O lado tático de um duelo apaixonante – Como o City superou o Monaco

“Foi um grande jogo, toda a gente desfrutou com este jogo, quer no estádio quer em casa” Pep Guardiola

Para além do lado emocional, o jogo de ontem ofereceu-nos um embate estratégico muito interessante.

O Monaco já não surpreende e a personalidade revelada acentua o valor do trabalho de Leonardo Jardim. A equipa do português não esteve tão capaz em organização defensiva mas conseguiu ser letal em transição e até podia ter marcado mais golos. Do outro lado, um Manchester City bem preparado do ponto de vista ofensivo. Foram vários os recursos apresentados para chegar a zonas de finalização e claras as intenções de explorar as lacunas da equipa visitante. A equipa de Guardiola não abdicou da saída apoiada, mesmo depois de algumas perdas comprometedoras e foi, como quase sempre, recompensada por isso. A forma como os posicionamentos se alteravam, na fase de construção, ajudou a que o Monaco baixasse no terreno. Os centrais do City estiveram bastante participativos e adicionaram ações de progressão em condução que permitiram atrair muito mais jogadores para zonas laterais. Variando o centro de jogo de corredor lateral para corredor lateral, passando muitas vezes pelo meio, a equipa do Manchester acabou por afundar o Monaco em zonas onde não é tão eficaz.

O forte jogo posicional do City fez a diferença e num jogo onde foram cometidos demasiados erros, acabou por ganhar a equipa que mais vezes os conseguiu explorar.

Em França, o Monaco terá de melhorar bastante do ponto de vista defensivo, se quiser passar à próxima eliminatória.

Bruno Fidalgo
Sobre Bruno Fidalgo 75 artigos
Licenciado em Ciências do Desporto. Criador e autor do blog Código Futebolístico. À função de treinador tem aliado alguns trabalhos como observador.

10 Comentários

  1. Grande jogo de futebol, o melhor que eu vi este ano na champions.

    Ps: Já tinha lido aqui sobre o Mbappe , mas foi a primeira vez que o vi jogar, faz muito tempo que um jogador de futebol não me impressionava tanto…

  2. Muito bom Pedro!

    Já agora, se puderes, faz um video da mudança da 1ª para a 2ª parte da saída de bola na 1ª fase de construção do City. Para mim, esse foi o grande segredo do Guardiola neste encontro, pois foi o que desencadeou uma série de eventos conduzindo a muitos dos erros defensivos do Mónaco e à perda do controlo dos ritmos por parte deles.

  3. Incrível o crescimento do Sterling com o Pep. E o Sané já é um dos melhores extremos da Europa.

    Muito entusiasmado com a segunda época do Pep no City. Faltam laterais de qualidade e um 6 que pode muito bem ser William.

    • E um guarda-redes a sério. É fácil pegar no penalti defendido e dizer que o Caballero foi decisivo, mas isso seria escamotear uma exibição sofrível.

      • Concordo! Os guarda-redes do City têm sido do pior que há… Mas o que dizer do Bravo que já devia estar habituado a esta saída de bola?

  4. Há que ver o outro lado também dos 90 minutos. O City perdeu tanta bola. Mas tanta. Muita imprecisão. E a fogueira sempre cá atrás. Demais para uma equipa de Pep.
    O não abdicar de um estilo poderá não ser tão sincero assim. Saber ajustar é importantíssimo. No limite, ontem, talvez com algum espanto, por aquele final, o City extraiu finalmente bastante do que faz ofensivamente (ainda que dois fossem de canto) o que deu para abafar o que repetidamente concede e sofre lá atrás.
    Não será sempre assim. Mas focar o treino para tal poderá ajudar cada vez mais.

  5. Excelente análise, mas não concordo bem com a forma como alguns aspetos foram explicados:

    1 – Os lances em que o Sidibé sai na pressão muito acima (quando podia aguardar que fosse o Bernardo, concordo) e do Lanç. Lat. fazem parte da estratégia? Porque pareceu-me que foram lances que fazem parte do jogo e que a grande capacidade individual do City os resolveu naturalmente

    2 – Falta assinalar que os AVs do Monaco (Mbappé + Falcao) deveriam sempre cobrir os adversários que ocupassem a zona do MDef em construção do City.

    No início, como apenas era Yaya, o 2ºAV fechava perto dele.

    Quando Fernandinho passa a construir como médio, os 2 AVs preocuparam-se em fechar a linha de passe para os 2 médios do City (Yaya + Fernandinho).

    Contudo, neste último caso, o City entrava por fora, pelos corredores laterais, batendo os AVs do Monaco, para depois com um simples passe para o meio jogar nos MC do City, que já estavam de frente para o jogo e com os AVs do Monaco batidos.
    (este aspeto é percetível num dos lances do 1º vídeo)

    3 – Este ajustamento do Monaco permitiria que o Fabinho e Bakayoko se preocupassem com o De Bruyne e Silva. Durante o jogo, achei que foi bem pensado, pois tenho visto os últimos jogos do City e de facto a bola tem que passar por eles para criar perigo.

    Não esperava que o City encontrasse tão boa solução para resolver o problema que o Monaco colocou. Que residiu em Silva e De Bruyne jogarem mais abertos, arrastando consigo os MC do Monaco, para abrir espaço para a linha de passe para Aguero, que serviria de apoio frontal.

    4 – Aqui não tenho tanta certeza, mas penso que quando sai Fernandinho e entra Zabaleta, o principal objetivo é manter gente atrás quando o City ataca, precisamente para o Monaco não conseguir contra-atacar pelos corredores laterais, sobretudo do lado esquerdo do City, por causa do posicionamento interior de Fernandinho.

    Acho que isso também foi muito importante para não sofrer mais nenhum golo no jogo.

    5 – Apesar disto tudo, o City marca 2 golos em 2 cantos, sendo que pelo menos no golo do Aguero o jogador do Monaco (penso que é o Fabinho) tem que condicionar muito mais o adversário.

    —————————————————————-

    Penso que foi o Dante que na altura que Pep estava no Bayern falou que chegavam a ter 3 planos para abordar o jogo.

    Penso que Pep mudou do plano A para o plano B, e este resultou bastante bem.

    • Queria só acrescentar que isto é muito bonito estar aqui a dar a minha opinião, mas tenho que sublinhar que deve ter dado uma trabalheira fazer estes cortes e edições, por isso reforço os meus parabéns a este artigo!

1 Trackback / Pingback

  1. O lado tático de um duelo apaixonante – Como o City superou o Monaco.  | Futebol Pensado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*