Trabalho de casa encarnado. Transição com movimentos que se completam.

No “Visto à Lupa” do Jornal Record, referi a forma como estão pensadas por Rui Vitória as transições encarnadas, preparadas para retirar o que de melhor cada um dos seus avançados tem para oferecer, e que têm tornado o Benfica uma equipa com uma qualidade para sair rápido para o ataque após a recuperação, como nenhuma outra na Liga.

Após a recuperação da bola, há praticamente sempre o movimento de baixar de Jonas, para ser a primeira referência, geralmente vertical para a bola entrar após a recuperação, enquanto que Seferovic faz o movimento contrário, e sobe metros até próxima da altura da última linha adversária, esperando aproveitar o facto de porque estavam em posse, estarem ainda altas no campo de jogo.

O Benfica explora a maior qualidade técnica e de decisões de Jonas para criar em transição, e a maior capacidade de Seferovic para se desmarcar em ruptura, recebendo nas costas das defensivas adversárias.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3011 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*