Seferovic, o jogador mais na tragédia Suiça.

Switzerland's player Haris Seferovic looks on prior to the World Cup 2018 football qualification match between Hungary and Switzerland at the Groupama Arena in Budapest on October 7, 2016. / AFP / ATTILA KISBENEDEK (Photo credit should read ATTILA KISBENEDEK/AFP/Getty Images)

Pode uma equipa ser goleada de forma expressiva e ainda assim ter algum elemento a apresentar-se a um nível altíssimo?

Pode! Porque uma boa exibição não está relacionada com o número de golos ou assistências. Mas sim, com uma percentagem elevada de acções e decisões positivas a cada momento em que se tem que intervir.

Jogar bem não é inventar. É aproximar a equipa do sucesso a cada toque na bola. É facilitar o trabalho aos colegas, aproximando ofensivamente a equipa da baliza adversária, através das suas acções.

Se na primeira partida, havia ficado a impressão de que apesar da muito boa mobilidade, Seferovic se havia mostrado somente em espaços mais próximos da última linha adversária, e menos a aparecer para também ligar o jogo entre linhas, o jogo perante o Young Boys  foi do ponto de vista individual do avançado suiço uma tremenda demonstração de qualidade e de capacidade para ser eficaz também quando baixa para receber.

Já alternou com Jonas, garantindo mais opções para entrada da bola nas zonas de criação e a cada bola que tocou, aproximava toda a equipa da baliza adversária. Um jogo cheio de categoria a ligar o jogo com os colegas. A receber e com enquadramento fácil, a criar lances prometedores sucessivos, com as suas acções. Entrega de primeira quando há pressão, roda, progride e combina quando há espaço.

Seferovic poderá não somar um número muito elevado de golos, e por isso poderá ser cobrado pela bancada. Todavia, se em todos os jogos conseguir a cada acção que realiza ter a taxa de sucesso de decisão / execução demonstrada na partida de ontem, é um reforço de elevado quilate para o ataque encarnado.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3011 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

7 Comentários

  1. Uma (muito) agradável surpresa, este Seferovic. Um jogador com o biótipo muito semelhante ao Mitroglou, mas que parece ir colmatar o maior défice do grego, precisamente esta capacidade para ligar o jogo. Não joga de primeira sempre que tem a bola, sentindo-se mais confortável fora da área do que o Mitro. Dentro da área, a ver vamos. Mas numa equipa com Jonas, Cervi e Salvio, todos eles com capacidade para fazer golo, pode encaixar muito bem. Não sabemos como será o treino e o que vai na cabeça do RV, mas é um jogador que pode espreitar um lugar no 11 em muitas partidas! Aliás, se o suíço mantiver este nível na pré-época, acho que será o adeus do Mitroglou ao Benfica (fazendo fé no que se lê na CS de haver interessados nele, e pelo fato de Jonas ser intocável e de Jimenez não ter ainda os minutos e exibições para fazer um grande lucro face ao que o Benfica pagou por ele). Mitro, Seferovic e Jimenez (e Jonas, embora jogue mais como segundo avançado do que como PL), é muita gente de nível alto para uma equipa como o Benfica, pois com certeza pelo menos 2 desses 3 não terão os minutos que desejam e não serão rentabilizados financeiramente.

    • Benfica tem feito a diferença a esse nível… Tem malta muito forte que muito tem contribuido para este domínio actual.

  2. Dos novos jogadores foi o que mais se destacou, pela positiva. Fiquei desiludido com os desempenhos do Chrien e do Pedro Pereira, de quem esperava mais. Muitos erros técnicos (passes/recepções) que não deviam acontecer a este nível. Terão tempo de corrigir, mas no imediato não sei se estarão prontos para a equipa titular.

  3. Também foi para mim uma agradável surpresa. Contudo, ao minuto 0:20 caso tivesse colocado no lado direito do ataque encontraria a melhor opção para a jogada em questão. Concordam?

  4. Pela amostra, bela surpresa de facto. Pensar que veio a custo zero de um clube de segunda linha alemao! Belo scouting.

  5. Que bela surpresa de facto. Pode não ter a presença de área do Mitroglou mas se o Jimenez e o Jonas mantiverem o faro de golo doutros anos até pode significar o adeus ao grego.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*