Manter a organização defensiva. A “cínica” Juventus na 2ª parte.

during the Serie A match between Juventus FC and UC Sampdoria at Juventus Arena on May 14, 2016 in Turin, Italy.

Depois de uma primeira parte de nível elevadíssimo, em vantagem, a primazia da equipa italiana foi retirar as transições ofensivas à equipa monegasca. Afinal, aquele que será um dos pontos mais fortes da equipa de Leonardo Jardim.

A ligação com Mandzukic passou a ser uma constante. Se o croata conseguia segurar a bola que vinha por cima, iniciava construção mais adiantado. Se perdia, a velha senhora mantinha nove atrás da linha da bola, entrava em organização defensiva e esperava a recuperação para sair em contra ataque. Precisamente, o tipo de jogo que o Mónaco adoraria poder jogar. É precisamente numa recuperação alta e saída em ataque rápido que a Juventus inicia a jogada do segundo golo.

Da inteligência tão própria das equipas matreiras para a final da Liga dos Campeões, deverá ser um passo bem curtinho.

Sobre Paolo Maldini 3801 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

1 Comentário

  1. Ja podemos concluir certos apontamentos dessa ediçao da liga dos campeoes:

    1/ as equipas mais aptas na organisaçao ofensiva foram eliminadas antes das meias ( City, Napoles, dortmund, barcelona, arsenal …)
    2/ uma das explicaçoes foi a moda da pressao alta: o paris saint germain na primeira volta contra o Barcelona, a Juventus tambem com os mesmos, o Monaco com o Dortmund e o City…
    3/ essas equipas que jogam a pressionar alto sabem adaptar-se e quando se vêem em vantagem retraiam-se atras em organisaçao defensiva mas sao muitos bons na transiçao ofensiva. As melhores nessa transiçao foram o Real Madrid, a Juventus e o Monaco
    4/ as equipas que souberam adaptar-se consoante o jogo estao todas nas meias finais
    5/ Quem vai ganhar é aquela que soube sair da pressao alta com muitas facilidades: A Juventus graças à defesa que se desfaz dos adversarios com uma facilidade deconcertante de todas as situaçoes ( ai, o Bonucci!!)bola no pé às vezes directamente nos avançados ou com segundas bolas; e o Real graças ao kroos ou Modric. Os desequilibrios constroem-se de tras e quem teve os melhores na criatividade desde tras està na final
    6/ A juventus e o Real Madrid souberam mudar de modelo de jogo e adaptar se ao adversario: o Real entre o habitual 4/3/3 ou o 4/4/2 ( jogo atletico e 2dna mao bayern…); a Juventus entre o 4/4/2 ( 1era mao barcelona…) e o 3/4/3 ( Monaco..). Isso desmontra autonomia e capacidade da decisao muitos fortes nessas equipas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*