sucesso da jogada.

        • Nem eu gosto muito do david luiz nem tu sabes se sou benfiquista ou do belem mas enfim.
          O chelsea tem 2 medios recuados, se o extremo nao da apoio ao lateral acho normal ir la um dos medios e o outro ocupar o espaço. É que o central fazer a dobra e solução de recurso porque aí ja tens a defesa feita num 8 e abres um buraco no meio.
          Se achas que o david luiz não ficou fora do lance por dar 2 paços em frente experimenta fazer o mesmo e depois tentar recuar em contra pé. Inicialmente não reparei mas Sim o azpilicueta acaba por reagir e o moses fica a dormir e isso é a morte do artista.
          Se reparares o cahil nao so esta fora da linha como chega a estar em cima do kante, logo nao era ali o lugar dele quando tens igualdade numérica ou até superioridade do totenham na area.
          É a minha posta só…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*