O crescimento de Bas Dost

A bola que já não bate na parede, afirmou Jorge Jesus no final da partida. A curiosidade de em duas / três acções em que decidindo diferente do habitual durante grande parte da época (passe de primeira sempre na direcção de onde a bola vem), também num grupo privado enquanto se debatia o jogo alguém ter soltado um “olha, não trouxe as raquetes a Braga”. Jorge Jesus confirmaria a mesma ideia no final do jogo de Braga.

O crescimento de Bas Dost é o tema de mais um artigo Lateral Esquerdo no Jornal Record.

Aqui.

Sobre Paolo Maldini 3788 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

10 Comentários

  1. Sem tirar mérito ao jogador e ao staff, mudar de um campeonato alemão para o português também tem influência não? Veja se Jonas por exemplo. Não percebo o ego do Jesus a reclamar para si quase todo o mérito… dos melhores a potencializar um bom sistema de jogo e jogadores mas deita quase tudo a perder com aquelas soft skills

    • Jesus não esta a reclamar a produção e talento do bas dost para si, e tb e verdade que a liga portuguesa e mais fraca que a alemã. Mas esse não é o topico em questão, mas sim a diferença para positiva do jogo com bola de bas dost da primeira volta para a segunda. E ai a equipa tecnica tem merito ao estimular o holandes para fazer coisas um pouco diferentes do que estava habituado. Basta ver uns jogos e ve-se logo o que mudou

    • Sim, sempre a reclamar para si… Nao revejo nenhum treinador a faze-lo sendo que alguns ajudem a crescer os jogadores e em vez de tirar a manta para si, vao mas é elogiar-los. Com Jesus, os jogadores aprendem basica e truques mas é so mecanismos, o que explique certos flop dos que passam para eles no seu inicio de carreira ou com poucas rotinas como enzo perez, andre gomes, siqueira, ramires, rodrigo, slimani,witsel, markovic,gaitan, joao mario… O Matic safa se porque mecanismos bastam nesse Chelsea e Di Maria tem imenso talento mas nunca foi bom na decisao. Ele nunca faz crescer o jogador na decisao sem ser no seu sistema. Alias, prefiro o Jonas do ano passado com o RV e o Aimar que preferi ver foi o do jogo de 2nda mao com o Chelseao na liga dos campeos quando o Benfica jogava com dez, e que Aimar teve liberdade toda para compensar o meio campo. E outros souberam trabalharam o Bernardo na decisao que era o mais prometor nesse aspecto, e o William està a desevoluir e està muito aquem do seu potencial

  2. E vou a bater na mesma tecla: ele nao sabe trabalhar o jogador na liberdade da sua criatividade o que explica os flops quando os jogadores que ele trabalhou saem do seu sistema. E como o seu sistema funciona no campeonato portugues que é menos exigente e basta mecanismos, là fora é pedido muito mais…

  3. Nao sei se sou bem entendido quando falo na criatividade. Vou tentar ser mais escalerecedor:
    1/ O futebol é movimento e também movimento do corpo
    2/ O futebol é desequilibrio e logo começa com a bola no pé, bem diferente da mao…
    3/ O futebol é recomposiçao perpetua de espaço, aguns espaços muito curtos e outros mais largos
    4/ O futebol sao possibilidades de espaço que ainda nao existem ( profundidade, atacar espaços com apoio, fintas que abrem espaços…)
    5/O futebol permite no minimo uma organisaçao muito forte com espaços e tempo de execuçao estudados ao pormenor que sao as bolas paradas(livres, cantos) mas o resto do tempo, os espaços sao inacabados e a vida do jogo manda nisso sem paragem de tempo.

    O jesus tenta que a colectividade organiza os espaços defensivos ou ofensivos e para isso ele estuda o posicionamento de cada um. Uns e outros ajudam se e quando tem a bola, têem sempre uma boa zona de conforto e possibilidades que foram estudadas antes sempre à volta. Para isso, cada jogador tem que respeitar os preconceitos. No campeonato português, a adversidade que nao é muito forte permite um certo sucesso. Ele é muito inteligente e certos processos sao utilizados por outros treinadores. Mas o defeito é que o jogador nao se move por si mesmo e nao tem liberdade. Assim muitas vezes, os seus jogadores mais talentosos com bola jogam nas alas porque a perda nos lados é menos perigosa….

    Outros tentem o equilibrio ao maximo mas de resto fazem sobretudo confiança nos jogadores para as decisoes. Para isso, escolhem os jogadores que se movem melhor com mais tecnica no pé; depois, aquele que tem a intuiçao e que vê antes dos outros; depois ensinam a respiraçao do jogo. Isso tambem existe na defesa e o Sergio Ramos que nao respeita sempre posiçoes, sinta o jogo e anda a corrigir sempre a tempo.

    Como jà disse, o futebol nao é um desporto como os outros porque o tempo e o espaço sao sempre inacabados, e a essencia do futebol é agilidade e intuiçao ao caos do jogo.

    O jesus nao o entende por vontade de controlo absoluto e de narcissismo. So quem conhece o jogo ( Zidane), ama os jogadores e tem humildade é que vai ter uma base no sucesso; e depois a inteligencia da colectividade e de um melhor controlo para ajudar os melhores jogadores nessa criatividade.

    O Guardiola é o melhor treinador de todos os tempos porque conseguiu reunir essas condiçoes mas ele nao ganha sempre porque os jogadores sao sempre os mais importantes

  4. E se alguns nao entendiam a merda que JJ escolha para o seu plantel, ficam entendidos.
    Igual para os outros que nao entendem porque o mestre da tactica e dos treinos nao sai do campeonato português e da sua zona de conforto.
    E para aqueles que quando ele perde dizem que é porque os outros treinadores tem sorte por causa dos jogadores, eles mesmos nao sabem que estao tao perto da verdade.

  5. Bas Dost já soma 53 golos em ano e meio de Sporting e, como o próprio assume, estes números devem-se bastante ao trabalho com Jorge Jesus. “O treinador ensinou-me onde sou mais e menos forte, mostrando-me muitos vídeos. Mesmo dentro da equipa, confrontou-me muitas vezes. Tinha tendência para passar a bola de primeira, mas às vezes é melhor mantê-la na posse da equipa”, começa por explicar, em entrevista ao jornal ‘Algemeen Dagblad’.

    Entrevista de hoje de Bas Dost, e vim rever este post 😉

1 Trackback / Pingback

  1. Aprendizagem de Bas Dost fora da grande área – Trabalho de Jorge Jesus – Lateral Esquerdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*