Preparar o futuro – Colocação e receção

” A Højbjerg le había dedicado más horas que a ningún otro jugador: le había explicado cómo colocar el cuerpo cuando recibía el balón para poder enregarlo de inmediato con la mayor eficacia;”

A forma como os futebolistas se posicionam para receber a bola, é, em todos os momentos, um fator importante para o seguimento do lance. Para os centrais, os laterais e até os guarda-redes, passando, inevitavelmente, pelos médios e avançados, é fundamental que exista essa consciência. Receber com qualidade é uma virtude de quem prepara o futuro. Percebem-se, portanto, as preocupações de Guardiola com Højbjerg.

Para aumentar as possibilidades de ação após a receção, é crucial que o recetor não feche o seu campo de visão. A qualidade e orientação da receção também são elementos essenciais para o seguimento do lance.

Ao não ter em conta estes aspetos, quem receba a bola poderá expor-se, facilitando a ação de quem pressiona.

Guardiola foi, como jogador, um pivô defensivo de excelência. Inspirado pelas lições de Cruyff, o agora técnico do Manchester City, revelava muita qualidade na forma como se colocava para receber a bola dos seus companheiros.

As preocupações com este tipo de situações são agora mais frequentes. Alguns fazem-no parecer fácil, mas é fundamental que exista uma preparação nesse sentido. Para quem valoriza a posse e nunca ignora o seu pivô no momento de construção, torna-se indispensável a passagem deste conhecimento aos jogadores.

Weigl é um dos exemplos que melhor retrata as competências necessárias a um médio defensivo do futebol moderno. É fantástica a subtileza como se move atrás da 1ª linha de pressão. A qualidade da receção que o coloca quase instantaneamente virado para o jogo, mesmo quando não consegue receber de frente é algo que só se alcança com muito treino. A essas virtudes, o jogador alemão alia uma capacidade para recolher informações a todo o instante. Também por isso, tem uma percepção quase sempre correta, do meio envolvente. Muitas vezes, é essa a chave do sucesso.

Ainda assim, e mesmo percebendo as dificuldades existentes para os pivôs, acredito que é dentro do bloco adversário, em zonas mais adiantadas, que surgem os maiores problemas para quem recebe.

Analisar e interpretar o contexto em situações onde existe menos espaço e tempo para agir será, à partida, uma tarefa muito mais complexa.

O espaço entre a linha média e defensiva do adversário tem ganho uma enorme importância no jogo ofensivo. Ao conquistar esse espaço, promovem-se reações na linha defensiva adversária e é natural que se abram espaços importantes.

Conseguir enquadrar nessas zonas torna-se essencial para quem quer agredir, de forma assertiva, os poucos opositores que restam.

Sobretudo para quem recebe um passe frontal, nem sempre será fácil ficar de frente para a baliza. Para quem consegue, a forma como o faz terá, obviamente, reflexo no seguimento do lance. Receber orientado para a linha lateral não é o mesmo que receber de costas para esse local. Ainda que seja possível receber para fora e depois atacar o espaço interior, é muito mais fácil para quem quer atacar a baliza de forma rápida, rececionar a bola com o corpo virado para dentro.

As vantagens são óbvias. É lá que mora a baliza.

 

Bruno Fidalgo
Sobre Bruno Fidalgo 57 artigos
Licenciado em Ciências do Desporto. Criador e autor do blog Código Futebolístico. À função de treinador tem aliado alguns trabalhos como observador.

13 Comentários

  1. O Weigl é um bom exemplo. mas o melhor do mundo nesse sentido, é sem sombra de dúvida Busquets. Para além de se enquadrar sempre bem para o jogo, é capaz de tirar jogadores do caminho apenas com a recepção. Incrível o que o espanhol faz, e não é nem um pouco reconhecido

  2. Busquets, para mim o melhor exemplo. Quem por cá quiser aprender pode ver o Alenitchev no Porto do Mou e perceber como a inteligência na recepção pode ajudar a criar a vantagem e o espaço a um jogador que para o futebol moderno não era especialmente rápido, alto, “intenso”, ou outras características que são hoje tão apreciadas. Não era o Renato mas recebia e ganhava aquele primeiro meio metro como poucos.

  3. Extraordinário post!

    É verdade que receber entre linha média e defensiva adversária é mais complicado, pela pressão, pela densidade de jogadores etc… No entanto, acho que no caso do pivot e nas receções entre a linha avançada e média, há um fator que torna esta missão um pouco diferente. A proximidade da receção com a sua própria baliza faz com que cada erro se possa tornar numa oportunidade de golo para o adversário e o medo acaba por condicionar a decisão do jogador de uma forma diferente do que o faz em zonas mais avançadas.

    Daí que considere ainda mais importante trabalhar isto nos pivots, porque não são muitos que o fazem, porque a reação natural da parte dos jovens e de imensos profissionais( o Danilo pura e simplesmente não oferece linhas de passe aos centrais dentro do bloco adversário, grande parte das vezes acredito que por medo) é fugir de dar este tipo de opções, é sair fora do bloco. É por isso crítico que o pivot saiba colocar o corpo e saiba receber bem, porque caso contrário vai fugir porque perdeu ali bolas. É isso que torna 6’s que como Busquets e Weigl, jogadores ainda mais especiais, não fogem não se escondem, sabem dar linha de passe e contribuir de forma brutal para aumentar a qualidade da circulação.

  4. Lembro-me de num belo grupo de whatsapp se falar sobre isto durante o Euro. Tantas e tantas vezes que os medios centro recebem apenas para devolver, ou para rodar por tras.

    Dezenas de situacoes em que tinham espaco para receber enquadrando com o alvo mas nunca o fazem… porque nem sabem que teem espaco.

    Um dos posts recentes fala do provocar dos centrais para libertar o homem livre. Quando a bola esta “dentro”, o provocar deveria ser o mais utilizado, e tantos e tantos jogadores que nem se mostram perigosos porque nem se viram para a baliza adversaria.

    porMaiores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*