Dextros, canhotos, arco na bola. Kroos à esquerda, e ainda o Napoli.

Num dos últimos textos falava-se do porquê de Toni Kroos sempre à esquerda na saída a três. O facto de ser dextro permite-lhe quando a melhor decisão é variar o centro de jogo até ao corredor oposto, fazê-lo sem tanta dificuldade, porque o arco que descreve a bola fica mais facilitado para chegar ao destino, sendo um pé direito a variar.

Na nossa passagem pelo futebol feminino, todos sabiam o quão forte era a equipa a variar o jogo para o corredor direito, e ao mesmo tempo a dificuldade que sentíamos quando se pretendia inverter o sentido. De tal forma que só com a chegada de um elemento capaz de usar também o pé esquerdo com qualidade, se conseguiu aumentar a competência no comportamento táctico que pretendíamos.

Mesmo a um nível totalmente diferente, tudo importa, e o pé dominante dos jogadores faz diferença em cada abordagem.

Não somente na forma como se modela um jogar, mas também quando se tenta perceber e adivinhar para se poder responder, ao que está a acontecer.

O golo que abriu o activo na partida disputada no San Paolo, tem muito da competência da equipa italiana, uma das mais fortes a explorar a profundidade, com constantes movimentos sempre feitos quando se activam referências, mas também muito de uma má decisão do guarda redes. Com bola no corredor lateral esquerdo e pé direito o dominante, nunca poderia o guarda redes precipitar-se da forma como o fez. Lance não revelador de um infortúnio, mas sobretudo de uma má preparação ou conhecimento do jogo.

Claro que depois também há quem tenha o poder de contrariar fórmulas tidas como certas na maior parte das vezes, recorrendo a gestos de dificuldade muito maior, como a “trivela”. São é muito poucos, e também devem ser estudados antes de cada partida para que não possam surpreender.

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3046 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

1 Comentário

  1. Maldini, já se apercebeu que este vídeo tem 23 segundos de a análise e os restantes minuto e 40 segundos de gravação do q eu só posso imaginar ser o seu ambiente de trabalho, no qual se pode ver a fazer apostas? ? um abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*