Quando jogam os melhores a Manta não é curta

O Feirense de Nuno Manta fez o seu segundo jogo num dos campos dos grandes e, uma vez mais, sai com razões para acreditar que a sua equipa pode atingir um nível muito mais alto. Ainda assim, os primeiros 45 minutos foram oferecidos ao adversário, sendo que, da mesma maneira que no Dragão poderia ter sofrido vários golos durante esse período, em Alvalade o 2-0 com que ia perdendo parecia pouco para a produção permitida ao Sporting.

O jogo do Feirense mudou quando a equipa fogaceira fez duas substituições de uma assentada, com as entradas de Tiago Silva e Karamanos, aos 60 minutos. Por um lado, a entrada de melhores jogadores para interpretar o jogo de surpreender Jorge Jesus, como Nuno Manta tinha prometido na antevisão do encontro. Por outro, situações de jogo mais complexas, a deixar entender que há um treinador em formação em Santa Maria da Feira.

Tiago Silva ofereceu, no imediato, maior qualidade à circulação de bola a partir de posições mais recuadas, permitindo, ao mesmo tempo, situações de maior mobilidade à sua equipa. A faixa esquerda passou a ser, então, o recreio dos meninos que equipavam de azul, com Vítor Bruno, Fabinho e Etebo a criar muitos problemas ao Sporting. Foi de lá que saiu o golo, e foi de lá que, a partir do minuto 60, o Feirense colocou os leões em sentido.

Nas duas imagens, é a mobilidade de Etebo a largar  a sua posição na faixa para terrenos interiores que abre espaço para o ataque do Feirense. Na primeira imagem, Vítor Bruno tem todo o espaço para, junto à linha, aparecer em superioridade. Na segunda imagem, é Fabinho quem se encosta na linha lateral, com Vítor Bruno a correr para ocupar a posição de extremo e Etebo a descer para médio-interior. Posicionamento em busca de qualidade ofensiva, sempre com segurança defensiva.

deslocacao-de-etebo
Imagem 1
progressao-de-v-bruno
Imagem 2

Na faixa direito, fruto de menor capacidade de Barge para participar no momento ofensivo, Platiny mostrou atributos para ser um extremo-quebra-cabeças na Liga NOS, surgindo, no duelo individual, com muito mais qualidade a partir da faixa do que posicionado no centro do terreno.

Outro dos aspetos que o Feirense mudou, a partir desse minuto 60, foi na subida da sua linha de pressão para dentro do meio-campo leonino. No caso da terceira imagem, percebe-se o posicionamento adiantado dos interiores Tiago Silva e Fabinho, enquanto Platiny e Etebo dão cobertura nas faixas.

Imagem 3
Imagem 3

Mas também na reposição de bola, o Sporting foi obrigado durante meia-hora a colocar com passe longo, em lugar de sair a jogar. Obrigado a gerir a vantagem, foi um Sporting pior, pela quebra dos seus jogadores, mas muito, também, pela forma como o Feirense mostrou que a Manta não é curta para abordar a segunda volta do campeonato.

Sobre Luís Cristóvão 95 artigos
Comentador no Eurosport Portugal.

1 Comentário

  1. Só vi a segunda parte e gostei do Feirense, em particular do Silva que é do Belenenses.

    Acho muito bem que se dê destaque às equipas pequenas quando praticam bom futebol, continuem com o bom trabalho.

1 Trackback / Pingback

  1. Cérebro, o músculo principal – Lateral Esquerdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*